BENEFÍCIOS DO ÁCIDO TRANEXÂMICO NO TRATAMENTO DO MELASMA

Já falamos aqui no meu blog sobre os benefícios do ácido tranexâmico no tratamento do melasma. 

Melasma é um assunto de grande importância na dermatologia, pois acomete muitas mulheres e costuma ser reincidente. Gostaria de acrescentar algumas informações que foram apresentadas durante o último Congresso Mundial, visando complementar meu artigo anterior e disponibilizar  novidades sobre recentes estudos a respeito deste tema.

O ÁCIDO TRANEXÂMICO PARA TRATAMENTO DO MELASMA FOI BASTANTE COMENTADO DURANTE O COGRESSO.

O ácido tranexâmico oral, com ação anti-inflamatória, diminui a reação à resposta À RUV. Dermatologistas brasileiros já utilizam essa opção de tratamento, mas o uso do ácido foi um dos temas mais debatidos no evento, no que diz respeito ao melasma.

Ácido tranexâmico: 250mg VO 2x por 3 a 6 meses. Diversos estudos mostraram efetividade no melasma – inibição da melanogênese. Derivado sintético do aminoácido lisina, amplamente utilizado como hemostático (1g/dia). Hemostasia decorrente do efeito antifrinolítico (ausência de interferência nos parâmetros da coagulação). Uso no tratamento do melasma relatado pela primeira vez em 1979 no Japão. Inibição da síntese de melanina por interferir na interação melanócitos X queratinócitos através da inibição do sistema plasminogênio-plasmina. Efeitos colaterais: desconforto gastrointestinal (5,4%) e hipomenorréia (8,1%). Contra indicações: tendência a eventos troboembólicos, pró-coagulação evidenciada por testes laboratoriais.

O ácido tranexâmico pode ser combinado com qualquer tecnologia. Seu mecanismo de ação está associado ao sistema de proteção da pele. Ele evita a transformação do plasminogênio em plasmina e dessa forma, evita que vários fatores inflamatórios sejam acionados através da interação entre queratinócitos e melanócitos. A substância não é um clareador, mas sim um inibidor da cascata inflamatória gerada pelo sol, que após atingir o DNA das células (queratinócitos) que por sua vez repercute no melanócito devido à formação de plasmina.

MELASMA

O melasma também pode estar associado à resistência a insulina e excesso de peso, por esse motivo é importante a avaliação do paciente de uma maneira global. O tratamento e controle da resistência à insulina deve ser a abordagem inicial para que tenhamos melhores resultados no clareamento das manchas.

Novidades do Congresso Mundial de Dermatologia: SOL, CÂNCER DE PELE, VITAMINA D

Dando continuidade aos temas de maior destaque abordados no 23º Congresso Mundial de Dermatologia, vou falar hoje sobre o SOL, CÂNCER DE PELE e a VITAMINA D.

Num país tropical como o nosso, com incidência de sol  durante o ano todo, é praticamente impossível evitarmos totalmente a ação da radiação solar na pele. Confira a seguir, as informações mais atuais e os novos aprendizados sobre esses assuntos.

SOL, LUZ VISÍVEL, INFRAVERMELHO

Se considerarmos a radiação total que recebemos por dia, temos abaixo o percentual de cada tipo de radiação e observamos que, tanto a luz visível como o infravermelho, são bem maiores do que a radiação ultravioleta:

UV – 3%

Visível 44% – exposição a qual estamos expostos

IR infravermelho 53%

O sol é bastante agressivo, como já sabemos, porém a luz visível e o infravermelho chegam a nossa pele em maior quantidade. A agressão causada por essas radiações é feita de forma indireta, estimulando a formação de radicais livres. Precisamos conseguir proteção em relação a essas radiações, pois elas ainda não existem. Nenhum filtro solar do mercado protege da luz visível.

A luz visível atinge muito mais as pessoas que têm maior concentração de pigmentos e, portanto, agride mais aos negros do que brancos, causando eritema e melanogênese. Talvez essa seja a causa dos pacientes mestiços terem mais melasma e também maior dificuldade para evitar o escurecimento da lesão.

Vários trabalhos e medidas têm sido feitas, medindo a agressão da luz visível. Há também agressões imunológicas, como o aumento da expressão do CCL18 que tem sido associado à dermatite atópica e linfomas. A novidade é que através desses estudos conclui-se que a luz visível aumenta a pigmentação, a tirosinase e o CCL18 somente na pele escura e não na pele clara. Atualmente filtros com vitaminas antioxidantes e filtros com cor protegem em parte da luz visível.

TRATAMENTO PARA O CÂNCER DE PELE COM A LUZ DO SOL

Trata-se do uso da terapia fotodinâmica para o tratamento das lesões pré-cancerosas e o próprio câncer de pele (basocelular) quando superficial.

Utiliza-se um creme que é passado nas áreas afetadas (campo cancerizável). Esse creme tem afinidade pelas células cancerígenas e promove uma reação química que deixa essas células evidenciadas. A luz do sol seria o fator de tratamento final, pois teria mais afinidade por essas células marcadas e promoveria a destruição das mesmas. O produto é utilizado em casa e o paciente é orientado como deve tomar sol.

VITAMINA D

Excesso de gordura está associado à Vitamina D baixa. A obesidade pode estar associada a índices mais baixos de Vitamina D, assim como, síndrome metabólica e dislipidemia. Também contribuem para níveis baixos de Vitamina D, vida urbana e doenças em geral.

 Estudos mostram que o nível de vitamina D está relacionado a cor da pele. Estudos diferenciados mostram que pequenas quantidades de luz UVB nos braços 4x por semana é suficiente para manter o nível de Vitamina D em pessoas saudáveis. Lembrar que muitos países consideram valores normais acima de 20ng/dia, normais, e portanto, a interpretação dos exames de sangue que dosam Vitamina D é controversa.

Conclusão: há muitas duvidas sobre a vitamina D, sendo importante estudos que pesquisem esse assunto na profundidade, porém o mais evidente é que não sabemos muito sobre esse assunto.

Novidades do Congresso Mundial de Dermatologia: Cabelos

Durante minha participação no 23º Congresso Mundial de Dermatologia, realizado em Junho no Canadá, tive a oportunidade de participar de várias conferências e cursos com diversos palestrantes internacionais de renome, que agregaram ainda mais conhecimento sobre os temas abordados e as novas formas de tratamento disponíveis atualmente. 

No post de hoje no meu blog e nas próximas semanas, vou discorrer sobre os temas que mais me chamaram a atenção, que ainda geram dúvidas e contínuas pesquisas para aprimoramento, além de serem assuntos de muita procura em meu consultório. Vou iniciar com um assunto que causa muita angústia nos pacientes: a queda de cabelos

Espero que aproveitem a leitura.

ALOPECIA AREATA

Alopecia areata é uma doença autoimune que leva a queda de cabelo parcial ou total, com o aparecimento de áreas de alopecia circulares ou ovaladas, sem qualquer sintoma, como inflamação ou coceira. O diagnóstico é clinico e a etiologia ainda não é definida. O tratamento para a alopecia areata é variado, podendo ser utilizado corticoide tópico, infiltração e também por via oral. São utilizados outros imunossupressores como ciclosporina e também o tratamento com difenciprona.

No Congresso Mundial de Dermatologia foi apresentada uma conferência que mostrou novas opções para essa doença com excelentes resultados como os inibidores de JAK, que foram aprovados recentemente pelo FDA. Uma delas é o tofacitinib em capsulas de 5mg. Outra droga, o ruxolitinib capsulas de 20mg por 3 meses. Essas drogas foram utilizadas em cerca de 50 pacientes com estudos controlados e no prazo de 3 meses , demonstraram ótima resposta terapêutica com efeitos colaterais não significativos. Essas drogas também são usadas para psoríase e o mecanismo de ação apesar de anti-inflamatório não está totalmente esclarecido. 

FOLÍCULO PILO SEBÁCEO

Há muitas pesquisas em relação à chamada bioengenharia do folículo pilo sebáceo. Estes estudos apontaram que podemos ter recuperação dos cabelos utilizando as células tronco progenitoras do folículo pilo sebáceo. Estes trabalhos de bioengenharia ainda não estão inseridos na prática clínica. Os asiáticos estão bastante adiantados nesse assunto.

BELEZA

A beleza tem vários conceitos e várias formas. Mais do que um padrão específico, a beleza está relacionada à cultura e à religião dos diversos povos. Por isso não valem “receitas de bolo”, onde todos ficam igualmente despersonalizados.

À propósito desse tema, houve uma conferência muito interessante proferida pelo professor Kyle K. Seo da Coreia do Sul no Congresso Mundial de Dermatologia. Ele apresentou o tratamento para afinamento e contorno de rosto das mulheres asiáticas. Ele aplica toxina botulínica no músculo masseter e na glândula parótida, utilizando cerca de 50 u de cada lado da face. congresso IIAlém disso, ele faz preenchimento na linha média das pacientes asiáticas, realçando e aumentando o volume da parte central do rosto em detrimento das partes laterais. Seu trabalho é bastante impactante e os resultados finais são esteticamente perfeitos.  congresso IIsso nos faz refletir que o mais importante é a harmonia do rosto ajustada com as expectativas individuais e culturais.

O que são PROBIÓTICOS?

O termo probiótico vem do grego e significa “pró-vida”. Na medicina, trata-se de microorganismos vivos.

Hoje em dia, uma área muito interessante na dermatologia é o estudo da microbiota da pele. Microbiota significa o conjunto de agentes vivos (bactérias e fungos) que habitam e interagem com a nossa pele, ajudando ou prejudicando, conforme sua composição e equilíbrio.

A microbiota de cada pessoa é muito específica e individual, possuindo, assim como nós, um genoma próprio que interage com o organismo, haja vista que temos microbiota na pele, intestino e mucosa.

Várias situações como infecções, remédios, principalmente antibióticos, poluição, estresse, limpeza excessiva da pele, produtos irritantes, entre outros, podem modificar e desequilibrar a microbiota da pele e de outros locais do corpo.

A pele, maior órgão do nosso corpo, tem um papel muito importante em interagir com o meio ambiente, nos protegendo das agressões externas, inclusive da entrada de microrganismos agressivos ou de substâncias tóxicas. Para cumprir esse papel de proteção, ela necessita manter sua microbiota equilibrada e funcionante, além de manter o pH e também a hidratação.

Vários nutricosméticos têm em sua composição microorganismos vivos (probióticos) que ajudam na recomposição e equilíbrio da microbiota natural da pele.

Em várias doenças dermatológicas, como acne, eczema atópico, psoríase e também na prevenção do envelhecimento, já existem produtos que auxiliam sua recuperação, através desses microorganismos vivos.

Esse é um novo campo que trará muitas contribuições terapêuticas para a melhora e controle de várias doenças de pele.

Denise Steiner

VITILIGO

No próximo dia 10 de junho, darei uma aula sobre vitiligo no 23º Congresso Mundial de Dermatologia, a ser realizado em Vancouver, Canadá – de 8 a 13 de junho.

Nesta oportunidade, falarei sobre minha experiência no tratamento de vitiligo. Como muitos sabem, esta doença se caracteriza por manchas completamente brancas, de vários tamanhos, que podem se localizar em qualquer parte do corpo, inclusive nas mucosas e no couro cabeludo, causando sérios problemas relacionados ao convívio social e a autoestima.

Até hoje, não se sabe ao certo quais são as causas do vitiligo e, justamente por isso, há uma grande dificuldade para os médicos escolherem qual é o tratamento considerado o ideal, o mais apropriado e que responda de forma totalmente eficaz.

Na realidade, existem várias teorias para explicar o aparecimento do vitiligo, mas nenhuma delas ainda é definitiva e completa. É como se tivéssemos um quebra-cabeça e faltassem algumas peças que fariam a ligação de tudo. A grande dificuldade com relação ao vitiligo é que mesmo com a situação contornada existe a possibilidade da doença retornar. O diagnóstico é clinico, feito pelo dermatologista e não há necessidade de biópsia.

O tratamento desta dermatose é controverso e não está completamente estabelecido. São usados corticoides via local e oral para ajudar o controle da doença. Também é feita a fototerapia, que é o tratamento com luz UVB e UVA para estimular a produção do pigmento. É importante enfatizar que quanto antes o tratamento for feito, maior a chance das manchas desaparecerem.

Uma boa novidade para o tratamento é o uso da minociclina, que pode interromper a progressão da doença. O estresse oxidativo mediado pelos radicais livres parece ter grande importância na destruição dos melanócitos. A minociclina possui ação anti-inflamatória, imunomoduladora e varredora de radicais livres, além de ser bem conhecida por seus efeitos antimicrobianos. Desta forma, a minociclina oferece uma abordagem única e potencialmente poderosa para o combate da atividade da doença.

Produto Detox: Mito ou Realidade

Hoje somos bombardeados por informações fantásticas que trazem, muitas vezes, conceitos milagrosos.

Detox significa desintoxicar, retirar as toxinas do organismo. É interessante saber que o ser humano quando respira, come e trabalha está produzindo moléculas tóxicas que são chamadas de radicais livres. Este processo é conhecido como oxidação. O corpo naturalmente tenta eliminar essas toxinas ou radicais livres para desintoxicar o organismo, porém dependendo da situação, este mecanismo interno não consegue dar conta do recado. Sol, poluição, gordura trans, estresse, doenças, envelhecimento, tudo isso provoca maior produção de toxinas oxidantes. Para neutralizar a ação dos radicais livres, o organismo produz moléculas chamadas antioxidantes. No entanto, quando ocorre um excesso de radicais livres e a quantidade de antioxidantes naturais são insuficientes para neutralizar a sua ação, há o envelhecimento precoce e até mesmo o surgimento de várias doenças.

Além da dieta detox e cápsulas detox, hoje também aparecem os cremes detox. Revisando a matéria observo que os cremes com esta finalidade são diferentes entre si. Alguns têm moléculas de antioxidantes como vitamina C e E que neutralizam os radicais livres, outros ativam a função da mitocondria, que é o centro celular de produção de energia. Outros ainda têm complexos que neutralizam o excesso de produção sebácea.

Nos produtos cosméticos, os ativos antioxidantes contribuem para revitalizar a pele e prevenir os sinas de envelhecimento.

Os principais ativos antioxidantes estão presentes em vitaminas como a C e E, que contribuem para evitar rugar e melhorar a aparência das que já se instalaram.

Quando essas vitaminas são combinadas com outros ativos, também antioxidantes, como picnogenol, ácido ferrúlico, ácido retinoico, retinol, resveratrol, licopeno, entre outros, conseguimos ainda mais benefícios junto aos mecanismos de defesa da pele.

O ideal é insistir nos hábitos saudáveis: alimentação equilibrada, sono reparador, exercícios físicos moderados e lazer para combater o estresse. Além disso, se for possível, ter um diagnóstico profundo da característica individual da sua pele feito pelo dermatologista. Ele saberá dizer as necessidades básicas e as prioritárias da sua pele.

Suor Excessivo

A pele é responsável pela manutenção da temperatura do corpo e realiza essa função através da sudorese. Suar é normal. A transpiração é necessária para regular a nossa temperatura.

Quando o clima está muito quente, a produção de suor aumenta, e quando esfria, essa produção diminui. Esse mecanismo é uma forma de manter o equilíbrio do nosso corpo. O suor não tem odor, porém favorece o crescimento de bactérias e fungos na superfície da pele, que causam o cheiro desagradável.

Temos dois tipos de glândulas de suor: as écrinas e as apócrinas. As glândulas écrinas estão presentes desde o nascimento e estão distribuídas por toda a superfície cutânea, enquanto as apócrinas começam a funcionar a partir de puberdade e estão mais localizadas nas axilas, na região da virilha, e no couro cabeludo.

Por que muitas vezes sofremos de HIPERIDROSE ?

A hiperidrose, excesso de suor, assim como a bromidrose (suor com odor forte) geram muito constrangimento e a maioria das pessoas evita falar sobre o assunto. Muitas vezes não sabem nem mesmo a quem recorrer, ou se existem tratamento para essa queixa.

A hiperidrose axilar é mais comum em adultos jovens, geralmente homens. Não existe comprovação científica, mas até 60% das pessoas que sofrem com o excesso de suor têm outros membros na família com o mesmo problema. Ela costuma durar por toda a vida adulta e regredir espontaneamente na velhice. Em outras épocas da vida, como na menopausa, é comum o excesso de calor acompanhado de ondas de suor.

A hiperidrose piora com: nervosismo, ansiedade e estresse. É comum ouvir pacientes falarem que mesmo no inverno, transpiram muito. Muitas vezes a pessoa fica nervosa e com medo de suar em condições de tensão; então, só de pensar no assunto, fica estressada e acaba suando mais, o que provoca insegurança, timidez e constrangimento social.

Algumas doenças, como diabetes, gota, tuberculose, linfomas, obesidade e distúrbios da tireoide também provocam o aumento de suor.

SUOR NAS MÃOS E NOS PÉS

Tão constrangedor quanto a hiperidrose, é a hiperidrose palmar (das mãos) e a hiperidrose plantar (da planta dos pés). Surge na infância e pode se manter pela vida toda. As mãos ficam úmidas, frias e podem até pingar, o que dificulta tarefas do dia a dia e a convivência social. Nos pés, atrapalha o uso de sandálias e induz a bromidrose plantar (o chulé). A doença ocorre por uma disfunção dos nervos do sistema nervoso simpático, que ficam no tórax ou no abdome, que emitem mensagem exagerada para as glândulas do suor. Existem situações que desencadeiam a doença, como ansiedade e estresse.

TEM SOLUÇÃO?

Existem várias formas de tratamento, mas é importante procurar o médico dermatologista para o correto diagnóstico, análise individual de cada situação e o devido tratamento.

Na axila, mãos e pés podermos usar a toxina botulínica, que inibe a acetilcolina, necessária para acionar a glândula sudorípara. A aplicação é feita com injeção local e o resultado dura cerca de 7 a 9 meses. Nos pés e mãos é feito o bloqueio anestésico, para evitar a dor. O procedimento é realizado em consultório pelo médico dermatologista.

Também existem dois tipos de cirurgias especificas na região das axilas. Uma delas utiliza uma cureta para raspar as glândulas de suor. A outra utiliza um aparelho de laser com cânula e destrói as glândulas retirando também a gordura.

Outro tratamento é a radiofrequência, que preconiza o uso de um aparelho que libera uma energia calórica que destrói as glândulas sudoríparas. São feitas de quatro a seis sessões, uma vez por semana.

Cuide-se!

Calvície

Uma das queixas mais frequentes no meu consultório é relativa à queda de cabelos. Não há desespero maior, principalmente para as mulheres, do que observar fios no travesseiro, no banho ou escova, além de sua diminuição progressiva e gradual.

A calvície é um processo crônico, também chamado de alopécia androgenética. Acomete homens e mulheres e prejudica muito a autoestima. Sua origem é essencialmente genética e sofre a influência dos hormônios masculinos que são os andrógenos. Vários outros fatores podem contribuir para acelerar a calvície como: alterações de tireoide, anemia, estresse intenso, remédios e regimes radicais.

Muitos fazem transplante de cabelo para melhorar a aparência e não ficarem carecas. Porém, por ser genética, a queda continua durante toda a vida. Portanto, mesmo que o transplante seja feito, os fios remanescentes continuam afinando e caindo. Por este motivo é importante fazer o tratamento prévio e a devida manutenção para evitar que haja progressão do processo de queda.

Alguns medicamentos são utilizados, como: minoxidil 5% e 17 alfa estradiol tópicos, finasterida, espironolactona, acetato de ciproterona sistêmicos, entre outros. A avaliação clínica, pelo dermatologista, tanto para fazer o diagnóstico, como para escolher o melhor tratamento é fundamental. Vale realçar que o conhecimento sobre o cabelo tem sido acelerado nos últimos anos.

Há muitos mitos sobre a finasterida, que é um dos principais tratamentos para calvície masculina e feminina. Gostaria de esclarecer que vários estudos têm mostrado que é um remédio seguro e eficaz e tem que ser usado conforme a orientação médica. Há relatos de cerca de 2% das pessoas com diminuição da libido no início do tratamento, o que costuma regredir depois de alguns meses. Ao contrário do que acreditam alguns, o homem pode ingerir o medicamento mesmo que a sua mulher queira engravidar.

As mulheres também podem ser tratadas com finasterida ou dutasterida, a critério do medico. O medicamento para as mulheres é “off label” e precisa de indicação e acompanhamento do dermatologista, que é o especialista em cabelo.

Existem atualmente outros recursos para evitar a queda definitiva dos fios, incluindo tratamento com lasers e luzes que estimulam o seu crescimento.

No primeiro sinal de rarefação dos fios, busque ajuda médica!

Reflexão…

Há muitos anos, tenho visto inúmeras situações em que o médico dermatologista e a própria ciência da dermatologia tem sido deturpada e denegrida; seja pela mídia, por usuários ou por profissionais da própria área, desinformados, que arrastam a dermatologia à função estética somente e sua exposição exacerbada. 

A função estética é fundamental e imprescindível, mas gostaria de dar uma palavrinha sobre isso, como profissional que estuda e pesquisa constantemente, e que atua na área há mais de 30 anos, atendendo pessoas diariamente em meu consultório.

O médico dermatologista é o profissional que, além do curso de graduação em medicina, faz 3 anos de residência ou especialização, além disso faz diversos congressos, simpósios e cursos, num programa de educação médica continuada. Ele é o responsável por cuidar da saúde da pele, maior órgão do corpo humano, dos cabelos e unhas. Inúmeras doenças estão relacionadas a esses órgãos, sendo o dermatologista, o especialista que contribui para ajudar as pessoas na luta contra doenças como: psoríase, vitiligo, micoses, alopecia, acne e tantas outras afecções que atingem as pessoas, não só fisicamente, mas emocionalmente. Sem falar dos cuidados contra o câncer de pele, o tipo mais comum no nosso país.

Além disso, o dermatologista também se dedica a prevenir o envelhecimento precoce, e proporcionar ao paciente o que há de melhor disponível pela tecnologia moderna para esse fim. E por que não? Afinal, ajudar a melhorar as rugas e a flacidez também faz parte da função do dermatologista…

Dessa forma, nos empenhamos com todos os esforços possíveis, para ajudar a melhorar a qualidade de vida e a autoestima de milhões de pessoas afetadas por problemas e por doenças de pele. O nosso esforço é contínuo para oferecer os melhores tratamentos aos pacientes.

Apesar dos tempos difíceis que vivemos, dos novos costumes com as redes sociais e da força cada vez maior da mídia, questões pessoais e a exposição por troca de favores continuam depondo contra a classe médica, conforme pudemos ver em veiculação recente de profissional da área.

Finalizo então, minha reflexão reforçando que o médico é aquele que deve acolher, diagnosticar e tratar o paciente, mantendo a privacidade do mesmo, a ética e o segredo médico; isso vai muito além da estética e da exposição exagerada que visa apenas o benefício próprio.

Deixo um alerta: que todos tenham um olhar mais crítico quando as ações e os objetivos não corresponderem a esse compromisso médico-paciente.