MEDICINA REGENERATIVA – NOVA FRONTEIRA NO TRATAMENTO DO ENVELHECIMENTO

Ao longo do tempo, muitas técnicas vêm sendo incorporadas para melhorar a aparência do envelhecimento cutâneo. Hoje, associando bons cosmecêuticos com procedimentos como peelings, preenchimento, toxina botulínica, lasers e radiofrequência, podemos conseguir ótimos resultados na prevenção e correção de sinais do envelhecimento.

Em relação aos peelings, favorecemos a troca celular, renovando o tecido; com alguns preenchedores, como a hidroxiapatita de cálcio, estimulamos a formação de colágeno novo através da ação específica do cálcio, e com vários lasers podemos conseguir também a formação de mais colágeno pelo calor que estes aparelhos emitem na profundidade da derme. Em meio a tudo isso, começa a ser vislumbrada uma nova fronteira no tratamento da pele envelhecida, que é a Medicina Regenerativa. Esta nova ciência, através de diversas tecnologias, tem seu início na própria resposta que a pele humana tem no processo cicatricial.

Quando a pele é cortada ou machucada, automaticamente começa um processo de cicatrização, que se inicia com a coagulação, onde as células sanguíneas trazem as citoquinas e fatores de crescimento para reconstruir o tecido, promovendo a neovascularização com formação de novas células e novo colágeno. Baseado no conhecimento das reações reconstrutivas do próprio organismo, começam a ser exploradas técnicas e procedimentos que utilizam o arsenal da medicina regenerativa como:

* Fatores de Crescimento

* Células Tronco

* Plasma Rico em Plaquetas

* Tecidos Reconstrutivos como a Pele sintética

FATORES DE CRESCIMENTO: São proteínas que circulam em nosso organismo e são estimuladas ou neutralizadas, conforme são acionadas por uma intricada rede de receptores, expressões genicas e estímulos hormonais. O fator de crescimento, por exemplo endotelial vascular, induz a vasculogênese e angiogênese. Esse fator é um dos mais importantes na cicatrização de tecido e na pega dos retalhos e enxertos.

O uso clínico de fatores de crescimento, iniciou nos anos 90 e em 2002 o FDA (Food and Drug Administration) aprovou o uso de fatores recombinantes como BMP-2 e BMP-7 para uso em cirurgias de medula e ortopedia. Em relação ao envelhecimento cutâneo, os fatores de crescimento têm sido incluídos em cremes e também usados de forma injetável para estímulos específicos.

PLASMA RICO EM PLAQUETAS: Esta técnica, muito utilizada na Europa e nos Estados Unidos, preconiza o uso da fração rica em plaquetas do sangue do doador para ser utilizado para cicatrização e estimula a melhoria do colágeno da própria pele. O sangue do indivíduo a ser tratado é colhido e centrifugado, separando a parte amarela das plaquetas, que é rica em fatores de crescimento. Esta fração, de acordo com cada protocolo, é aplicada no local a ser tratado, que pode ser uma ferida, queda de cabelo ou sulcos e rugas do fotoenvelhecimento.

blog 3

As proteínas contidas nesse plasma rico em plaquetas têm grande quantidade de fatores de crescimento como o fator de crescimento endotelial: esses fatores estimulam a produção de colágeno e a angiogênese, entre outros. Esta técnica, quando realizada com protocolo adequado, tem um grande potencial para a dermatologia e para cirurgia plástica.

CÉLULAS TRONCO: São células com potencial de sofrer diferenciação em várias linhagens celulares. As células tronco adultas são multipotentes e podem se diferenciar em vários tipos celulares, ajudando na recuperação de transplante de medula e regeneração de ossos, entre outros. Nas células do tecido adiposo, colhidas após uma lipoaspiração, existem células tronco adultas, que têm potencial de melhorar o aspecto do fotoenvelhecimento.

Na dermatologia e na cirurgia plástica essas células podem ser separadas após a centrifugação das células gordurosas retiradas da lipoaspiração e, como carregam consigo as células tronco mesenquimais, podem ser utilizadas em várias técnicas de tratamento. Os trabalhos como essa técnica ainda são incipientes, mas podem vir a ser bastante interessantes para melhorar a qualidade do tecido. Nossa publicação “Fração vascular estromal, uma nova terapêutica no fotoenvelhecimento: estudo comparativo e controlado” publicado na Revista Surgical And Cosmetic Dermatology, mostra a comparação entre a aplicação de um preenchedor e a aplicação das células mesenquimais pós lipoaspiração. Nos pacientes que foram tratados com as células tronco mesenquimais, obtivemos o mesmo resultado dos pacientes tratados com preenchedor, porém com duração bem maior que o primeiro.

As técnicas de medicina regenerativa hoje são utilizadas para acelerar a cicatrização de feridas, tratamento da calvície, estimulando o crescimento de mais fios, e no o tratamento de sulcos e rugas de expressão.

Essas técnicas vêm sendo cada vez mais estudadas e mais protocolos científicos estão sendo computados para torná-las parte do arsenal do dia a dia, para tratamento do envelhecimento cutâneo. A pele, como o maior órgão do corpo humano e com várias e complexas funções, é sem dúvida um das protagonistas nessa nova fronteira científica.

Novidades do Congresso Internacional da Academia Americana de Dermatologia – 3 a 7 de março/2017 – Olheiras

As olheiras também são queixas muito frequentes no dia a dia do dermatologista.

É importante lembrar que existem vários tipos de olheiras, algumas são da própria etnia da pessoa. Os árabes, por exemplo, têm essa área bastante escurecida, sem outras alterações. Crianças e pessoas que tem atopia, que é uma tendência muito forte pra alergia, também têm olheiras com mais facilidade; o olho fica bastante fundo e a região bem escurecida.

Conforme passa o tempo, essa região, por ser uma área de pele mais fina, vai sofrendo modificações importantes e as olheiras vão aparecendo também pelo próprio envelhecimento. Os vasos ficam bastante dilatados nessa região em que há uma grande quantidade de vasos que podem sofrer pequenas hemorragias. Por isso o tom mais avermelhado e roxo é frequente nessa região.

Além disso vai havendo um escurecimento pela própria melanina, pela flacidez e bolsas de gordura. Então a primeira questão em relação as olheiras, é que haja um bom diagnóstico de que tipo de olheira nós estamos falando. 

Foram indicados como tratamento, alguns cremes com vitamina K, com ácido tranexâmico e com ácido tioglicólico, todos eles com uma interferência em relação a esses vasos. A cafeína também foi indicada, diminuindo o edema e tonificando a pele, no entanto, ainda não há um creme que cure completamente essa alteração, então é necessária a aplicação de alguns lasers. 

Os lasers citados foram o Dye Laser, específico para vasinhos. Outro laser, o ND YAG é um laser também pra vasos conforme o comprimento de onda. E ainda o ND YAG Q SWITCHED, com menor energia e muito rápido pode também clarear a melanina. 

Também se falou da rádiofrequência que melhora a qualidade da pele e pode melhorar a flacidez, nota-se então que o tratamento da olheira nunca é único, você precisa fazer um bom diagnóstico, conseguir avaliar os problemas específicos daquela pessoa e programar um tratamento mais completo onde se faça a associação de procedimentos.

CELULITE

A celulite afeta quase 100% das mulheres, provocando baixa autoestima e até depressão. É uma alteração complexa que afeta os vasos, o tecido gorduroso e conjuntivo provocando caroços e depressões em áreas como coxas, pernas e nádegas. Os tecidos comprometidos vão progressivamente distorcendo, tornando os septos mais endurecidos, gordura mais proeminente e a troca metabólica deficiente.

A etiopatogênese da celulite não está definida, porém vários fatores interferem na sua formação:

Hereditariedade: O primeiro deles está relacionado a fatores genéticos, etnia, formato do corpo.  Mulheres mais curvilíneas, como as latinas tendem a ter mais celulite que as eslavas, de corpo reto e pernas longas. Aquela brincadeira que diz: eu sou você amanhã, é verdadeira para filhas e mães que têm muita celulite. Então, se na sua família a celulite é muito frequente e intensa vale a pena pensar em prevenir.

Hormônios: Os estrógenos e a progesterona (hormônios femininos) favorecem a retenção hídrica e estimulam o crescimento da célula adiposa. Eles agem em receptores específicos, principalmente nas áreas de mudança corporal na puberdade, como nádegas e coxas. Por esse motivo, doenças com desequilíbrios hormonais ou medicamentos como corticoides tender a piorar o quadro.

Alimentação: Alimentos com alto índice glicêmico e gordurosos pioram a celulite, pois facilitam o crescimento das células gordurosas.

Hábitos:

– Vida sedentária: quanto menor for a atividade física, menor será a ativação da circulação sanguínea e da drenagem normal da pele. Exercício físico é importante também na queima de calorias.

– Tabagismo: é conhecido que o cigarro prejudica a circulação sanguínea e piora a celulite

Tratamento

O tratamento da celulite deve ser encarado como uma mudança no estilo de vida, mantendo hábitos saudáveis. A alimentação é básica; deve ser equilibrada, abusando de frutas, verduras, alimentos não muito calóricos, pouca gordura e pouco carboidrato. Exercício físico regular e moderado para ajudar a manter o peso e tonificar a musculatura.

Vários tratamentos específicos podem ser utilizados, em geral, em associação, para se obter melhores resultados. O tratamento inclui a avaliação pelo profissional especializado que irá classificar a celulite e indicar o melhor conjunto de ações para o resultado terapêutico.

Cremes isoladamente são insuficientes para melhorar a celulite, uma vez que há dificuldades com a penetração dos mesmos. No entanto, podem ser bons coadjuvantes com substâncias ativas como: cafeína, tretinoína, entre outros.

Drenagem linfática: massagem suave que acompanha a cadeia dos gânglios linfáticos para evitar a retenção hídrica e inchaço. É feita delicadamente, utilizando pressão no local do trajeto dos vasos linfáticos.

Subcisão: pequena cirurgia na qual após a introdução de uma agulha especial, quebramos os septos e agredimos a gordura, gerando uma reorganização cicatricial que visa melhorar a circulação e atenuar as marcas da celulite.

Radiofrequencia e Ultrassom: são utilizados aparelhos de radiofrequência e ultrassom que emitem energia atuante nos septos e no tecido adiposo. Além de melhorar a irrigação, estas energias estimulam colágeno e agridem a gordura.

Laserlipólise: é uma técnica a laser que quebra as células de gordura e ajuda a reduzir medidas, além de estimular a produção de colágeno. O procedimento une a tecnologia do laser associada à lipoaspiração. Por meio do calor gerado por uma fibra ótica, a gordura é diretamente derretida. Os adipócitos destruídos são absorvidos pelo organismo ou o material restante pode ser lipoaspirado.

O tratamento da celulite é difícil e demorado e depende de uma boa indicação do médico especialista e de muita disciplina do paciente. Assim sendo, os resultados podem ser muito gratificantes e duradouros.

Estrias e Gravidez

Estrias podem aparecer em até 90% das mulheres durante a gravidez.  Sua etiologia é desconhecida até o momento e há poucos trabalhos sobre o assunto. Elas se desenvolvem em uma variedade de circunstâncias, algumas envolvendo o estiramento físico da pele, como grandes aumentos de peso ou estirão de crescimento do adolescente, e outras envolvendo alterações hormonais como no uso crônico de esteróides ou síndrome de Cushing.

Na gravidez, dois fatores principais parecem estar relacionados ao seu surgimento. O primeiro seria o nível aumentado de alguns hormônios, que estimulam a produção de mucopolissacarídeos, diminuindo as forças de coesão e encharcando a pele. O segundo fator é o estiramento físico sobre a derme, causando pontos de fragilidade nas fibras de colágeno. As estrias surgem mais em mulheres que ganham muito peso e são mais jovens. Parece haver também uma predisposição genética, relação com os fatores ambientais e etnia.

As estrias são lesões lineares, que aparecem mais frequentemente em mamas, abdômen, quadris e coxas. A sua localização está relacionada com hábitos, como por exemplo os levantadores de peso que tem estrias nas axilas e raiz de braços, enquanto na gravidez são mais propensas a aparecer no abdômen e mama. Em geral, elas começam como lesões avermelhadas ou arroxeadas, e ao longo do tempo, perdem pigmentação e ficam brancas e atróficas. Ocasionalmente, são pruriginosas e ligeiramente doloridas.

Nenhuma terapia provou definitivamente sua eficácia em prevenir o desenvolvimento de estrias durante a gravidez. O tratamento consagrado inclui hidratação com emoliente especiais, além de alguns ativos como vitaminas e peptídeos. Essas formulações têm comprovação científica e são seguras para uso nesse período. Elas ajudam a prevenir as estrias principalmente por deixar a pele com maior resiliência. Para hidratação da pele há duas formas: forma ativa com substâncias que formam o fator natural de umectação (ex, lactato, ácido pirrolidônico, uréia) e forma passiva com compostos emoliente e oclusivos (ex: glicerina, vaselina, óleo mineral, silicones, lanolina, sorbitol).

Na sequência do parto e amamentação exclusiva, podem ser utilizados outros recursos terapêuticos como: tratamento a laser (585nm, pulsed dye laser), peelings com ácido retinóico e baixas concentrações de ácido tricloracético (15-20%). Luz intensa pulsada em estrias avermelhadas; lasers fracionados (1540nm) e luz com emissão de UVB (ex: excimer laser 308-nm) em estrias brancas.

Hoje novas tecnologias também são acrescentadas ao arsenal de tratamento para as estrias, como:

– A radiofrequência fracionada associada ao ultrassom, que contribui para a penetração de ativos potentes na pele;

-Microagulhamento – centenas de microagulhas dispostas em um pequeno dispositivo que, quando passado várias vezes, danifica a pele, contribuindo para a formação de novo colágeno na área afetada;

– Microinfusão de medicamentos na pele – um pequeno aparelho agulhado que, semelhante aos usados na técnica de tatuagem, introduz ativos na parte mais profunda da pele;

– Associação de lasers como Erbium Yag e Nd Yag, que através da emissão de calor, estimulam o colágeno, melhorando a flacidez e a tonicidade da pele acometida;

– Laser CO2 Fracionado, que também, através da emissão do calor, atinge a derme profunda, estimulando a formação de colágeno.

Todos os tipos de tratamento para as estrias devem ser indicados por médicos especializados, que primeiramente, observam as contraindicações e em seguida escolhem aquele ou aqueles mais apropriados para cada caso.

ESTRIAS

As estrias são cicatrizes que causam danos profundos nas mulheres por comprometer a estética e a autoestima.

Além da mudança de cor, são descritas como áreas atróficas com depressão ou elevação do tecido comprometido. No início são rosadas, depois purpúricas e finalmente, após meses ou anos, tornam-se brancas e atróficas.

Ocorrem em pes­soas obesas, na gravidez, associadas ao rápido ganho ou perda de peso, síndrome de Cushing e em terapias prolongadas ou aplicação tópica de corticosteróides. Locali­zam-se preferencialmente nas coxas, nádegas, peito, região lombar e abdômen. Incidem de 5% a 35% da população, sendo que atinge as mu­lheres cerca de 2,5 vezes mais que os homens.

As estrias representam o estiramento e a ruptu­ra das ligações cruzadas das fibras de colágeno e elastina. Estas rupturas resultam ocasionalmente em anormalidade clínica na forma de estria.

Tanto na puberdade quanto na gravidez, as estrias surgem nas áreas de maior modificação do corpo da mulher, como seios, nádegas e coxas. É interessante a grávida ter cuidados apropriados neste período e saber que existem procedimentos específicos que podem melhorar a aparência da estria.

Tratamento das estrias:

O tratamento depende do tipo, da quantidade e da localização das estrias. Além disso, a cor e a espessura da pele, assim como o perfil psicológico da paciente, devem ser analisados.

Quando a estria ainda é vermelha e inicial podem ser usados o laser ou a luz pulsada. Os peelings com ácido retinoico, ácido glicólico ou ácido tricloroacético melhoram as estrias brancas e superficiais. A dermoabrasão é um peeling mecânico, que utiliza uma lixa de diamante na região afetada. Geralmente, tanto os peelings químicos quanto o mecânico (dermoabrasão) são feitos associados a outro tipo de tratamento.

A microdermoabrasão é um procedimento em que partículas calcárias são emitidas na superfície cutânea. Elas estimulam o tecido de forma mecânica e segura. Este procedimento é feito uma vez por semana por cerca de 10 semanas e melhora a cor e a aparência das estrias.

A subcisão é um procedimento que tem como objetivo estimular o processo de produção de fibras da pele. Consiste em anestesiar o local com xilocaína 2% e em seguida introduzir uma agulha especial na pele e na região derme/hipoderme, fazer movimentos de vai e vem que estimulem o local e acentuem o mecanismo de regeneração do tecido, pra haver maior produção de fibras. O resultado final será visto dois a três meses depois. A subcisão não deve ser repetida em períodos menores do que dois meses no mesmo local, porque ainda não seria possível avaliar os resultados. A formação de hematoma é importante, pois tem relação com a agressão que foi feita a pele. Devem ser tomados cuidados locais com as roupas, traumas e higiene para que não haja infecção local.

Hoje também está em voga, o tratamento das estrias com microagulhamento, radiofrequência microagulhada e micro infusão de medicamentos na pele (MMP).

No caso do microagulhamento, se utiliza um “roller” – aparelho com agulhas entre 0,5 e 2,5mm que vão perfurar a pele. Este mecanismo estimula o colágeno, além de promover a ação dos fatores de crescimento pelo sangue. A radiofrequência utiliza energia e microagulhas para estimular o local. A MMP usa um sistema de agulhas similar ao que leva um aparelho de tatuagens. A MMP além de estimular o local com as agulhas, também requisita fatores de crescimento via orvalho sangrante e soma a ação do medicamento contra as estrias.

Os tratamentos como subcisão, microdermoabrasão, microagulhamento, radiofrequência e peelings não devem ser realizados no período de gestação.

É importante ter em mente que a melhor forma ainda é prevenir as estrias com alguns cuidados básicos, como hidratar, massagear a pele e cuidar do peso.

CELULITE

Tratar a celulite é sempre um grande desafio. Infelizmente, esse mal atinge mais de 90% das mulheres… Além do problema estético, pois a aparência da celulite é desagradável, há a questão da saúde, uma vez que pode haver dor local, formação de caroços e piora na circulação e irrigação do tecido acometido. Afinal, é possível combatê-la? Vamos entender suas causas, como preveni-la e como tratá-la.

O que causa o aparecimento da celulite?

Conhecida como lipodistrofia ginoide LDG, a celulite é um desequilíbrio de liquidos, vasos e gordura e se manifesta na mulher modificando a estrutura da pele, principalmente nas regiões dos glúteos e a face posterior das coxas. A LDG é dividada em 4 estágios, de acordo com a gravidade:

Grau I: assintomático, sem lesões, tem história familiar. Ocorrem alterações ao nível das células adiposas,observadas somente ao microscópio.

Grau II: as alterações são visíveis ao contrair a musculatura ou comprimir a pele.

Grau III: são observadas ondulações, conferindo à pele aspecto em “casca de laranja”. Neste grau, a LDG pode ser dolorosa.

Grau IV: semelhante ao grau III, porém mais severo. Ocorrem nódulos visíveis, dolorosos, grande alteração do relevo da pele, podendo ocorrer aderência aos planos profundos.

As causas da LDG são variadas:

– Hereditariedade: a estrutura do tecido adiposo é determinada geneticamente. Algumas pessoas têm maior tendência à formação de celulite, provavelmente por uma predisposição do tecido adiposo e alterações circulatórias de sangue e outros líquidos.

– Fatores hormonais: os hormônios femininos são os principais causadores de celulite. Por esse motivo as mulheres são as principais afetadas. O problema em geral se inicia na puberdade, quando tem início a produção dos hormônios femininos. Qualquer doença que provoque uma alteração hormonal favorecerá a piora da LDG. Uso de medicamentos com hormônios, como anticoncepcionais, também podem desencadear ou agravar o quadro.

– Má alimentação: o descontrole alimentar é um forte componente para o agravamento do problema. Nosso corpo tenderá sempre a estocar energia. Toda dieta hipercalórica e hipergordurosa favorecerá a formação de novas células de gordura. Mais células de gordura numa área onde a circulação sanguínea já é deficiente, só agravarão o problema.

– A ingestão de líquidos também é fator fundamental; quanto menos líquido ingerido, mais ficarão retidos produzindo edema no local.

– Vida sedentária: quanto menor for a atividade física, menor será a ativação da circulação sanguínea e da drenagem normal da pele. Exercício físico é importante também na queima de calorias.

– Tabagismo: é conhecido que o cigarro prejudica a circulação sanguínea.

Como posso evitar a celulite?

Não há como alterar a influência hereditária; porém, para todos os outros fatores causais da celulite, existe algo a ser feito.

A atividade física tem muitos benefícios; ativa a circulação, aumenta a queima calórica, diminui o stress e melhora a postura. Hábitos saudáveis como não fumar, não beber em exagero, manter uma dieta balanceada, com ingestão de muita água e diminuição de sal, também são fundamentais.

Devemos nos preocupar com a prevenção, principalmente a partir da puberdade, porque até esta fase são poucos estímulos que irão favorecer a celulite. Logicamente pessoas com maior tendência familiar deverão ter mais cuidado, principalmente relacionados a manter o peso, no sentido de manter uma dieta equilibrada, beber muito líquido, fatores hormonais, que devem ser avaliados e tratados; e além disso, a pessoa deve também fazer exercícios físicos regulares e moderados.

A palavra chave na prevenção da celulite é EQUILÍBRIO.

Tratamento

O tratamento da LDG deve ser encarado como uma mudança no estilo de vida, mantendo hábitos saudáveis. A alimentação é básica; deve ser equilibrada, abusando de frutas, verduras, alimentos não muito calóricos, pouca gordura e pouco carboidrato. Vários tratamentos podem ser utilizados, em geral, em associação, para se obter melhores resultados. Existem várias possibilidades:

Cremes e óleos ativadores da circulação e da lipólise: várias substâncias podem ser usadas na intenção de ativar a quebra de gordura e melhorar a circulação sanguínea local. Devem conter liporedutores, substâncias que realmente vão agir em algum ponto da celulite; sempre levando em consideração que há a questão da absorção, dificultando então o resultado final.

Drenagem linfática: massagem suave que acompanha a cadeia dos gânglios para evitar a retenção líquida. É feita delicadamente, fazendo-se pressão no trajeto dos vasos linfáticos.

Injeção intradérmica de substâncias: são diversas misturas de medicamentos, chamadas de “mesclas”. Existem mesclas específicas para a LDG, que melhoram a circulação local, reduzem o edema e aumentam a quebra de gordura.

Subcisão: pequena cirurgia na qual descola se a pele, usando uma agulha especial, gerando uma reorganização cicatricial que visa melhorar a circulação e atenuar as marcas da LDG.

Radiofrequência bipolar, infra vermelho e massagem: aparelho com tripla ação – a radiofrequência emite calor que estimula o colágeno e melhora a circulação; a massagem à vácuo faz a drenagem do tecido, e a onda infravermelha que também ajuda no reequilíbrio do tecido gorduroso. Graças à associação de várias tecnologias em uma única ponteira, é possível reduzir medidas, tratar a flacidez e a celulite.

Ultrassom: aparelho de radiofrequência que produz um grande aquecimento na área tratada, levando ao estímulo de um novo colágeno e, consequentemente, ao enrijecimento da pele. A radiofrequência baseia-se no aquecimento controlado da derme profunda, enquanto a camada superficial é preservada através de sistemas de resfriamento, levando à contração imediata do colágeno e neocolagênese (formação de colágeno). Indicado para tratar a flacidez e a celulite.

Laserlipólise: é uma técnica a laser que quebra as células de gordura e ajuda a reduzir medidas, além de estimular a produção de colágeno. O procedimento une a tecnologia do laser associada à lipoaspiração. Por meio do calor gerado por uma fibra ótica, a gordura é diretamente derretida. Os adipócitos destruídos são absorvidos pelo organismo ou o material restante pode ser lipoaspirado.

Todas as técnicas e o uso de qualquer medicamento devem ser indicados pelo médico.

Novas abordagens no tratamento de gordura localizada e celulite; terapia transepidérmica

TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA

Foi aprovada pelo FDA uma molécula para o tratamento da gordura localizada. Trata-se da ATX 1, cujo princípio ativo é o Deoxicolato, potente agressor às moléculas de gordura.

Ela é aplicada como uma injeção que atinge especificamente o adipócito em áreas de gordura localizada, como culotes, papadas etc. A aplicação é levemente dolorida e deve ser feita por médico. O mecanismo de ação é uma agressão à parede das células, levando a uma inflamação que promove o rompimento celular e posterior metabolismo da gordura.

TRATAMENTO DA CELULITE

Outra abordagem para o tratamento de gordura localizada e celulite é a laser lipólise, em que é usada uma cânula agregada ao aparelho de laser. Essa cânula tem o cumprimento de onda para atingir a gordura e estimular o colágeno.

Este aparelho, segundo novos estudos, tem função principalmente de quebrar a fibrose do tecido celulítico. Trabalhos recentes mostram a vantagem dessa tecnologia, que tem grande eficácia em melhorar a celulite, além de diminuir a gordura e a flacidez.

TERAPIA TRANSEPIDÉRMICA FEITA DE VÁRIAS MANEIRAS: COM LASER, COM RADIOFREQUÊNCIA, COM MICROAGULHAMENTO ETC.

Uma nova maneira de realizar tratamentos na área de dermatologia é utilizar aparelhos ou procedimentos que facilitem a entrada do produto tópico através da pele.

Pode ser feito com laser ablativo como o CO2 que abre pequenos canais na pele e também com o microagulhamento ou radiofrequência fracionada. A ideia é abrir pequeníssimos furos na pele e em seguida usar os medicamentos que possam então, atingir as camadas mais profundas e agir mais especificamente para a doença em questão.

Esta terapia é bastante promissora, pois várias drogas podem ser utilizadas, assim como várias doenças podem ser tratadas. Remédios que não foram testados por via sistêmica devem ser evitados.