UNHAS

 As unhas são anexos cutâneos e formadas por diferenciação de alguns segmentos da pele. Elas possuem muita queratina e estão envolvidas no processo de proteção do organismo em relação ao meio externo. As unhas, até mais do que a própria cútis, são termômetros do que está ocorrendo no organismo humano. Um exame atento a estas estruturas pode auxiliar em diagnósticos difíceis, bem como permitir um tratamento precoce de doenças internas. Isto ocorre porque estas estruturas crescem continuamente e recebem estímulos hormonais diversos ou até mesmo alterações nutricionais, podendo interromper seu crescimento ou apresentar alterações de estrutura. 

A unha normal é transparente, lisa, suave, permanecendo colada ao seu leito e apresentando crescimento contínuo. A unha das mãos demora em média, de 5 a 6 meses para crescer da base até a ponta, e dos pés de 8 a 12 meses. É bom lembrar que existem variações individuais, relacionadas a raça, idade, ambiente, ocupação, etc. Diversas alterações na cor, aparência, superfície e crescimento podem significar problemas internos.

Tabela 1 – Doenças

Doenças Alterações nas unhas
Anemia Unhas quebradiças, secas, opacas, sulcos transversais (vários), coiloniguia (formato côncavo da unha), onicólise (descolamento distal)
Doenças cardíacas Unhas curvadas para baixo, alargada, coloração arroxeada e pontos arroxeados
Doenças Renais Engrossamento das unhas, coloração amarelada ou cinzenta, linhas transversais esbranquiçadas, unha metade marrom e metade clara
Doenças no fígado Unhas de Terry – ocorre na cirrose – cor esbranquiçada na parte proximal e coloração normal na parte distal, unha pálida amarelada, arredondamento e aumento da unha
Doenças gastrointestinais Pontos hemorrágicos, unhas doloridas,frágeis e que se descolam da parte distal ou descamam
Diabetes Unhas avermelhadas e com vasos na pele, engrossamento das unhas, micose, engrossamento e endurecimento das pontas dos dedos
Hipertiroidismo (doença da Tiróide) Afinamento e enfraquecimento das unhas, descolamento da parte distal das unhas, abaulamento
Hipotiroidimo (doença da Tiróide) Unhas opacas, engrossamento
Lúpus Eritematoso Hemorragia da cutícula, manchas brancas na unha, depressão puntiformes e descolamento da parte distal da unha
Reumatismo Unhas amareladas, sulcos transversais, lúnula avermelhada e engrossamento sob a unha
Leucemia Unha quebradiça, hiperqueratose (engrossamento) ou perda total da unha
Aids Infecção das unhas por fungos e cândida, vírus e herpes e sarcoma de Kaposi (tumor vascular)

Tabela 2 – Deficiências Nutricionais

Substância deficiente Alterações nas unhas
Vitamina A Unha com aspecto de casaca de ovo, esbranquiçada e quebradiça
Vitamina B12 Linhas longitudinais escurecida, cor azul enegrecida
Vitamina C Hemorragia subunguenal, pontos avermelhados no leito ungueal
Zinco Coloração acinzentada, cutícula seca e engrossada, descamação intensa ao redor das unhas, linhas transversais bem acentuadas
Nicoitinamida B3

(pelagra – doença de alcoólatra)

Linhas transversais esbranquiçadas, ausência de brilho e descolamento da parte distal da unha

Tabela 3 – Drogas

Drogas em excesso Alterações nas unhas
Minociclina Cor azulada nas unhas
Tetraciclina Cor marrom e descolamento distal
Anticonvulsivantes Diminuição do tamanho das unhas
Antidepressivo Unhas com manchas brancas
Retinoídes Afinamento das unhas, leuconiguia (pontos brancos)

 

A IMPORTÂNCIA DA PELE

A pele é o maior órgão do corpo humano. Ela faz o contato com o meio exterior do qual recebe os estímulos positivos e negativos, modulando a resposta interna do organismo. 

Até algum tempo atrás, a pele era considerada um simples envoltório que tinha como única função ser uma barreira protetora. Hoje, sabe-se que ela é um órgão extremamente interativo, com funções de regulação, homeostase e defesa imunológica do organismo. Sendo assim, protagoniza as ações de defesa do corpo humano.  A pele revela o que está ocorrendo no interior do nosso organismo e dessa maneira podemos responder de forma mais adequada. O cabelo e a unha também fazem parte deste envoltório e reforçam essa função, pois através de certos sinais, como queda de cabelo e alterações das unhas, podemos antecipar um diagnóstico.  

Discorreremos algumas situações onde a pele demonstra sua importância. Por exemplo, a infecção pelo vírus Zica, pode repercutir em manchas vermelhas na pele, detectando a presença do agende infeccioso que provoca as células de defesa. Nesse caso, não é possível reverter a infecção, mas é interessante para alertar que a virose pode estar presente e certos cuidados devem ser tomados, como evitar a gravidez ou contato com mulheres no início da gestação. 

A pele também pode revelar alergia a medicamentos, alimentos e contactantes, como tecidos e cosméticos. Nesse caso, a epiderme tem uma célula muito ativa chamada Langerhans que reconhece certas moléculas como metal, corantes, aditivos e apresenta as mesmas aos linfócitos, que então respondem com lesões na pele, que podem se caracterizar por exantemas (manchas vermelhas), urticárias e eczemas. Neste caso, a pele mantém sua memória e permanece alérgica para sempre. O aviso da pele, neste caso é muito importante porque a reação inicialmente é localizada, mas se a substância não for suspensa, pode ser muito mais grave e generalizada. Alguns remédios, quando ingeridos, podem apresentar reações na pele, demonstrando prioritariamente que é melhor suspender o mesmo antes de maiores estragos. 

Certas doenças, como o lúpus eritematoso sistêmico, são primeiramente diagnosticados na pele, pois muitas vezes a primeira manifestação é um avermelhamento no rosto, lembrando asa de borboleta na região central do rosto. Também algumas vezes pode ocorrer a queda de cabelo como primeira manifestação dessa mesma doença. A pele pode apresentar caroços não inflamados cor da pele chamados xantomas ou manchas amarelas (xantelasma) nas pálpebras, que podem representar problemas com o colesterol. Além disso, a pele fica fina, seca e flácida quando está desidratada. As unhas também podem ter alterações que indiquem doenças da tireoide ou renais.  

A pele pode manifestar os primeiros sinais de um câncer interno. Lesões lembrando um eczema podem ser o primeiro sinal de linfoma, assim como, lesões de queratose seborreica disseminadas, podem também traduzir um câncer interno. O aparecimento de herpes zoster, que é uma virose causada pelo mesmo vírus da catapora, também ocorre na pele e evidência baixa de resistência do organismo. 

Como visto acima, prestar atenção aos sinas de sua pele é muito importante para manutenção da saúde. 

Micose de unha: é possível combater esse mal

A micose de unha, conhecida como onicomicose, é muito fácil de ser identificada. A unha descama e fica com uma coloração escura, produzindo um odor forte, podendo inclusive ocorrer o seu descolamento. Os sintomas são a deformação e o esfarelamento da unha, que se descola do dedo.  Às vezes, provoca dor e até uma pressão nas regiões onde o fungo ataca. Ela pode atingir a unha de três formas:

  • sob a borda, que fica espessa e partida;
  • na base: iniciando-se na cutícula e deteriorando a sua superfície;
  • em forma de placas brancas sobre a unha, atingindo toda a área.

unha 1Costuma ser mais frequente nos adultos e idosos e acomete mais os dedos dos pés, mas pode ocorrer também nas mãos. Nem tudo que provoca alterações na unha pode ser considerado micose. A psoríase, o líquen plano e mesmo o eczema podem provocar também alterações ungueais.

O tratamento é geralmente demorado e necessita, juntamente com um bom medicamento, da colaboração ativa e persistente do paciente. O tratamento pode ser feito com comprimidos de antimicóticos ou antifúngicos, e/ou mediante aplicação de um esmalte com composto antifúngico. O crescimento de uma nova unha requer um longo tempo. Portanto, é preciso ter paciência, mesmo que  decorridas algumas semanas de tratamento e não haja percepção de melhora. Uma unha normal e sadia cresce cerca de 2mm por mês.  Hoje também se utilizam determinados laser (ND YAGs) para complementar o tratamento. O calor do laser na unha prejudica o fungo e ajuda a eliminá-lo.

Para evitar o problema é aconselhável secar bem os pés (com a toalha pessoal), usar sandálias nas áreas de piscinas, não compartilhar objetos pessoais como alicates de unha, escovas e pentes, buchas e esponjas de banho, a não ser que tenham sido devidamente esterilizados. Além disso, usar creme hidratante, à base de silicone, é boa indicação para formar uma película protetora na pele.

Com relação à cutícula, a dica é não retirá-la demais, pois ela age como uma unha 2proteção à unha e a ausência da mesma pode propiciar o aparecimento da micose. Além disso, observe sempre se o material utilizado pela manicure é esterilizado. Em se tratando de doença, a prevenção é sempre o mais aconselhável. Na primeira alteração de coloração ou textura da unha, procure ajuda do seu dermatologista.