Celulite

O que é?

A celulite afeta quase 100% das mulheres, provocando baixa autoestima e até depressão. É uma alteração complexa que afeta os vasos, o tecido gorduroso e conjuntivo provocando caroços e depressões em áreas como coxas, pernas e nádegas. Os tecidos comprometidos vão progressivamente distorcendo, tornando os septos mais endurecidos, gordura mais proeminente e a troca metabólica deficiente.

A causa da celulite não está definida, porém vários fatores interferem na sua formação:

Hereditariedade: O primeiro deles está relacionado a fatores genéticos, etnia, formato do corpo. Mulheres mais curvilíneas, como as latinas tendem a ter mais celulite que as eslavas, de corpo reto e pernas longas. Aquela brincadeira que diz: eu sou você amanhã, é verdadeira para filhas e mães que têm muita celulite. Então, se na sua família a celulite é muito frequente e intensa vale a pena pensar em prevenir.

Hormônios: Os estrógenos e a progesterona (hormônios femininos) favorecem a retenção hídrica e estimulam o crescimento da célula adiposa. Eles agem em receptores específicos, principalmente nas áreas de mudança corporal na puberdade, como nádegas e coxas. Por esse motivo, doenças com desequilíbrios hormonais ou medicamentos como corticoides tender a piorar o quadro.

Alimentação: Alimentos com alto índice glicêmico e gordurosos pioram a celulite, pois facilitam o crescimento das células gordurosas.

Hábitos:
– Vida sedentária: quanto menor for a atividade física, menor será a ativação da circulação sanguínea e da drenagem normal da pele. Exercício físico é importante também na queima de calorias.
– Tabagismo: é conhecido que o cigarro prejudica a circulação sanguínea e piora a celulite.

 

Graus da Celulite

Grau I: assintomático, sem lesões, tem história familiar. Ocorrem alterações ao nível das células adiposas, observadas somente ao microscópio.
Grau II: as alterações são visíveis ao contrair a musculatura ou comprimir a pele.
Grau III: são observadas ondulações, conferindo à pele aspecto em “casca de laranja”. Neste grau, a LDG pode ser dolorosa.
Grau IV: semelhante ao grau III, porém mais severo. Ocorrem nódulos visíveis, dolorosos, grande alteração do relevo da pele, podendo ocorrer aderência aos planos profundos.

Como Tratar

Tratar a celulite é sempre um grande desafio. Infelizmente, esse mal atinge mais de 90% das mulheres. Além do problema estético, pois a aparência da celulite é desagradável, há a questão da saúde, uma vez que pode haver dor local, formação de caroços e piora na circulação e irrigação do tecido acometido.

O tratamento da celulite deve ser encarado como uma mudança no estilo de vida, mantendo hábitos saudáveis. A alimentação é básica, deve ser equilibrada, abusando de frutas, verduras, alimentos não muito calóricos, pouca gordura e pouco carboidrato. Vários tratamentos podem ser utilizados, em geral, em associação, para se obter melhores resultados. Existem várias possibilidades:

 

Tratamento tópico

Cremes e óleos ativadores da circulação e da lipólise: várias substâncias podem ser usadas na intenção de ativar a quebra de gordura e melhorar a circulação sanguínea local. Devem conter liporedutores, substâncias que realmente vão agir em algum ponto da celulite; sempre levando em consideração que há a questão da absorção, dificultando então o resultado final.

Drenagem linfática

Massagem suave que acompanha a cadeia dos gânglios para evitar a retenção líquida. É feita delicadamente, fazendo-se pressão no trajeto dos vasos linfáticos.

Subcisão

Pequena cirurgia na qual descola se a pele, usando uma agulha especial, gerando uma reorganização cicatricial que visa melhorar a circulação e atenuar as marcas da LDG.

Introdermoterapia

Injeção intradérmica de substâncias: são diversas misturas de medicamentos, chamadas de “mesclas”. Existem mesclas específicas para a celulite, que melhoram a circulação local, reduzem o edema e aumentam a quebra de gordura.

Radiofrequência

Radiofrequência bipolar, infravermelho e massagem: aparelho com tripla ação – a radiofrequência emite calor que estimula o colágeno e melhora a circulação; a massagem à vácuo faz a drenagem do tecido, e a onda infravermelha que também ajuda no reequilíbrio do tecido gorduroso. Graças à associação de várias tecnologias em uma única ponteira, é possível reduzir medidas, tratar a flacidez e a celulite.

Ultrassom

Aparelho de radiofrequência que produz um grande aquecimento na área tratada, levando ao estímulo de um novo colágeno e, consequentemente, ao enrijecimento da pele. A radiofrequência baseia-se no aquecimento controlado da derme profunda, enquanto a camada superficial é preservada através de sistemas de resfriamento, levando à contração imediata do colágeno e neocolagênese (formação de colágeno). Indicado para tratar a flacidez e a celulite.

Laserlipólise

É uma técnica a laser que quebra as células de gordura e ajuda a reduzir medidas, além de estimular a produção de colágeno. O procedimento une a tecnologia do laser associada à lipoaspiração. Por meio do calor gerado por uma fibra ótica, a gordura é diretamente derretida. Os adipócitos destruídos são absorvidos pelo organismo ou o material restante pode ser lipoaspirado.

Este aparelho, segundo novos estudos, tem função principalmente de quebrar a fibrose do tecido celulítico. Trabalhos recentes mostram a vantagem dessa tecnologia, que tem grande eficácia em melhorar a celulite, além de diminuir a gordura e a flacidez.

Leia mais

Causas e tipos de Celulite
Celulite e estria em criança
Perguntas
Subcisão

Pesquisar

Entre em contato

Preencha o formulário abaixo e em breve entraremos em contato para oferecer mais informações:


Clínica Denise Steiner. Dermatologia | 2017. Todos os direitos reservados
Desenvolvido por &