MEDICINA REGENERATIVA – NOVA FRONTEIRA NO TRATAMENTO DO ENVELHECIMENTO

Ao longo do tempo, muitas técnicas vêm sendo incorporadas para melhorar a aparência do envelhecimento cutâneo. Hoje, associando bons cosmecêuticos com procedimentos como peelings, preenchimento, toxina botulínica, lasers e radiofrequência, podemos conseguir ótimos resultados na prevenção e correção de sinais do envelhecimento.

Em relação aos peelings, favorecemos a troca celular, renovando o tecido; com alguns preenchedores, como a hidroxiapatita de cálcio, estimulamos a formação de colágeno novo através da ação específica do cálcio, e com vários lasers podemos conseguir também a formação de mais colágeno pelo calor que estes aparelhos emitem na profundidade da derme. Em meio a tudo isso, começa a ser vislumbrada uma nova fronteira no tratamento da pele envelhecida, que é a Medicina Regenerativa. Esta nova ciência, através de diversas tecnologias, tem seu início na própria resposta que a pele humana tem no processo cicatricial.

Quando a pele é cortada ou machucada, automaticamente começa um processo de cicatrização, que se inicia com a coagulação, onde as células sanguíneas trazem as citoquinas e fatores de crescimento para reconstruir o tecido, promovendo a neovascularização com formação de novas células e novo colágeno. Baseado no conhecimento das reações reconstrutivas do próprio organismo, começam a ser exploradas técnicas e procedimentos que utilizam o arsenal da medicina regenerativa como:

* Fatores de Crescimento

* Células Tronco

* Plasma Rico em Plaquetas

* Tecidos Reconstrutivos como a Pele sintética

FATORES DE CRESCIMENTO: São proteínas que circulam em nosso organismo e são estimuladas ou neutralizadas, conforme são acionadas por uma intricada rede de receptores, expressões genicas e estímulos hormonais. O fator de crescimento, por exemplo endotelial vascular, induz a vasculogênese e angiogênese. Esse fator é um dos mais importantes na cicatrização de tecido e na pega dos retalhos e enxertos.

O uso clínico de fatores de crescimento, iniciou nos anos 90 e em 2002 o FDA (Food and Drug Administration) aprovou o uso de fatores recombinantes como BMP-2 e BMP-7 para uso em cirurgias de medula e ortopedia. Em relação ao envelhecimento cutâneo, os fatores de crescimento têm sido incluídos em cremes e também usados de forma injetável para estímulos específicos.

PLASMA RICO EM PLAQUETAS: Esta técnica, muito utilizada na Europa e nos Estados Unidos, preconiza o uso da fração rica em plaquetas do sangue do doador para ser utilizado para cicatrização e estimula a melhoria do colágeno da própria pele. O sangue do indivíduo a ser tratado é colhido e centrifugado, separando a parte amarela das plaquetas, que é rica em fatores de crescimento. Esta fração, de acordo com cada protocolo, é aplicada no local a ser tratado, que pode ser uma ferida, queda de cabelo ou sulcos e rugas do fotoenvelhecimento.

blog 3

As proteínas contidas nesse plasma rico em plaquetas têm grande quantidade de fatores de crescimento como o fator de crescimento endotelial: esses fatores estimulam a produção de colágeno e a angiogênese, entre outros. Esta técnica, quando realizada com protocolo adequado, tem um grande potencial para a dermatologia e para cirurgia plástica.

CÉLULAS TRONCO: São células com potencial de sofrer diferenciação em várias linhagens celulares. As células tronco adultas são multipotentes e podem se diferenciar em vários tipos celulares, ajudando na recuperação de transplante de medula e regeneração de ossos, entre outros. Nas células do tecido adiposo, colhidas após uma lipoaspiração, existem células tronco adultas, que têm potencial de melhorar o aspecto do fotoenvelhecimento.

Na dermatologia e na cirurgia plástica essas células podem ser separadas após a centrifugação das células gordurosas retiradas da lipoaspiração e, como carregam consigo as células tronco mesenquimais, podem ser utilizadas em várias técnicas de tratamento. Os trabalhos como essa técnica ainda são incipientes, mas podem vir a ser bastante interessantes para melhorar a qualidade do tecido. Nossa publicação “Fração vascular estromal, uma nova terapêutica no fotoenvelhecimento: estudo comparativo e controlado” publicado na Revista Surgical And Cosmetic Dermatology, mostra a comparação entre a aplicação de um preenchedor e a aplicação das células mesenquimais pós lipoaspiração. Nos pacientes que foram tratados com as células tronco mesenquimais, obtivemos o mesmo resultado dos pacientes tratados com preenchedor, porém com duração bem maior que o primeiro.

As técnicas de medicina regenerativa hoje são utilizadas para acelerar a cicatrização de feridas, tratamento da calvície, estimulando o crescimento de mais fios, e no o tratamento de sulcos e rugas de expressão.

Essas técnicas vêm sendo cada vez mais estudadas e mais protocolos científicos estão sendo computados para torná-las parte do arsenal do dia a dia, para tratamento do envelhecimento cutâneo. A pele, como o maior órgão do corpo humano e com várias e complexas funções, é sem dúvida um das protagonistas nessa nova fronteira científica.

ROSÁCEA

A rosácea, também conhecida como acne rosácea, é uma doença inflamatória que se caracterizada por deixar a pele vermelha e com lesões que lembram espinhas espalhadas principalmente na face. As mulheres entre 35 e 65 anos são as mais comprometidas, principalmente aquelas com pele clara e sensível. Fatores variados, como álcool, calor, frio excessivo e estresse, podem piorar essa condição e causar muito constrangimento e baixa autoestima. rosácea

A causa da rosácea ainda não está esclarecida, mas sabemos que os vasos superficiais da face estão comprometidos e dilatados. Não há tratamento específico, mas são usados antibióticos imunomoduladores, como minociclina e doxiciclina por via oral.

O diagnóstico é médico, assim como o tratamento e devem ser evitados os corticoides sistêmicos ou tópicos, pois estes podem melhorar muito no início, porém causam efeitos colaterais como afinamento da pele, aumento dos vasos e até mesmo a acne. A pele pode ficar viciada ao corticoide, que além de provocar efeito rebote, pode começar a não funcionar mais para o problema.

A rosácea afeta de forma marcante a autoestima, pois denota um avermelhamento constante e incontrolável. Esse avermelhamento melhora pouco com os tratamentos convencionais e por isso, também são usados os lasers para vasos que destroem os mesmos, deixando a pele mais clara e homogênea.

Uma das novidades do Congresso da Academia Americana de Dermatologia deste ano, foi o lançamento de uma nova droga para o controle e melhora do avermelhamento da pele na rosácea. Trata-se do oximetazolina, que age nos vasos e consegue, por algumas horas, diminuir a vasodilatação, clareando a pele e evitando esse efeito indesejado. O produto é seguro e precisa ser utilizado todos os dias, mesmo em conjunto com outros tratamentos.

Outra novidade é a toxina botulínica, velha conhecida para o tratamento das rugas de expressão, também pode ser usada de forma mais diluída para melhorar o avermelhamento da rosácea. A injeção é feita após o produto ter uma diluição maior que a usada para tratamento das rugas e a aplicação é realizada de forma superficial, em pequena quantidade nos locais mais avermelhados. Nesse caso, como a aplicação é de forma superficial, não irá causar relaxamento muscular, mas evita as micro contrações superficiais, assim como diminui o excesso de produção sebácea.

O efeito da toxina botulínica para tratamento da rosácea, após uma única aplicação, persiste por cerca de 3 a 4 meses, melhorando também a textura e coloração da pele.

HIPERIDROSE

O suor é um liquido produzido pelas glândulas sudoríparas da pele para manter a temperatura do corpo. Nossa temperatura deve ficar entre 36 e 42 graus Celsius, sendo que a transpiração regula essa manutenção.

A quantidade de suor produzida por uma pessoa varia segundo a idade, sexo, raça e local de moradia. Os estímulos que influenciam as glândulas sudoríparas são: calor externo, exercício físico, vários tipos de doenças e alterações emocionais. Podemos afirmar também que não existe relação direta do aumento da transpiração com a ingestão de certos tipos de alimentos, embora, algumas vezes, o odor da pessoa possa ser modificado e ela fique com cheiro da substância ingerida que, depois, passa a ser eliminado pelo suor. Isso ocorre também quando a pessoa está tomando algum medicamento que pode facilitar o excesso de transpiração.

Um aspecto interessante e que deve ser lembrado é que o suor propriamente dito, eliminado da glândula sudorípara, não apresenta nenhum odor. Mas, à medida que ele permanece na pele, há um crescimento de bactérias provocando um cheiro desagradável. Na verdade existe um paralelo, quanto maior a quantidade de suor, mais intenso será o odor, porque as bactérias vão crescer com mais facilidade e intensidade.

Eventualmente, há uma disfunção desses mecanismos e teremos então a hiperidrose. Ela ocorre em cerca de 1% da população, trazendo importante desconforto a essas pessoas do ponto de vista social. O individuo tende a se retrair, pois se constrange ao contato físico com as pessoas, e um simples aperto de mão torna-se um problema.

O aumento excessivo do suor (hiperidrose) atrapalha a autoestima e até diminui a vida social da pessoa. A sudorese excessiva pode ocorrer nas axilas, deixando a roupa manchada, com cheiro mais forte, ou pode acontecer nos pés ou nas mãos. Neste último caso, as mãos ficam constantemente molhadas, dificultando a realização de determinados tipos de trabalho, como escrever, digitar, etc.

A hiperidrose pode ocorrer como consequência do hipertireoidismo, de distúrbios psiquiátricos, de menopausa ou da obesidade. O inicio dos sintomas pode ocorrer na infância, na adolescência ou somente na idade adulta, por razões desconhecidas. Eventualmente, podemos encontrar histórico familiar. Mas em geral, não há doenças associadas à hiperidrose, e ela está ligada a uma tendência pessoal ou a uma situação de estresse com muita ansiedade.

Contudo, os casos de hiperidrose nas axilas, por exemplo, podem ser revertidos com uma cirurgia específica que consiste num corte na pele e a retirada de uma quantidade de glândulas. Trata-se de uma cirurgia relativamente simples, feita pelos dermatologistas. O resultado é bastante satisfatório com uma significativa diminuição da sudorese.

Outra opção de tratamento para hiperidrose é o uso da toxina botulínica que bloqueia a ação da acetilcolina, necessária para a sudorese. Ela é aplicada com agulha ponto a ponto, em toda região das mãos e dos pés, e se for o caso, nas axilas. Com o bloqueio a acetilcolina há uma suspensão de cerca de 80% da sudorese nos locais onde a toxina é aplicada, sem causar efeitos colaterais, uma vez que a pessoa continua suando no restante do corpo. Na realidade, o tratamento inibe o excesso de suor que prejudica a pessoa e tem duração de em média de 8 meses.

O mais importante é procurar o serviço especializado, que possa diagnosticar cada caso e escolher o melhor tratamento.

TOXINA BOTULÍNICA – naturalidade e suavidade

A toxina botulínica vem sendo usada há muito tempo para o tratamento das rugas de expressão. É estranho tratar essas rugas, já que elas nos fazem humanos e expressivos. Sendo assim, há muito tempo vem se evitando congelar as pessoas e deixá-las como que paralisadas e sem expressões ou sentimentos, que precisam e devem ser visíveis e naturais para nossa comunicação.

O entendimento do valor da toxina vem sendo modificado e ajustado. Ela serve para deixar o rosto mais descansado, prevenir grandes marcas e principalmente evitar expressões pesadas e tristes. Hoje, há inúmeros estudos que correlacionam a felicidade, bem-estar e auto estima, com um rosto natural e suave. Outra função da toxina é deixar o paciente menos deprimido, o que também encontra uma correlação positiva com a aparência suave, sobrancelhas mais levantadas e menos rugas ao redor dos olhos e boca.

A toxina botulínica é muito mais preventiva que curativa e não é necessária uma escravidão em relação ao tempo de aplicação, pois ligeiras movimentações são naturais e agradáveis. A regra hoje em dia é usar toxina na fronte em menor quantidade e bem mais superior, já que o músculo frontal é o único que faz o levantamento facial. Um ótimo tratamento com a toxina é para o pescoço, pois quando relaxamos as bandas do platisma, evitamos a flacidez do pescoço que é muito difícil de tratar.

A toxina deve ser usada em menores quantidades em pessoas mais velhas, uma vez que as rugas já estão instaladas no repouso e também porque há maior tendência de acentuar a flacidez, principalmente na região dos olhos. A toxina pode ser usada em micro doses superficiais (intradérmicas) para um discreto levantamento facial e melhoria da qualidade da pele.

A toxina botulínica hoje tem várias marcas comerciais, mas é sempre a toxina tipo A, que diferente da ideia inicial, provocou muito menos resistência do que se imaginou inicialmente. Além do tratamento para rugas de expressão, a toxina botulínica pode ser usada para hiperidrose, que é o excesso de suor, e também para rosácea, que é a situação em que a pele fica sensível, vermelha e cheia de lesões inflamadas. A toxina é muito versátil e segura. Há indicações para o tratamento de cicatrizes hipertróficas, devido a capacidade da mesma de neutralizar algumas citocinas inflamatórias.

A toxina não pode e não deve ser aplicada como uma receita de bolo e também é importante todos o conhecimento da sua estrutura química e imunológica até para agir nas complicações, caso elas venham a ocorrer.

Procure seu médico dermatologista, que estudou no mínimo 9 anos para oferecer o melhor custo/benefício na melhoria da sua saúde e aparência.

TOXINA BOTULÍNICA

A toxina botulínica veio definitivamente para fazer parte do arsenal terapêutico do envelhecimento cutâneo. Hoje, muito mais do que melhorar uma determinada ruga de expressão, ela pode ser usada para levantar o rosto e melhorar o contorno facial, inclusive ocidentalizando o rosto oriental devido ao afinamento e alongamento conseguidos com seu tratamento. A ideia é evitar o congelamento facial, deixá-la com uma aparência mais jovial e descansada, além de prevenir a instalação das rugas.

Muito se fala a respeito da melhor idade para realizar a aplicação da toxina botulínica. Mas não há a resposta certa para esse questionamento, pois tudo irá depender de cada caso individualmente. Enquanto uma pessoa pode ter a expressão carregada com 30 anos, outra com 50 anos apresenta o rosto liso e relaxado.

A aplicação no músculo masseter pode ajudar no contorno facial, principalmente em mulheres que não gostam do rosto quadrado; já nos homens, o masseter hipertrofiado é considerado másculo e bonito. O músculo abaixador do canto da boca, que é um músculo triangular, que começa no canto dos lábios e termina na linha da mandíbula, é importante para definirmos o contorno facial e melhorarmos a flacidez e até o chamado bigode chinês. É um ponto perigoso, pois, por questões anatômicas, pode ser atingindo o músculo abaixador do canto da boca e provocar assimetria no sorriso. Por último, o platisma, que é o músculo do pescoço e tem uma inserção na mandíbula, responsável pela flacidez e falta de contorno logo abaixo da linha do queixo e mandíbula. A aplicação da toxina botulínica neste músculo melhora a flacidez e previne o envelhecimento dessa região.

Em relação aos pacientes candidatos a essas aplicações, é importante conversar muito com o médico dermatologista que é especialista nessas aplicações. Isso porque é importante avaliar se há indicação e se não existem problemas individuais que impeçam de fazê-lo, como doenças neuromusculares, infecções e uso de antibióticos. A duração do tratamento é de aproximadamente 5 meses, porém não existe o efeito “abóbora” da história infantil da Cinderela. Isto quer dizer que haverá um efeito inicial e a pessoa não acordará de um dia para o outro flácida e enrugada. O relaxamento e a ação que a toxina botulínica produz persistem alguns meses a mais, pois a pele descansou e o músculo ainda não está tão potente.

Lembrar sempre que o uso dessa substância é seguro e cientificamente comprovado, no entanto o profissional médico deve ser especializado, conhecer profundamente a anatomia, os pontos perigosos e especialmente saber corrigir e tratar qualquer complicação.

Toxina Botulínica no tratamento da depressão

A toxina botulínica é muito conhecida desde 1992, quando houve a publicação de estudos interessantes sobre sua ação nas rugas de expressão.

Tudo começou quando o casal Carruthers, ela oftalmologista e ele dermatologista, notaram que os tratamentos feitos para blefaroespasma (contrações involuntárias na área dos olhos) também melhoravam as rugas de envelhecimento. Desde então, milhares de pessoas já foram tratadas, melhorando a estética facial.

Hoje a toxina botulínica é conhecida e respeitada como um dos melhores tratamentos para melhoria dos aspectos do envelhecimento cutâneo. É considerada muito segura e eficaz, e existem centenas de milhares de tratamentos comprovando sua eficácia e segurança.

A aplicação é feita nos músculos que provocam as rugas, como frontal, corrugador e orbicular do olho. A toxina botulínica também é utilizada para algumas alterações como hiperidrose, excesso de suor e desidrose, que é um tipo de eczema que compromete as mãos e pés com muita inflamação e coceira. Também há trabalhos demonstrando sua ação no avermelhamento da rosácea e na melhoria de cicatrizes hipertróficas. Lembramos que seu uso nas doenças musculares, fazendo com que ocorra o relaxamento desses músculos. É usada em paralisia cerebral e várias distonias, levando a um conforto muito grande e na melhoria da qualidade de vida dos pacientes.

Nos últimos anos vem sendo observada uma nova ação: TOXINA BOTULÍNICA NA MELHORIA DOS TRANSTORNOS DEPRESSIVOS. Efeitos positivos no humor foram observados em pacientes que tratavam as rugas da glabela com toxina botulínica.

Um estudo com 30 pacientes em 2012, tratando 15 pacientes com a toxina botulínica e 15 pacientes com placebo, mostrou que um simples tratamento da região glabelar com toxina botulínica, foi suficiente para aliviar os sintomas de pacientes deprimidos que não respondiam ao tratamento convencional. Várias hipóteses vêm sendo propostas para esse tipo de efeito:

  • A toxina botulínica, por melhorar os efeitos estéticos, indiretamente melhora o humor.
  • A melhoria da aparência com uma expressão mais leve, levaria a um feedback social positivo.
  • A diminuição da ativação do músculo da glabela diminuiria os sinais aferentes ao cérebro, diminuindo os efeitos negativos.
  • A toxina atingiria o cérebro diretamente, afetando o processo emocional.
  • A paralisia do corrugador, que impediria de fazer expressões negativas, faria com que essas pessoas se sentissem mais felizes.
  • Mecanismos proprioceptivos de feedback atuariam ajudando a pessoa a se sentir melhor. Esse mecanismo é sustentado por outros estudos que mostram que a toxina melhora a percepção emocional das pessoas tratadas.
  • A melhoria estética, propriamente dita, estaria descartada como mecanismo principal, uma vez que as pessoas que fizeram parte do estudo não se queixavam de rugas. Portanto, não foi o fato de melhorar rugas que ajudou a melhorar a depressão.

Recentemente, em 2016, foi feito uma grande revisão para avaliação dos trabalhos sobre esta questão. Foram avaliados 639 artigos e 5 deles, que agruparam 194 indivíduos, que tinham entre 49  +/- 9,4 anos foram verificados. Além disso, três grandes estudos randomizados e controlados com 134 pacientes incluídos, foram estudados nesta meta analise.

Esta avaliação, que é chamada de medicina baseada em evidência, mostrou que a diminuição da depressão foi significativa nos pacientes tratados com toxina botulínica. A melhoria da depressão foi expressiva quando comparada com pacientes tratados com placebo. Após meta-analise é possível acreditar que a toxina botulínica causa melhoria significativa nos sintomas de depressão. Importante ressaltar que este tratamento pode ser associado às terapias clássicas medicamentosas e ou psicológicas. Este é um campo promissor e relevante, considerando que a depressão é muito prevalente e difícil de tratar. A toxina botulínica, por sua vez, é um tratamento relativamente simples, muito segura e tem a duração de cerca de 6 meses, tornando razoável seu custo/benefício. Além disso, este tipo de pesquisa ajuda a explicar ainda mais o complexo mecanismo de funcionamento do cérebro.

TOXINA BOTULÍNICA – muito mais que tratamento de rugas…

A procura por tratamentos estéticos permitiu o desenvolvimento de diferentes tratamentos para retardar o envelhecimento, e a combinação de várias técnicas é a melhor forma de se conseguir uma pele bonita e jovem. Entretanto, a grande oferta de possibilidades também pode fazer com que haja exageros com resultados muitas vezes desastrosos. A regra para a estética é o bom senso, o que se deseja é um resultado natural e harmônico. A boa notícia é que isso é perfeitamente possível.

Toxina Botulínica

Os primeiros trabalhos científicos publicados para o uso estético da toxina botulínica datam da década de 90. Desde então, sua aplicação para tratamento das rugas de expressão se tornou popular e utilizada em todo o mundo. É importante conhecer o modo de funcionamento, a técnica de aplicação e os cuidados necessários que envolvem esse procedimento médico. A toxina botulínica é produzida pela bactéria Clostridium botulinum e provoca relaxamento muscular através da inibição da liberação de uma substância química chamada acetilcolina, na junção entre o nervo e o músculo (placa neuromuscular). Alguns dias depois da sua aplicação o músculo fica relaxado, diminuindo sua força de contração.

Trata-se de um procedimento que tem por objetivo tratar e, principalmente, prevenir as rugas de expressão como pés de galinha, rugas da testa e do cenho (glabela). A toxina botulínica age na ruga dinâmica, ou seja, naquela ruga que aparece durante a contração dos músculos da mímica facial. Ela apresenta pouco ou nenhum efeito sobre as rugas de repouso, ou seja, aquelas já visíveis mesmo na ausência de contração dos músculos da mímica facial. Isso é um fator de confusão, pois acredita-se que a toxina trata todas as rugas, o que não é verdade. A proposta é prevenir as rugas de repouso ao tratar as rugas dinâmicas e por isso a melhor idade para sua utilização é, em geral, a partir dos 30 anos.

A aplicação é feita através da injeção da toxina diretamente no músculo a ser tratado por médico qualificado. O procedimento é bem tolerado e podem-se usar cremes anestésicos para alívio da dor. O efeito começa a ser percebido cerca de 48 horas após a aplicação e 15 dias depois tem-se o resultado final que dura de 4 a 6 meses, período em que a acetilcolina gradativamente volta a agir na placa neuromuscular. Não há qualquer alteração na sensibilidade da pele, pois a toxina atua apenas no músculo. Apesar de ser uma substância tóxica, a dose utilizada é mais de mil vezes menor que a dose tóxica e não ocorre absorção da mesma para outros órgãos.

Vários locais têm indicação de uso da toxina botulínica, tais como:

Face: ruga de severidade entre as sobrancelhas (cenho, glabela), rugas de espanto na testa, pés de galinha na área dos olhos, levantamento das sobrancelhas, abertura dos olhos (ocidentalização de orientais), levantamento do nariz, melhora das rugas periorais em fumantes, levantamento do canto da boca, correção do sorriso gengival.

Pescoço: redução da flacidez e linhas horizontais.

Colo: diminuição das rugas, região do decote.

A toxina botulínica também é usada para o excesso de suor “hiperidrose”, promovendo redução da sudorese nas axilas, palmas das mãos, plantas dos pés e outras áreas onde haja o excesso de suor. A toxina é um neuromodulador que também age em receptores específicos que melhoram e diminuem estímulos inflamatórios. Isto significa que ela pode melhorar a acne e a rosácea.

Tratamento do contorno facial – A toxina botulínica pode ser utilizada para melhorar o contorno facial e também para aprimorar o formato da face. O principal músculo para interferir no contorno facial é o masseter, que também é o músculo relacionado a sintomas como o bruxismo. O conhecimento da anatomia facial e localização dos vasos e nervos é imprescindível para que não ocorram efeitos colaterais na aplicação da toxina botulínica no músculo masseter.

A toxina também pode ser aplicada na glândula parótida, ajudando ainda mais nesse afinamento facial. Novas técnicas, onde a substância é mais diluída e aplicada mais superficialmente, em maior número de pontos, também auxiliam no levantamento da face.

Para melhorar o contorno facial como um todo, também podem ser tratados os seguintes músculos: musculo abaixador do canto da boca e musculo platisma, que se localiza no pescoço. O relaxamento do músculo abaixador do canto da boca, levanta essa região, melhorando o aspecto do bigode chinês. O tratamento do platisma, que é o musculo do pescoço, inserido na mandíbula, provoca a definição do contorno facial.  O resultado final dessas aplicações especificas, promoverá um formato de rosto mais alongado e com contornos mais precisos.

É fundamental discutir com o médico a indicação do procedimento, qual é o resultado esperado, qual é a duração dos efeitos, quais as contra indicações e efeitos adversos e quais os custos.

É importante estar consciente que o preenchimento e a toxina botulínica fazem parte de um rol de tratamentos para melhorar o envelhecimento cutâneo e que a combinação dessas técnicas promove um resultado final satisfatório e natural.

Tratamento do contorno facial

A toxina botulínica vem sendo usada há muitos anos como o melhor tratamento para as rugas de expressão. No entanto, pontos especiais podem ser feitos para conseguir efeito de levantamento, de melhoria do contorno facial e também de afinamento facial (aprimoramento do contorno).

O principal músculo para interferirmos nesse contorno facial é o masseter, que também é o músculo relacionado ao bruxismo. A aplicação nesse músculo masseter deve ser criteriosa, pois anatomicamente ele se sobrepõe a vasos e nervos. A anatomia da área deve ser respeitada e existem pontos ideais de aplicação.

Além do músculo masseter também podem ser abordados os músculos abaixador do canto da boca e o músculo platisma.

blog toxina botulínica 10 09Nesse caso, relaxando o músculo abaixador do canto da boca, conseguiremos melhorar o aspecto do chamado bigode chinês. Além disso, a toxina aplicada no músculo platisma, que insere-se na mandíbula, aprimora a definição do contorno do rosto. Trata-se de um recurso inteligente e natural para suavizar e melhorar o formato da face.

Somando as ações da toxina botulínica no músculo masseter, mais a ação de levantamento do canto da boca e do contorno definido na linha da mandíbula, teremos um rosto mais alongado e com contornos precisos.

Toxina Botulínica: amplas funções – Uso de Minociclina no tratamento de vitiligo

Finalizando minhas anotações sobre os temas que mais me chamaram a atenção durante o 23º Congresso Mundial de Dermatologia do Canadá, discorro abaixo uma síntese sobre recentes pesquisas realizadas com a toxina botulínica, substância de ampla ação na medicina, além de novidades sobre o uso da minociclina no tratamento de vitiligo.

TOXINA BOTULÍNICA – AMPLAS FUNÇÕES

A toxina botulínica é produzida pela bactéria chamada Clostridium Botulinum, sendo bastante conhecida na estética, por suavizar rugas e linhas de expressão na região da face, e no tratamento da hiperidrose (excesso de suor) palmar e axilar. Porém suas indicações terapêuticas são amplas, podendo variar de país para país, conforme determinam os órgãos de vigilância sanitária de cada local. Estudos recentes têm mostrado os benefícios desta substância no tratamento da depressão, conforme apresentado no último Congresso Mundial de Dermatologia.

TOXINA BOTULÍNICA PARA DEPRESSÃO

Muitos e muitos trabalhos mostram efeito da toxina botulínica na depressão. Os estudos mais recentes enfatizam que a pessoa melhora do humor e depressão. Estes resultados são alentadores. Não foi definido o mecanismo de ação, mas o mesmo pode estar relacionado a melhor aparência gerada por essa substância, e também pela liberação de fatores neuroendócrinos na placa neuromuscular.

APLICAÇÃO DE TOXINA BOTULÍNICA NO MÚSCULO MASSETER E NA GLÂNDULA PARÓTIDA PARA AFINAMENTO DO ROSTO

Kyle K. Seo, professor da Coreia do Sul, apresentou no Congresso Mundial de Dermatologia estudos interessantes usando 50U de toxina botulínica de cada lado da face, no masseter e na glândula parótida, para promover o afinamento e alongamento do rosto. Ele enfatiza que, para a cultura oriental, o rosto ovalado e fino é um padrão de beleza. Ele também mostrou que faz preenchimento na linha central da face, tanto na região da fronte, como queixo e nariz. São aplicações com pouca quantidade de preenchedor, mas que apresentam resultados sutis e naturais.

MINOCICLINA PARA DIMINUIR O AUMENTO DAS MANCHAS DE VITILIGO

Uma boa novidade para o tratamento do vitiligo é o uso da minociclina, que pode interromper a progressão da doença. O estresse oxidativo mediado pelos radicais livres parece ter grande importância na destruição dos melanócitos. A minociclina possui ação anti-inflamatória, imunomoduladora e varredora de radicais livres, além de ser bem conhecida por seus efeitos antimicrobianos. Desta forma, a minociclina oferece uma abordagem única e potencialmente poderosa para o combate da atividade de uma doença tão perturbadora como o vitiligo. Um estudo comparou a ação da minociclina com drogas já utilizadas:

Minociclina X minipulso oral de dexametasona: minociclina 100mg/dia X dexametasona 2,5mg em dias consecutivos semanalmente por 6 meses – ambos se mostraram efetivos na supressão da atividade do vitiligo e estabilização da progressão da doença. Lembrando que a dexametasona , como corticoide, tem muitos efeitos colaterais e portanto a minociclina é uma opção alentadora.