HPV: tipos e tratamentos

Publicado por link9 em
O HPV pode levar ao aparecimento de verrugas e lesões genitais, as quais podem evoluir para câncer.

HPV pode levar ao câncer de colo do útero

CLIQUE AQUI E ASSISTA O VÍDEO COMPLETO!

A infeção pelo HPV é bastante comum e pode causar diversas alterações, até o câncer de colo do útero.

Existem vários tipos de HPV e eles são divididos em dois grandes grupos: alto e baixo risco.

O HPV de baixo risco causa principalmente verrugas e não tem relação com desenvolvimento de câncer.

Apesar de não ser graves, as verrugas genitais são chatas, desagradáveis, podem crescer muito rápido e são contagiosas.

Você já ouviu falar em rejuvenescimento íntimo? Então clique aqui e conheça os benefícios desse tratamento para a saúde e qualidade de vida da mulher. 

HPV de baixo risco

Um dos tratamentos mais utilizados é o ATA, ácido tricloroacético em alta concentração.

Trata-se de um ácido que é aplicado sobre a verruga e faz uma queimadura química na área.

É um bom método para pacientes que têm poucas verrugas e pequenas. É muito doloroso e pode deixar cicatriz, por isso não é indicado para quem tem muitas verrugas ou verrugas muito grandes.

O Imiquimode é um método imunológico que tem ótimos resultados, nós temos um bom uso dele.

É um creme que a paciente mesmo aplica sobre as verrugas três vezes por semana e ele faz com que o próprio sistema imunológico da paciente reconheça as células alteradas e vá destruindo-as de dentro para fora.

Com o tempo as verrugas vão ficando cada vez mais planas, até sumirem.

O inconveniente desse método é que o tratamento é pouquinho mais longo, pode durar até 2 meses, e tem alguns efeitos colaterais, como vermelhidão e inchaço.

Por fim o laser, é um ótimo método no tratamento das verrugas.

Com ele a gente consegue destruir todas as verrugas sem afetar o tecido sadio em volta.

Além disso a gente consegue chegar até a camada basal da lesão, com isso toda a lesão destruída e a cicatrização é mais rápida e completa.

É possível também realizar a remoção de todas as verrugas em uma única aplicação.

A recuperação do tratamento é um pouquinho mais chatinha, porque fica uma feridinha na área, mas, normalmente, é muito rápida.

HPV de alto risco

Esse é o grupo de HPV que tem relação com o câncer de colo uterino.

A maioria das pacientes quem entra em contato com esse tipo de HPV consegue eliminar o vírus, mas aquelas que não conseguem, que têm persistência do vírus, são as que têm o maior risco de desenvolvimento de lesões de alto grau.

Dentre os HPVs de alto risco merecem atenção os tipos 16 e 18, porque eles têm maior chance de persistência e evolução para quadros graves.

Pacientes portadores desses tipos virais precisam ficar sob vigilância e fazer colposcopia e papanicolau a cada 6 meses.

Agora, uma vez identificada uma lesão de alto grau, ou seja, uma lesão pré-maligna, que pode virar câncer, a gente tem que tratar.

Se a lesão for no colo uterino o tratamento de escolha é a cirurgia de alta frequência, que consiste na retirada do que chamamos de zona de transformação, que na verdade é a tampinha do colo, a parte superior do colo.

A gente faz essa retirada com uma alça, medida de acordo com o tamanho da lesão, e essa alça é conectada a um bisturi de alta frequência.

A gente consegue retirar toda a lesão e ao mesmo tempo preserva a anatomia do colo, o que é especialmente importante para pacientes jovens que nunca tiveram filhos e essa doença é comum nesse grupo de mulheres.

Já quando a lesão de alto grau for na vagina, a técnica padrão-ouro é a do laser vaginal.

Com esse método é possível destruir toda a lesão, de forma segura e com preservação da anatomia e a função da vagina, sem formação de fibrose.

Claro que existem muitos pormenores, muitos detalhes que não foram abordados aqui e cada caso deve ser individualizado e analisado à luz dos protocolos disponíveis.

É importante frisar que o tratamento do HPV deve ser sempre realizado por um ginecologista com experiência na área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar

Clínica Denise Steiner. Dermatologia | 2017. Todos os direitos reservados
Desenvolvido por &