Novo Tratamento para o Melasma

Publicado por link9 em

Tratamento para Melasma

O melasma caracteriza-se por uma mancha castanha enegrecida que compromete mulheres adultas e localiza-se no rosto como uma máscara escura causando grande constrangimento e baixa autoestima.

As causas do melasma não estão totalmente esclarecidas, mas sabemos que vários estímulos são relacionados ao seu aparecimento, tais como: hormônios, sol, genética, traumas locais, luz visível, envelhecimento, quantidade excessiva de vasos, estresse entre outros.

O estímulo mais conhecido como provocador do melasma é o sol. A radiação ultravioleta penetra na pele e atinge a células de superfície que é chamada de queratinócito. Esta célula começa uma conversa com outras células importantes que são os melanócitos e os fibroblastos. O queranócito está na superfície,  enquanto o melanócito, está localizado entre a epiderme e a derme sendo a célula que produz a melanina. O fibroblasto por sua vez está localizado na derme sendo responsável por produzir o colágeno fibra de suma importância para pele.

Aparecimento do melasma

Hoje há muitos estudos que tentam explicar o aparecimento do melasma através do “crosstalk” ou a comunicação entre essas três células: queratinócito, melanócito, fibroblasto. Há muitos receptores na parede dessas células e muitas substâncias produzidas pelos mesmos que estão envolvidas com a formação da melanina provocando o melasma.

O tratamento do melasma é complexo, por se tratar de uma alteração crônica e sensível a muitos estímulos que a agridem ao mesmo tempo. Quando olhamos essa rede de comunicação ou “croostalk”, percebemos que muitas vezes a via de comunicação está relacionada com a via metabólica que transforma o plasminogênio em plasmina.

Hoje uma medicação chamada ácido tranexâmico é utilizada no tratamento do melasma e consegue inibir a transformação do plasminogênio em plasmina e dessa maneira inibir várias dessas reações provocativas do melasma. Sendo assim, o ácido tranexâmico quando usado no tratamento do melasma consegue diminuir a produção de melanima provocada tanto pelo sol, hormônio melanócito estimulante e estresse. O ácido tranexâmico pode ser usado na forma tópica, injetável e também na forma sistêmica para contribuir no tratamento do melasma.

Clínica Denise Steiner

Na Clínica Denise Steiner o ácido tranexâmico vem sendo utilizado há alguns anos graças aos estudos pioneiros da sua fundadora Dra. Denise Steiner que já publicou alguns trabalhos sobre essa substância tais como:

Steiner D., Feola C., Bialeski N., Silva F., Antiori A., Addor F., Folino B., - Study evaluating the efficacy of topical and injected tranexamic acid in treatment of melasma - Surgical&Cosmetic Dermatology - 2009 - 1(4):174-177.

Steiner D., Feola C., Bialeski N., Silva F., - Treatment of Melasma: Systematic Review - Surgical&Cosmetic Dermatology - 2017 - 56(9):902-908.

Steiner D., Colferai M., Miquelin G., - Evaluation of oral tranexamic acid in the treatment of melasma - Journal of Cosmetic Dermatology - 201.

O ácido tranexâmico é em remédio, sendo necessário avaliação do médico especialista sobre os fatores de risco do seu uso em cada caso. Por isso, são necessários alguns exames prévios para analisar a possibilidade de utilização do mesmo no tratamento do melasma.

Hoje há muitas possibilidades de fazer o tratamento do melasma. Na Clínica Denise Steiner há  novos protocolos onde são combinados o ácido tranexâmico com laser especifico para melasma, com microagulhamento e também com microinfusão de medicamentos  que tatuam a pele com ácido tranexâmico.

Dessa forma, estamos cada vez mais próximos de desvendar os mistérios do melasma conseguindo a eliminação e clareamento das manchas com tratamentos seguros e eficazes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar

Clínica Denise Steiner. Dermatologia | 2017. Todos os direitos reservados
Desenvolvido por &