MICROAGULHAMENTO

A técnica de microagulhamento está muito em voga nos últimos tempos. Esse procedimento, consiste em utilizar um pequeno instrumento chamado “roller”, que tem muitas agulhas que picam a pele, estimulando a reação da mesma. A medida que a pele é picada, ela reage e desencadeia uma resposta em cascata, com muitos elementos inflamatórios e hormônios do crescimento. Existem, portanto, dois estímulos importantes que ocorrem simultaneamente, sendo um deles a picadura na pele e o outro a reação fisiológica de produção de citoquinas acionadas para cicatrizar a pele.

Embora pareça simples, o procedimento precisa ser feito por médicos especialistas para evitar o trauma em áreas que possam ter pré-câncer de pele e o próprio câncer de pele. Isto porque, o trauma da picada e o sangramento, podem disseminar essas células malignas. Áreas inflamadas ou infectadas, também não podem ser picadas.

O microagulhamento pode ser indicado para várias alterações de pele, como cicatriz de acne, melasma, estrias e fotoenvelhecimento cutâneo. Em cada um desses casos será indicado um “roller” diferente com um número total de agulhas e também com tamanho diferente dessas agulhas. Nas cicatrizes de acne, que são mais fibrosas, usamos agulhas de 2,5mm, enquanto para tratamento do melasma, a agulha é de 1,5mm. O microagulhamento também pode ser feito na área das olheiras, onde usamos agulhas de 0,5mm. O procedimento irá gerar um sangramento maior ou menor e justamente esse sangramento, através das plaquetas, irá carregar os fatores de crescimento naturais, que são importantes para melhorar a qualidade da pele.

IMG_5112Para cada indicação do microagulhamento será indicado o número de sessões necessárias, que pode variar de 4 a 8, com intervalos de 2 a 4 semanas. Após o procedimento, podem ser usados princípios terapêuticos específicos para melhorar ainda mais a doença que está sendo tratada. No caso do melasma, pode ser usado ácido tranexâmico, enquanto no fotoenvelhecimento podemos utilizar vários ativos como a própria vitamina C. Vale lembrar que o ideal é que o produto utilizado seja estéril para evitar contaminação. O resultado pode ser notado após 8 a 10 dias. Em geral, a pele fica sensível por 3 a 4 dias, sendo necessário o uso de filtro solar.

Outra indicação interessante é o uso do microagulhamento no couro cabeludo, para melhorar a queda de cabelo. Nesse caso, podem ser usados ativos com a finasterida e minoxidil.

O microagulhamento sempre melhora muito a qualidade e saúde da pele. Esta é uma técnica simples, com preço muito acessível e com seus riscos específicos, porém muito promissora na área da dermatologia.

ESTRIAS

As estrias são cicatrizes que causam danos profundos nas mulheres por comprometer a estética e a autoestima.

Além da mudança de cor, são descritas como áreas atróficas com depressão ou elevação do tecido comprometido. No início são rosadas, depois purpúricas e finalmente, após meses ou anos, tornam-se brancas e atróficas.

Ocorrem em pes­soas obesas, na gravidez, associadas ao rápido ganho ou perda de peso, síndrome de Cushing e em terapias prolongadas ou aplicação tópica de corticosteróides. Locali­zam-se preferencialmente nas coxas, nádegas, peito, região lombar e abdômen. Incidem de 5% a 35% da população, sendo que atinge as mu­lheres cerca de 2,5 vezes mais que os homens.

As estrias representam o estiramento e a ruptu­ra das ligações cruzadas das fibras de colágeno e elastina. Estas rupturas resultam ocasionalmente em anormalidade clínica na forma de estria.

Tanto na puberdade quanto na gravidez, as estrias surgem nas áreas de maior modificação do corpo da mulher, como seios, nádegas e coxas. É interessante a grávida ter cuidados apropriados neste período e saber que existem procedimentos específicos que podem melhorar a aparência da estria.

Tratamento das estrias:

O tratamento depende do tipo, da quantidade e da localização das estrias. Além disso, a cor e a espessura da pele, assim como o perfil psicológico da paciente, devem ser analisados.

Quando a estria ainda é vermelha e inicial podem ser usados o laser ou a luz pulsada. Os peelings com ácido retinoico, ácido glicólico ou ácido tricloroacético melhoram as estrias brancas e superficiais. A dermoabrasão é um peeling mecânico, que utiliza uma lixa de diamante na região afetada. Geralmente, tanto os peelings químicos quanto o mecânico (dermoabrasão) são feitos associados a outro tipo de tratamento.

A microdermoabrasão é um procedimento em que partículas calcárias são emitidas na superfície cutânea. Elas estimulam o tecido de forma mecânica e segura. Este procedimento é feito uma vez por semana por cerca de 10 semanas e melhora a cor e a aparência das estrias.

A subcisão é um procedimento que tem como objetivo estimular o processo de produção de fibras da pele. Consiste em anestesiar o local com xilocaína 2% e em seguida introduzir uma agulha especial na pele e na região derme/hipoderme, fazer movimentos de vai e vem que estimulem o local e acentuem o mecanismo de regeneração do tecido, pra haver maior produção de fibras. O resultado final será visto dois a três meses depois. A subcisão não deve ser repetida em períodos menores do que dois meses no mesmo local, porque ainda não seria possível avaliar os resultados. A formação de hematoma é importante, pois tem relação com a agressão que foi feita a pele. Devem ser tomados cuidados locais com as roupas, traumas e higiene para que não haja infecção local.

Hoje também está em voga, o tratamento das estrias com microagulhamento, radiofrequência microagulhada e micro infusão de medicamentos na pele (MMP).

No caso do microagulhamento, se utiliza um “roller” – aparelho com agulhas entre 0,5 e 2,5mm que vão perfurar a pele. Este mecanismo estimula o colágeno, além de promover a ação dos fatores de crescimento pelo sangue. A radiofrequência utiliza energia e microagulhas para estimular o local. A MMP usa um sistema de agulhas similar ao que leva um aparelho de tatuagens. A MMP além de estimular o local com as agulhas, também requisita fatores de crescimento via orvalho sangrante e soma a ação do medicamento contra as estrias.

Os tratamentos como subcisão, microdermoabrasão, microagulhamento, radiofrequência e peelings não devem ser realizados no período de gestação.

É importante ter em mente que a melhor forma ainda é prevenir as estrias com alguns cuidados básicos, como hidratar, massagear a pele e cuidar do peso.