HIPERIDROSE

O suor é um liquido produzido pelas glândulas sudoríparas da pele para manter a temperatura do corpo. Nossa temperatura deve ficar entre 36 e 42 graus Celsius, sendo que a transpiração regula essa manutenção.

A quantidade de suor produzida por uma pessoa varia segundo a idade, sexo, raça e local de moradia. Os estímulos que influenciam as glândulas sudoríparas são: calor externo, exercício físico, vários tipos de doenças e alterações emocionais. Podemos afirmar também que não existe relação direta do aumento da transpiração com a ingestão de certos tipos de alimentos, embora, algumas vezes, o odor da pessoa possa ser modificado e ela fique com cheiro da substância ingerida que, depois, passa a ser eliminado pelo suor. Isso ocorre também quando a pessoa está tomando algum medicamento que pode facilitar o excesso de transpiração.

Um aspecto interessante e que deve ser lembrado é que o suor propriamente dito, eliminado da glândula sudorípara, não apresenta nenhum odor. Mas, à medida que ele permanece na pele, há um crescimento de bactérias provocando um cheiro desagradável. Na verdade existe um paralelo, quanto maior a quantidade de suor, mais intenso será o odor, porque as bactérias vão crescer com mais facilidade e intensidade.

Eventualmente, há uma disfunção desses mecanismos e teremos então a hiperidrose. Ela ocorre em cerca de 1% da população, trazendo importante desconforto a essas pessoas do ponto de vista social. O individuo tende a se retrair, pois se constrange ao contato físico com as pessoas, e um simples aperto de mão torna-se um problema.

O aumento excessivo do suor (hiperidrose) atrapalha a autoestima e até diminui a vida social da pessoa. A sudorese excessiva pode ocorrer nas axilas, deixando a roupa manchada, com cheiro mais forte, ou pode acontecer nos pés ou nas mãos. Neste último caso, as mãos ficam constantemente molhadas, dificultando a realização de determinados tipos de trabalho, como escrever, digitar, etc.

A hiperidrose pode ocorrer como consequência do hipertireoidismo, de distúrbios psiquiátricos, de menopausa ou da obesidade. O inicio dos sintomas pode ocorrer na infância, na adolescência ou somente na idade adulta, por razões desconhecidas. Eventualmente, podemos encontrar histórico familiar. Mas em geral, não há doenças associadas à hiperidrose, e ela está ligada a uma tendência pessoal ou a uma situação de estresse com muita ansiedade.

Contudo, os casos de hiperidrose nas axilas, por exemplo, podem ser revertidos com uma cirurgia específica que consiste num corte na pele e a retirada de uma quantidade de glândulas. Trata-se de uma cirurgia relativamente simples, feita pelos dermatologistas. O resultado é bastante satisfatório com uma significativa diminuição da sudorese.

Outra opção de tratamento para hiperidrose é o uso da toxina botulínica que bloqueia a ação da acetilcolina, necessária para a sudorese. Ela é aplicada com agulha ponto a ponto, em toda região das mãos e dos pés, e se for o caso, nas axilas. Com o bloqueio a acetilcolina há uma suspensão de cerca de 80% da sudorese nos locais onde a toxina é aplicada, sem causar efeitos colaterais, uma vez que a pessoa continua suando no restante do corpo. Na realidade, o tratamento inibe o excesso de suor que prejudica a pessoa e tem duração de em média de 8 meses.

O mais importante é procurar o serviço especializado, que possa diagnosticar cada caso e escolher o melhor tratamento.

Por que muitas vezes sofremos de HIPERIDROSE?

A hiperidrose, excesso de suor, assim como a bromidrose (suor com odor forte) geram muito constrangimento e a maioria das pessoas evita falar sobre o assunto. É comum não saber nem mesmo a quem recorrer, ou se existe tratamento para essa queixa.

Suar é normal. A transpiração é necessária para regular a nossa temperatura. Quando o clima está muito quente, a produção de suor aumenta, e quando esfria, essa produção diminui. Esse mecanismo é uma forma de manter o equilíbrio do nosso corpo. O suor não tem odor, porém favorece o crescimento de bactérias e fungos na superfície da pele, que causam o cheiro desagradável.

Temos dois tipos de glândulas de suor: as écrinas e as apócrinas. As glândulas écrinas estão presentes desde o nascimento e estão distribuídas por toda a superfície cutânea, enquanto as apócrinas começam a funcionar a partir de puberdade e estão mais localizadas nas axilas, na região da virilha, e no couro cabeludo.

A hiperidrose axilar é mais comum em adultos jovens, geralmente homens. Não existe comprovação científica, mas até 60% das pessoas que sofrem com o excesso de suor têm outros membros na família com o mesmo problema. Ela costuma durar por toda a vida adulta e regredir espontaneamente na velhice. Em outras épocas da vida, como na menopausa, é comum o excesso de calor acompanhado de ondas de suor.

A hiperidrose piora com: nervosismo, ansiedade e estresse. É comum ouvir pacientes falarem que mesmo no inverno, transpiram muito. Muitas vezes a pessoa fica nervosa e com medo de suar em condições de tensão; então, só de pensar no assunto, fica estressada e acaba suando mais, o que provoca insegurança e constrangimento social.

Algumas doenças, como diabetes, gota, tuberculose, linfomas, obesidade e distúrbios da tireoide também provocam o aumento de suor.

SUOR NAS MÃOS E NOS PÉS

A hiperidrose palmar (das mãos) e a hiperidrose plantar (da planta dos pés) também causam constrangimento. As mãos ficam úmidas, frias e podem até pingar, o que dificulta tarefas do dia a dia e a convivência social. Nos pés, atrapalha o uso de sandálias e induz a bromidrose plantar (o chulé). A doença ocorre por uma disfunção dos nervos do sistema nervoso simpático, que fica no tórax ou no abdome, que emite mensagem exagerada para as glândulas do suor. Ansiedade e estresse podem desencadear a doença.

TEM SOLUÇÃO?

Existem várias formas de tratamento, mas é importante procurar o médico dermatologista para o correto diagnóstico, análise de cada situação e o devido tratamento. Na axila, mãos e pés podemos usar a toxina botulínica, que inibe a acetilcolina, necessária para acionar a glândula sudorípara. A aplicação é feita com injeção local e o resultado dura cerca de 7 a 9 meses. Nos pés e mãos é feito o bloqueio anestésico, para evitar a dor. O procedimento é realizado em consultório pelo médico dermatologista.

Também existem dois tipos de cirurgias específicas na região das axilas. Uma delas utiliza uma cureta para raspar as glândulas de suor. A outra utiliza um aparelho de laser com cânula e destrói as glândulas retirando também a gordura. Outro tratamento é a radiofrequência, que preconiza o uso de um aparelho que libera uma energia calórica que destrói as glândulas sudoríparas. São feitas de quatro a seis sessões, uma vez por semana.

Consulte seu dermatologista e cuide-se!

Suor Excessivo

A pele é responsável pela manutenção da temperatura do corpo e realiza essa função através da sudorese. Suar é normal. A transpiração é necessária para regular a nossa temperatura.

Quando o clima está muito quente, a produção de suor aumenta, e quando esfria, essa produção diminui. Esse mecanismo é uma forma de manter o equilíbrio do nosso corpo. O suor não tem odor, porém favorece o crescimento de bactérias e fungos na superfície da pele, que causam o cheiro desagradável.

Temos dois tipos de glândulas de suor: as écrinas e as apócrinas. As glândulas écrinas estão presentes desde o nascimento e estão distribuídas por toda a superfície cutânea, enquanto as apócrinas começam a funcionar a partir de puberdade e estão mais localizadas nas axilas, na região da virilha, e no couro cabeludo.

Por que muitas vezes sofremos de HIPERIDROSE ?

A hiperidrose, excesso de suor, assim como a bromidrose (suor com odor forte) geram muito constrangimento e a maioria das pessoas evita falar sobre o assunto. Muitas vezes não sabem nem mesmo a quem recorrer, ou se existem tratamento para essa queixa.

A hiperidrose axilar é mais comum em adultos jovens, geralmente homens. Não existe comprovação científica, mas até 60% das pessoas que sofrem com o excesso de suor têm outros membros na família com o mesmo problema. Ela costuma durar por toda a vida adulta e regredir espontaneamente na velhice. Em outras épocas da vida, como na menopausa, é comum o excesso de calor acompanhado de ondas de suor.

A hiperidrose piora com: nervosismo, ansiedade e estresse. É comum ouvir pacientes falarem que mesmo no inverno, transpiram muito. Muitas vezes a pessoa fica nervosa e com medo de suar em condições de tensão; então, só de pensar no assunto, fica estressada e acaba suando mais, o que provoca insegurança, timidez e constrangimento social.

Algumas doenças, como diabetes, gota, tuberculose, linfomas, obesidade e distúrbios da tireoide também provocam o aumento de suor.

SUOR NAS MÃOS E NOS PÉS

Tão constrangedor quanto a hiperidrose, é a hiperidrose palmar (das mãos) e a hiperidrose plantar (da planta dos pés). Surge na infância e pode se manter pela vida toda. As mãos ficam úmidas, frias e podem até pingar, o que dificulta tarefas do dia a dia e a convivência social. Nos pés, atrapalha o uso de sandálias e induz a bromidrose plantar (o chulé). A doença ocorre por uma disfunção dos nervos do sistema nervoso simpático, que ficam no tórax ou no abdome, que emitem mensagem exagerada para as glândulas do suor. Existem situações que desencadeiam a doença, como ansiedade e estresse.

TEM SOLUÇÃO?

Existem várias formas de tratamento, mas é importante procurar o médico dermatologista para o correto diagnóstico, análise individual de cada situação e o devido tratamento.

Na axila, mãos e pés podermos usar a toxina botulínica, que inibe a acetilcolina, necessária para acionar a glândula sudorípara. A aplicação é feita com injeção local e o resultado dura cerca de 7 a 9 meses. Nos pés e mãos é feito o bloqueio anestésico, para evitar a dor. O procedimento é realizado em consultório pelo médico dermatologista.

Também existem dois tipos de cirurgias especificas na região das axilas. Uma delas utiliza uma cureta para raspar as glândulas de suor. A outra utiliza um aparelho de laser com cânula e destrói as glândulas retirando também a gordura.

Outro tratamento é a radiofrequência, que preconiza o uso de um aparelho que libera uma energia calórica que destrói as glândulas sudoríparas. São feitas de quatro a seis sessões, uma vez por semana.

Cuide-se!