Dermatologista - Clínica Denise Steiner - Dermatologia Dermatologista - Clínica Denise Steiner - Dermatologia
Dermatologista - Clínica Denise Steiner - Dermatologia
Dermatologista - Clínica Denise Steiner - Dermatologia

:: Dermatologia Estética

Melasma

O melasma é uma doença de pele caracterizada por manchas castanho escuras que ocorrem principalmente na face de mulheres morenas e jovens.

Vários fatores estão envolvidos com o aparecimento do melasma tais como: sol, luz em geral, calor, estresse, hormônios, medicações, doenças, traumas, queimaduras, etc. A célula que produz a melanina chamada melanócito é uma célula complexa, muito responsiva, sensível e que reage produzindo mais pigmento por qualquer irritação ou desiquilíbrio no local. Períodos de impactos emocionais onde ocorra muita ansiedade e ou cansaço também piora o melasma.

O tratamento do melasma inclui o uso de clareadores como hidroquinona, arbutin, ácido azelaico, ácido retinóico, ácido glicólico, entre outros. O tratamento também inclui o uso de filtros solares físicos ou orgânicos associados a protetores com pigmento. Existem dois tipos de filtro solar: aquele que tem moléculas que reagem com o sol e transforma a luz em calor e aqueles que formam uma barreira onde o sol bate e reflete. No caso do tratamento do melasma o ideal é que seja utilizado um filtro físico para rebater a luz, em vez de transformá-la em calor, o que pode inclusive piorar o melasma. O pigmento associado ao filtro também é importante, pois ele protege da luz visível que é encontrada em lâmpadas e computadores.

Hoje também há uma tendência em utilizarmos fitoterápicos e vitaminas para o tratamento do melasma. Uma novidade é o Polypodium Leucotomas, que é um ativo de uma planta da Costa Rica muito eficaz em proteger a pele dos raios ultravioleta. O Polypodium Leucotomas é um agente anti-inflamatório e imunomodulador, que protege do dano celular e tem propriedades calmantes. Usamos cerca de 4 capsula/dia para tratamento do melasma durante meses seguidos entre 3 a 4 meses.

Outra novidade muito interessante é o uso do ácido tranexâmico por via oral com dose de 500 a 750mg/dia, que age na plasmina, evitando a formação de agentes inflamatórios que causam estímulo negativo ao melanócito. Esta substância também é usada em injeções intradérmicas e em cremes na concentração de 3 a 5%.

Mas o melasma não melhora somente com cremes, também precisa da ajuda de peelings e laser. A tecnologia mais indicada hoje para o tratamento do melasma é a ND Yag, que é um laser de baixa energia e pulso curto que consegue clarear sem causar irritação. Trata-se de um laser NdYag Q-Switched, com pulso em nanosegundos e energia entre 1.2 e 1.8mJ. Os estudos mostraram que em média de 12 a 15 sessões são necessárias para um clareamento de cerca de 70%.  O laser não agride nem queima a pele, ela apenas permanecerá ligeiramente rosada após a aplicação.

 


 

voltar

2004 © - Dermatologia - Dra. Denise Steiner - Dermatologista - Todos os direitos reservados
2004 © - Dermatologia - Dra. Denise Steiner - Dermatologista - Todos os direitos reservados