Plasma Rico em Plaquetas

Publicado por link9 em

Em janeiro de 2019 ocorreu mais um evento do IMCAS (International Master Course on Aging Science) que é um dos melhores congressos na área de envelhecimento e cosmiatria dermatológica. As sessões desse evento são objetivas e interativas com oportunidade de discutir com médicos do mundo inteiro.

A técnica denominada Plasma Rico em Plaquetas foi uma das mais discutidas. Trata-se de um procedimento onde o sangue do paciente é colhido, centrifugado e a parte rica em plaquetas é aplicada na área a ser tratada. Há várias indicações para o tratamento com Plasma Rico em Plaquetas, como: alopecias, rugas, flacidez, estrias, cicatrizes entre outras.

Após a coleta e centrifugação a parte do plasma com maior concentração de plaquetas pode ser injetada e promove a liberação de fatores de crescimento naturais que agem em receptores específicos e estimulam reações teciduais.

Uma das indicações mais interessantes com o tratamento de PRP é a alopecia androgenética ou calvície.

O serviço de Dermatologia da UMC foi pioneiro e acaba de finalizar uma pesquisa em 20 pacientes com diagnóstico de alopecia androgenética tratados com injeções de PRP no couro cabeludo 1 vez ao mês durante 3 meses com resultados alentadores.

No congresso foram relatadas várias outras experiências interessantes com o tratamento de PRP isolado e/ou combinado com outros tratamentos. Esse procedimento faz parte da medicina regenerativa que usa os recursos do próprio organismo para melhorar e modular doenças variadas. Os fatores de crescimento liberados pelas plaquetas agem em receptores específicos e estimulam reações metabólicas positivas.

A técnica é promissora, mas requer padronização em todas a as suas etapas. Aqui estão alguns dos questionamentos feitos no IMCAS:

É necessário ou não medir as plaquetas dos pacientes anteriormente ao tratamento?

Qual a quantidade de sangue necessário na coleta?

A centrífuga, os tubos, e o tempo de centrifugação precisam ser padronizados?

Qual o número de sessões necessários para o melhor resultado terapêutico e com qual intervalo?

Todas essas questões precisam ser respondidas para que o método possa evoluir com os melhores resultados em todas as suas indicações.

 

Dra. Denise Steiner – CRM 36.505
Médica formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Residência no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo
Doutora em Dermatologia pela UNICAMP
Conselheira da Sociedade Brasileira de Dermatologia
Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Regional São Paulo 2005
Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Biênio – 2013/2014
Coordenadora Científica da Sociedade Brasileira de Dermatologia - 2015/2016
Coordenadora da Educação Médica Continuada da Sociedade Brasileira de Dermatologia - 2015/2016
Professora Titular da disciplina Dermatologia da Universidade de Mogi das Cruzes
Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD
Membro da Academia Americana de Dermatologia – AAD
Membro da Academia Europeia de Dermatologia e Venerologia - EADV
Coordenadora do Capítulo de Cosmética do Colégio Cosmética do Colégio Ibero Latino – CILAD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar

Clínica Denise Steiner. Dermatologia | 2017. Todos os direitos reservados
Desenvolvido por &