Tratamento do melasma tem novo medicamento

Publicado por denisesteiner em
tratamento do melasma

O melasma é uma mancha acastanhada que surge como uma máscara, principalmente no rosto de mulheres jovens e morenas. Vários estímulos internos e externos podem piorar essa mancha crônica e constrangedora. Assim como sol, genética, calor, luz visível, hormônios, estresse, traumas, remédios, poluição, entre outros. O tratamento do melasma é difícil e não pode ser prometida a cura, mas uma melhora e estabilização. O filtro solar é indispensável e, de fato, deve proteger da luz UVA, UVB e luz visível. Na prática, deve ser físico com FP alto, cor de base e boa cobertura.

Veja também:

Além disso, são utilizados cremes clareadores com hidroquinona, ácido kójico, resorcinol, vitamina C, ácido azeláico entre outros. Procedimento como microagulhamento, peelings e lasers específicos também são recursos interessante no tratamento do melasma.

Novidade para o tratamento do melasma

Agora surge também a opção do ácido tranexâmico tópico, injetável e via oral. Trata-se de uma droga off-label que é usada para evitar hemorragias. O ácido tranexâmico tem várias ações enumeradas a seguir:

1 - Bloqueia a comunicação da célula chamada queratinócito com o melanócito;
2 - Diminui a ação da enzima tirosinase que aumenta a melanogenese;
3 - Diminui a vascularização excessiva que ocorre no melasma.

Em resumo, essa droga consegue brecar e neutralizar os estímulos que favorecem a formação da melanina. No entanto é bom lembrar que se trata de um remédio e, portanto, são necessários exames prévios para avaliar possíveis contraindicações para o uso da medicação. A dose diária é de 2-3 cpds/dia, sendo que a melhora começa após o 1º mês. Há poucos efeitos colaterais e, além disso, outros tratamentos podem ser feitos em conjunto.

O ácido tranexâmico é uma ótima perspectiva adjuvante para o tratamento do melasma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisar

Clínica Denise Steiner. Dermatologia | 2017. Todos os direitos reservados
Desenvolvido por &