REPERCUSSÕES DA OBESIDADE NA PELE

A maioria dos textos médicos e leigos ressalta a associação da obesidade e de colesterol (além do LDL – Low Density Lipid – gordura de baixa densidade), que propicia aparecimento da doença cardiovascular arterosclerótica.

faca-as-pazes-com-a-balanca

Contudo, o aumento dessas substâncias interfere, também, em outros sistemas do corpo humano, em especial no seu maior órgão em extensão: A PELE e seus anexos (cabelos e unhas).

Cabe destacar que qualquer indivíduo com 20% a mais de seu peso ideal deve ser considerado obeso e isso certamente interfere na pele, tanto quando se trata de homens, quanto de mulheres. No caso das mulheres há, ainda, uma associação mais negativa, quando está ligada ao período do climatério, onde as alterações hormonais são mais evidentes.

A concentração de gordura em certas regiões do corpo como nas pernas, por exemplo, associada ao peso, provoca uma dilatação nos vasos sanguíneos e, além disso,há o risco de entupimento ocasionado pela deposição de gordura na parede das artérias, o que leva o aparecimento de varizes e, eventualmente, de tromboses.

Outro problema comum nas pessoas obesas é o aparecimento, na área do pescoço e axilas, de lesões de pele pedunculares, chamadas fibromas moles ou acrocórdons, que são semelhantes as verrugas. Para eliminar esse tipo de lesão o dermatologista utiliza-se do procedimento cirúrgico, através de aparelhos eletrônicos que emitem radiação, como é o caso do laser.

Os quilos extras causam, também, uma diminuição da globulina transportadora de esteroides sexuais (hormônios) – “SHGB” – levando a um aumento de testosterona livre, criando um terreno favorável para a pele oleosa, a acne e o hirsutismo – aumento de pelos no corpo das mulheres.

Outra ocorrência ocasionada pelo excesso de testosterona circulado pelo corpo é o escurecimento das axilas, virilhas e de outras áreas onde existem dobras.

O peso além do normal pode provocar também nas mulheres um aumento dos seios causando, como consequência, além de problemas na coluna dorsal, um estiramento excessivo da pele, levando ao aparecimento de estrias, que podem surgir também em outras partes do corpo. No caso das estrias, há vários tratamentos que devem ser indicados pelo dermatologista.

Ainda com relação aos problemas de pele ligados à obesidade pode-se citar o fato de que a região que fica entre os dedos e a área localizada sob os seios tende a descamar, com mais facilidade, tornando-se suscetível ao aparecimento de micoses (tinhas).

Problemas de cabelo relacionados ao aumento de peso 

Atualmente, tem-se conhecimento que a calvície – uma das grandes preocupações dos homens em geral -, é causada por uma miniaturização dos pelos do couro cabeludo devidoà ação da dihidrotestosterona, que é um metabólito da testosterona, cujo aumento na circulação depende, em muito, do colesterol.

Pesquisadores do Inaba Hair Institute de Tóquio, Japão, publicaram um trabalho onde consta quegrande número de japoneses calvos que surgiram, após a 2 Grande Guerra, foi devido à ocidentalização da alimentação naquele país.

A dieta da Terra do Sol Nascente do pós-guerra inclui muito mais gordura animal, o que ocasionaria um aumento dos níveis de colesterol, da produção de glândulas sebáceas e do excesso de oleosidade no couro cabeludo.

Outro problema que pode ocorrer é um encarceramento da haste do cabelo, porque o folículo piloso, por onde o cabelo cresce, fica “selado” pela oleosidade.

Contudo, estudos recentes mostram também que quando o couro cabeludo é limpo, estes cabelosalgumas vezes, reaparecem com alguns centímetros de comprimento.

Obviamente não são os cabelos terminais (adultos) que ficam presos, mas, sim os fios novos, menores em diâmetro, que não conseguem preencher a abertura do folículo.

Isso tudo pode explicar a conclusão a que chegaram os pesquisadores japoneses do Inaba Hair Institute de que a calvície hereditária pode ser agravada, ou acelerada, por uma dieta rica em gordura animal.

ACNE DA MULHER ADULTA

NOVA acne-na-mulher-adulta-3 (1)A acne é um processo inflamatório que compromete o folículo pilo sebáceo, promovendo o aparecimento de lesões como cravos (comedões), espinhas, abcessos, cistos e posteriormente cicatrizes.

A estrutura da pele, que está relacionada ao aparecimento da acne é a glândula sebácea. Essa glândula é inativa e insignificante nas crianças, mas cresce e se transforma na puberdade, estimulada pelos hormônios produzidos nessa época da vida.

A acne compromete principalmente as adolescentes e adultos jovens, que passam por essas modificações hormonais. No entanto, cresce cada vez mais a chamada “acne da mulher adulta”, que aparece numa mulher e que nunca teve acne quando adolescente e só apresenta esse quadro mais tardiamente, geralmente após os 25 anos.

Diferente da acne do adolescente, que ocorre na face toda, principalmente na testa e região malar, a acne da mulher adulta surge no queixo, linha da mandíbula e também pescoço. As lesões da acne da mulher adulta são inflamadas, doloridas e grandes, deixando manchas e marcas nessa região. Também pode haver associação com acúmulo de pelos e queda de cabelo.

Geralmente a acne da mulher adulta piora antes da menstruação e não costuma melhorar com os tratamentos convencionais. Essa acne, tem relação com alterações hormonais, sendo associada mais frequente ao ovário policístico. Pode também haver distúrbios da glândula adrenal, inclusive piorando muito em situações de estresse intenso.

O médico dermatologista é especialista no tratamento dessa alteração por dominar toda a fisiologia hormonal da pele.

A acne da mulher adulta pode ser tratada com pílulas anticoncepcionais, drogas anti-androgenicas, como a espironolactona, isotretinoína e também metformina, além de laser, entre outros.

A investigação hormonal é importantíssima, pois caso seja confirmado, ocorrerá o tratamento específico.

O controle do estresse, a dieta e também uso adequado de cosmecêuticos são fundamentais para o melhor resultado do tratamento.

No caso da dieta devem ser controlados o leite e derivados e os alimentos de alto índice glicêmico (açúcar, doces, pães e massas), pois estes provocam alterações de hormônios, que indiretamente afetam o metabolismo dos andrógenos.

A melhor combinação de medicamentos para cada situação vai depender da expertise do profissional. A isotretinoína é uma medicação interessante para a acne da mulher adulta, pois diminui o tamanho da glândula sebácea, porém deve ser respeitada a restrição à gravidez e outras contra-indicações. Também podemos usar o LED (luz) azul para ajudar no tratamento. Outra alternativa é a terapia fotodinâmica onde usamos o ácido aminolevulínico na pele por volta de 2 horas e depois a luz vermelha especifica para agredir glândulas sebáceas.  Esse ácido é de uso tópico, penetra na pele, marca as glândulas sebáceas que depois com a luz serão agredidas e parcialmente destruídas, ajudando a melhorar a acne inflamada. A luz também agride a colônia bacteriana que promove a infecção na acne.

A acne da mulher adulta é perturbadora e compromete a autoestima das mulheres que apresentam esse quadro. É preciso diagnosticar, avaliar os exames de sangue, analisar os fatores ambientais e indicar a melhor combinação de tratamento

FIOS DE SUSTENTAÇÃO

Uma das queixas mais frequentes no consultório do dermatologista é a flacidez cutânea.fio-mint As mulheres se ressentem muito do chamado “bigode chinês” e percebem que o rosto está perdendo o contorno e acumulando pele, e às vezes, gordura na linha da mandíbula.

Cada pessoa irá envelhecer de uma forma única devido a sua genética, conformação facial, hábitos (sol, fumo), entre outros. Devido a esse motivo é tão importante a avaliação crítica do especialista, pois ele é quem irá indicar os procedimentos com melhor custo-benefício de acordo com a necessidade de cada paciente.

O tratamento da flacidez deve ser preventivo, começando pelo cuidado diário da pele que inclui limpeza, hidratação e fotoproteção. Além disso, cremes que sejam além dos cosméticos, os chamados dermocosméticos ou cosmecêuticos, devem ser incorporados, como ácidos, antioxidantes e fatores do crescimento.

Uma nova ferramenta, para tratamento da flacidez é o fio de sustentação, que hoje apresenta tecnologia avançada com biocompatibilidade específica. Os fios mais modernos não são definitivos, e são constituídos de materiais que estimulam a formação de colágeno novo.

Quais as vantagens dos novos fios:

* Materiais não definitivos e que não causam efeitos colaterais tardios, além de proporcionarem uma aparência mais natural.

*Estímulo de colágeno novo, tratando a pele de forma mais profunda e duradoura

Qual é a ação desses novos fios?

O interessante dessa nova ferramenta é que os fios são responsáveis por duas ações:

1-Leva88_142_noticia_gntamento da pele através de mecanismo de tração e ancoragem. Os fios com ácido polilático e polidioxanona podem ter efeito lifting.

2-Os materiais dos fios (ácido polilático e polidioxanona) estimulam a produção de colágeno e melhoram a qualidade da pele

 

Como é a técnica de colocação do fio?

*O principal é a boa indicação, pois certos pacientes, após os 65 anos, teriam indicação cirúrgica e o resultado com o fio pode se insignificante.

*O desenho dos vetores do fio, ou seja, o modo como eles vão ser colocados e a sua ancoragem (local onde haverá o apoio), são fundamentais para a qualidade do resultado.

*A anestesia é feita no local de entrada e saída dos fios.

*A dor é pouca nesse procedimento.

*Ao término do procedimento há um certo pregueamento da pele, mas que irá desaparecer em cerca de uma semana com o seu acomodamento.

*O paciente deverá dormir de barriga para cima, movimentar pouco a boca, consumir alimentos mais líquidos e não fazer exercícios físicos pesados por 3 a 4 dias.

É importante entender que os fios não são indicados para um grau de flacidez intenso e muito menos para tratar a papada. No entanto, indivíduos com grau de flacidez moderado, poderão ter um grande benefício na correção e prevenção da mesma e os resultados permanecem por cerca de dois anos.

NOVIDADES – LATINADERM 2017

O câncer de pele não melanoma é o câncer mais comum em nosso meio.

O principal fator de estímulo para o aparecimento do câncer de pele não melanoma é o sol através da radiação ultravioleta. Já sabemos que usar filtro solar de amplo espectro, com cobertura para radiação UVA e UVB é muito importante para a prevenção. Pessoas claras, com olhos e cabelos claros e que têm familiares com câncer de pele, ou que já tiveram algum câncer de pele, são os que apresentam maior risco.

Existem lesões precursoras do câncer de pele, que são as chamadas queratoses actínicas. Elas são lesões avermelhadas, ligeiramente descamativas, arredondadas, que parecem com pequenas feridas e que não cicatrizam. Quando ocorrem várias dessas lesões, chamamos de campo de cancerização, pois existem as lesões visíveis e aquelas ainda em formação, mas que ainda não são visíveis.

queratose 1Há tratamentos específicos para o campo de cancerização, como terapia fotodinâmica e o medicamento Igenol Mebutato. No primeiro caso, usamos uma substância denominada ácido aminolevulínico no rosto, para marcar as células pré-cancerígenas, e ou, já cancerígenas. O produto é espalhado em todo o rosto, ou na área suspeita, sendo precedida por uma limpeza e curetagem (raspagem) leve. Então, o paciente permanecerá com esse medicamento na pele por cerca de 2 a 3 horas, sendo a área coberta para evitar exposição à luz. Após esse período, quando o rosto já está sensibilizado e as células doentes estão marcadas e reativas, a área é submetida a exposição de luz vermelha, que promove uma reação química, destruindo as células pré-cancerígenas, e ou, cancerígenas. Quando da aplicação da luz, há muita dor, principalmente se houver muitas lesões pré-cancerígenas. O rosto fica bastante sensível e a pele avermelhada, sendo o uso do filtro solar, nos dias subsequentes, é extremamente importante.

Outro recurso interessante para o tratamento do campo de cancerização, é o uso do produto chamado Igenol Mebutato, que promove morte e destruição das lesões pré-cancerosas. O creme é espalhado em toda a área a ser tratada, também com uma curetagem prévia. A aplicação deve ser feita preferencialmente pelo médico dermatologista, que é o especialista em reconhecer lesões pré-cancerosas. O creme deve ser bem espalhado e não há nenhuma reação, nem dor ou coceira. Esse medicamento deverá permanecer no local por várias horas e ser usado 3 dias seguidos. Depois que o creme é espalhado, não pode ser usado qualquer outro produto e nem mesmo lavar o rosto ou usar filtro solar. Já no segundo dia, o rosto fica avermelhado e sensível e quanto mais “machucado”, mais lesões suspeitas estão sendo tratadas. O mecanismo de destruição das células é através do apoptose, que é uma morte celular programada. Após os três dias do uso do medicamento, o local descama e fica avermelhado, semelhante a um peeling, recuperando totalmente em cerca de 10 dias.

É importante ressaltar que são tratamentos médicos, com indicação precisa, que podem de forma eficiente, tratar o campo de cancerização, evitando o aparecimento de câncer de pele no futuro. 

MICROAGULHAMENTO

A técnica de microagulhamento está muito em voga nos últimos tempos. Esse procedimento, consiste em utilizar um pequeno instrumento chamado “roller”, que tem muitas agulhas que picam a pele, estimulando a reação da mesma. A medida que a pele é picada, ela reage e desencadeia uma resposta em cascata, com muitos elementos inflamatórios e hormônios do crescimento. Existem, portanto, dois estímulos importantes que ocorrem simultaneamente, sendo um deles a picadura na pele e o outro a reação fisiológica de produção de citoquinas acionadas para cicatrizar a pele.

Embora pareça simples, o procedimento precisa ser feito por médicos especialistas para evitar o trauma em áreas que possam ter pré-câncer de pele e o próprio câncer de pele. Isto porque, o trauma da picada e o sangramento, podem disseminar essas células malignas. Áreas inflamadas ou infectadas, também não podem ser picadas.

O microagulhamento pode ser indicado para várias alterações de pele, como cicatriz de acne, melasma, estrias e fotoenvelhecimento cutâneo. Em cada um desses casos será indicado um “roller” diferente com um número total de agulhas e também com tamanho diferente dessas agulhas. Nas cicatrizes de acne, que são mais fibrosas, usamos agulhas de 2,5mm, enquanto para tratamento do melasma, a agulha é de 1,5mm. O microagulhamento também pode ser feito na área das olheiras, onde usamos agulhas de 0,5mm. O procedimento irá gerar um sangramento maior ou menor e justamente esse sangramento, através das plaquetas, irá carregar os fatores de crescimento naturais, que são importantes para melhorar a qualidade da pele.

IMG_5112Para cada indicação do microagulhamento será indicado o número de sessões necessárias, que pode variar de 4 a 8, com intervalos de 2 a 4 semanas. Após o procedimento, podem ser usados princípios terapêuticos específicos para melhorar ainda mais a doença que está sendo tratada. No caso do melasma, pode ser usado ácido tranexâmico, enquanto no fotoenvelhecimento podemos utilizar vários ativos como a própria vitamina C. Vale lembrar que o ideal é que o produto utilizado seja estéril para evitar contaminação. O resultado pode ser notado após 8 a 10 dias. Em geral, a pele fica sensível por 3 a 4 dias, sendo necessário o uso de filtro solar.

Outra indicação interessante é o uso do microagulhamento no couro cabeludo, para melhorar a queda de cabelo. Nesse caso, podem ser usados ativos com a finasterida e minoxidil.

O microagulhamento sempre melhora muito a qualidade e saúde da pele. Esta é uma técnica simples, com preço muito acessível e com seus riscos específicos, porém muito promissora na área da dermatologia.

EXPOSSOMA

O expossoma é a somatória de exposições que o indivíduo está sujeito desde seu nascimento até a morte. O expossoma inclui agressões externas, como a radiação ultravioleta, poluição, mudanças climáticas, fumo, calor e agressões internas, como doenças, má alimentação, genética fragilizada, estresse e sono inadequado. Esse conceito é extremamente importante de ser introjetado em cada indivíduo, pois sua compreensão ajudará sobremaneira numa longevidade saudável e com qualidade de vida.

Como já entendemos, o expossoma representa tudo aquilo que nos agride ao longo da vida, porém, cada indivíduo dará sua resposta específica aquele estímulo negativo, dependendo da sua tendência e característica genética. Sendo assim, ao longo da vida, posso fumar e ter câncer de pulmão, enquanto outro indivíduo, também fumante, pode geneticamente ser mais resistente e não apresentar este mesmo tipo de tumor. Portanto, é importante reforçar que somos inteiros e únicos e quanto melhor entendermos o expossoma em nossa existência, mais estaremos preparados para defender nossa saúde e qualidade de vida.

Por que a pele é importante em relação ao expossoma?

A pele é o maior órgão do corpo humano, sendo o órgão de choque do expossoma, pois recebe os raios ultravioleta, a fumaça do cigarro, a poluição, as mudanças de temperatura e reflete também as deficiências e inadequações dietéticas e nutricionais, assim como a falta de sono e as doenças como diabetes e eczemas.

Diferente do que imaginamos, a pele é um órgão inteligente, sendo considerada uma barreira multifatorial e multifuncional, que abrange funções como: barreira física, hídrica, antioxidante, fotoprotetora, antimicrobiana.

A função de barreira física, é responsável pela proteção mecânica, assim como proteção a entrada de moléculas diversas, enquanto que a barreira hídrica, significa a capacidade da pele em manter a hidratação adequada, evitando a perda transepidérmica da mesma.

A pele também tem vários componentes antioxidantes, que configuram a barreira antioxidante que são acionados a cada agressão externa. A barreira fotoprotetora da pele é responsável, através dos seus componentes como a melanina, por proteger o indivíduo da radiação ultravioleta.

A barreira antimicrobiana é formada por uma somatória de fatores, como pH, filme hidrolipídico, produção sebácea e descamação natural. Esses fatores em conjunto mantém a microbiota natural e saudável, evitando a entrada e o crescimento de microrganismos patogênicos.

Os cuidados básicos e diários em relação a pele são importantes e necessários para ajudar a mesma na sua função de barreira, pois quando essa está rompida ocorre inflamação, avermelhamento, coceira, descamação e desidratação intensa.

O dano a barreira, quando ocorre frequentemente, promove o adoecimento e envelhecimento da pele e os cuidados básicos e diários evitam a inflamação e o envelhecimento precoce. Limpar profundamente a pele é fundamental para retirar os resíduos dos poluentes que ficam aderidos na pele. A limpeza ajuda a evitar a obstrução dos óstios e evitar a oxidação que os poluentes provocam na pele. O agente limpador deve ser escolhido conforme o tipo de pele. Sabonetes em barra, que desengorduram muito, podem ser usados em peles oleosas, espessas e com tendência a acne. Já as peles mais sensíveis e maduras, podem usar sabonetes líquidos, neutros e hidratantes. Peles sensíveis, vermelhas, assim como pessoas alérgicas, devem escolher agentes de limpeza com pH próximo ao da pele 5,6 e com ativos anti-inflamatórios, como águas micelares ou tônicos suaves.

A hidratação diária também é essencial para o bom funcionamento da pele. A água em quantidade necessárias e suficiente é vital para o funcionamento da barreira cutânea. As peles acneicas e oleosas também precisam de hidratação, pois a água e o óleo são substâncias diferentes e com funções também diferentes. É importante lembrar que a água está dento da pele e a barreira cutânea íntegra evita a perda transepidérmica. O hidratante pode ser de três tipos: oclusivo, emoliente ou as duas funções em conjunto. O hidratante oclusivo faz uma barreira mecânica em relação a perda de água, mas pode ser comedogênico e entupir os óstios foliculares. Exemplos desses seriam a vaselina e óleos como o de amêndoas. Os hidratantes higroscópicos tem na formulação substâncias que atraem a água e mantém a mesma no local, como exemplo temos a ureia, o ácido hialurônico, entre outros. Os hidratantes mais modernos podem misturar sustâncias higroscópicas com outras oclusivas sem provocar a formação de comedões, sendo indicados também para peles oleosas e acneicas. Quando a pele está desidratada, ela pode ficar vermelha, inflamada e descamativa, favorecendo a piora da acne em peles oleosas ou o aparecimento de rosácea em peles mais sensíveis.

Hoje também existem os dermocosméticos, ou cosmecêuticos multifuncionais e podemos ter produtos hidratantes com outros ativos, como vitaminas, agentes antioxidantes, antipoluidores e antienvelhecimento. O hidratante também pode estar associado a maquiagem e ao filtro solar.

Outro cuidado básico e necessário com a pele é a fotoproteção. Já são muito conhecidos os efeitos deletérios e envelhecedores do sol. A radiação ultravioleta B agride diretamente o DNA celular, provocando danos que são cumulativos e provocam, em última instância, o câncer de pele. A outra parte da radiação UVA provoca agressões diretas nos vasos, nas células formadoras de colágeno, nas glândulas e no folículo piloso. Esta radiação agride todas essas estruturas através da oxidação, provocando uma grande formação de radicais livres, que são agressores constantes, provocando inflamação, degradação e envelhecimento. O uso diário do filtro solar ajuda a evitar essas agressões, mantendo a aparência e evitando o envelhecimento precoce.

Para combater os danos dos expossomas, além desses cuidados com a pele, também são importantes outras ações como: alimentação equilibrada, evitando o excesso de alimentos com alto índice glicêmico e gordura trans e abusando dos alimentos antioxidantes, beber muita água, manter um sono tranquilo e reparador, evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, do cigarro, do estresse constante e da poluição. Também é importante manter uma atividade física regular, usar bons produtos dermocosméticos e ter momentos de laser e descanso.

ANTIOXIDANTES

Os radicais livres são moléculas altamente instáveis e com elevada insolubilidade pelo fato de seus átomos possuírem um número ímpar de elétrons. Para atingir a estabilidade, estas moléculas captam elétrons de outras moléculas químicas e também de componentes vitais, como DNA, elementos citoesqueléticos, membranas e proteínas celulares. A peroxidação lipídica, uma das sequelas geradas pela ação dos radicais livres, causa danos às membranas celulares e leva ao ENVELHECIMENTO DA PELE.  

Os radicais livres são formados naturalmente pelo metabolismo humano, mas fatores externos como a poluição do ar, tabagismo, exposição à radiação solar, álcool, processos inflamatórios e ingestão de certas drogas podem também ser fontes de espécies reativas como os superóxidos, ânion hidroxila, peróxido de hidrogênio e unidade simples de oxigênio. O mecanismo de defesa antioxidante do organismo tem como principal função inibir ou reduzir os danos causados às células pelas espécies reativas de oxigênio.  

Existe uma grande variedade de substâncias antioxidantes. O mecanismo de ação dos antioxidantes são classificados como antioxidantes de PREVENÇÃO, que impedem a formação de radicais livres, varredores, que inibem o ataque de radicais livres às células; e antioxidantes de REPARO, que favorecem a remoção de danos da molécula de DNA e a reconstituição das membranas celulares danificadas. 

Os antioxidantes tópicos devem ser absorvidos pela pele e liberados para o tecido alvo em sua forma ativa. Entretanto, muitos produtos se oxidam e se tornam inativos antes mesmo de alcançarem o alvo. A absorção é um processo muito importante e depende de vários outros fatores, como a forma molecular do composto ativo, suas propriedades físico-químicas, se é solúvel em água ou em lipídeos, seu pH e o veículo que contém o produto. 

Princípios ativos antioxidantes

A indústria cosmética utiliza nas formulações uma rede de antioxidantes que atua sinergicamente, potencializando seus efeitos. As redes de maior destaque são as vitaminas C e E, a glutationa, o ácido lipoico e a coezima Q10. Depois que um antioxidante “neutraliza” um radical livre eliminando o número excessivo de elétrons, ele não é mais capaz de atuar novamente como antioxidante, a não ser que seja reciclado.

Essas redes de antioxidantes estão sendo incluídas em um número cada vez maior de preparações cosméticas. A solubilidade do composto ativo no veículo da formulação é um dos principais determinantes para sua estabilidade e eficácia do ativo na pele.

A vitamina E é uma família de compostos chamados de tocoferóis, incluindo o tocoferol a, b, g e d. As formas de vitamina E tipicamente utilizadas em cosméticos são o acetato de a-tocoferol. Esses compostos apresentam menos probabilidade de desencadear dermatites de contato e são mais estáveis em temperatura ambiente.O principal antioxidante solúvel em água e também em lipídeos é o ácido lipoico (AAL). Diferentemente de outros antioxidantes, o ácido lipoico é absorvido de forma estável e pode ser usado como um peeling químico superficial para remodelar a pele.

A vitamina C é um forte antioxidante por si só e também recicla a vitamina E, que volta a sua forma ativa, de modo que suas capacidades antioxidantes são amplificadas. Entretanto, quando as preparações de vitamina C são expostas aos raios ultravioletas ou ao ar, a molécula rapidamente se oxida e se torna inativa, inutilizando a preparação. As preparações tópicas de ácido ascórbico podem ser formuladas em base aquosa ou lipídica. O palmitato de ascubil tópico, uma forma lipídica, não causa irritação e é comprovadamente fotoprotetor e anti inflamatório.

É importante lembrar que o ENVELHECIMENTO CUTÂNEO é um tema amplo e complexo, e que novos estudos com relação às substâncias que podem ajudar a neutralizar os efeitos dos radicais livres na pele estão em constante andamento. O conhecimento e acompanhamento das novas tecnologias é fundamental para prevenir e manter a qualidade da pele. Fale sempre com seu dermatologista que saberá orientar com relação às substâncias e formulações mais apropriadas a cada indivíduo.

Luz LED e seus benefícios para a PELE

Nos últimos anos vem se consolidando a ideia de que lasers de baixa potência e também luzes como as LEDs podem trazer benefícios para o tratamento de algumas alterações de pele.

As lâmpadas de LED, cuja tradução remete à língua inglesa (Light Emitting Diode), são dispositivos semicondutores que emitem luz quando acionados por uma corrente elétrica. As luzes LED são diferentes do laser, pois não são monocromáticas ou coerentes. No entanto, ao longo do tempo, com a evolução tecnológica, as novas LEDs estão quase monocromáticas e portanto, consideradas comparáveis aos lasers de baixa potência.

Esse “up grade” que ocorreu com as lâmpadas de LED tornou possível utilizá-las para vários tipos de tratamentos cutâneos. O mecanismo de ação dessas lâmpadas acontece com o estímulo que atinge diretamente a mitocôndria celular. Essa estrutura é responsável pela produção de energia celular (ATP) e quando estimulada, melhora a energia e função celular.

A luz LED entra na célula e, dependendo da profundidade ou comprimento de onda, provoca efeitos benéficos para o organismo. A luz LED tem efeitos anti inflamatórios, calmantes, estimula a formação de colágeno novo, ajudando na cicatrização e reparação da pele, além de promover também a proliferação celular.

Esse mecanismo é denominado de foto bio estimulação, caracterizando um tipo de fototerapia ou tratamento pela luz. Nesse ponto ela se diferencia dos lasers de alta potência, que têm uma função mais agressiva, provocando dano ou morte celular e nesse caso, agem como foto cirurgia. Exemplificando, se usarmos um laser de alta potência para vasos, ele irá, através da sua luz, destruir esses vasos, deixando a pele mais clara. Comparando, a luz LED não é capaz de destruir o vaso mas sim estimular as células a produzirem mais energia e funcionarem melhor.

As indicações para o uso da luz LED são:

  • Acelerar e melhorar a cicatrização.
  • Controlar a inflamação e avermelhamento.
  • Atenuar e controlar a dor intensa.
  • Melhorar o aspecto de cirurgias cosméticas.
  • Rejuvenescer a pele.
  • Prevenir a formação de cicatrizes hipertróficas.
  • Tratar doenças circulatórias como Doença de Raynaud.

Recapitulando, fototerapia com as luzes tipo LED é realizada através do estímulo energético que atinge a mitocôndria de cada célula, provocando as seguintes ações:

  1. Se a célula estiver danificada ela será reparada.
  2. Se a célula tem uma função como por exemplo produzir colágeno e elastina, quando a LED atingi-la ela fará essa função com mais eficiência.
  3. Se a célula precisar proliferar, a luz LED irá estimular essa proliferação.

Hoje já existem chapéus (bonés) com luzes de LED para tratamento da calvície e outras quedas de cabelo. Existem também máscaras com luzes LED usadas no rosto para melhorar a inflamação de vários procedimentos ou melhorar a qualidade da pele. Também já encontramos placas com luz LED que podem ser usadas para melhorar a cicatrização de feridas e úlceras cutâneas.

A acne inflamatória pode ser tratada com lâmpadas LED com comprimento de onda da luz azul. As luzes LED têm sido utilizadas com frequência nos consultórios dermatológicos após procedimentos como peelings, cirurgias, lasers de alta potência e tratamentos capilares, entre outros. Além disso, alguns dispositivos com luz LED podem ser usados em casa como tratamento auxiliar. É importante que ocorra a indicação médica para escolher o melhor comprimento de onda e a frequência do tratamento.

Devemos também lembrar que as luzes LED são eficazes e seguras e funcionam como tratamentos coadjuvantes e não principal. Elas trazem benefícios principalmente se bem indicadas, tanto com relação a energia quanto na frequência do tratamento.

PROBIÓTICOS

Nos últimos anos foram publicados muitos estudos científicos sobre PROBIÓTICOS, que são micro organismos vivos que podem ser ingeridos, visando melhorar a saúde do individuo.

Assim como nossos genes foram estudados no projeto GENOMA, identificando influências do meio ambiente sobre os mesmos,  agora há estudos sobre a comunidade de micro-organismos que convivem conosco, denominada microbiota. Temos cerca de 3 milhões de micro-organismos, entre eles bactérias e fungos, que têm seus próprios genes, tornando tudo um só organismo.

Logo no início de nossa vida, temos uma colonização desses micro-organismos que depois permanecem conosco pela vida toda. A maioria dessas bactérias e fungos nos ajuda e protege, sendo que,  existe uma quantidade específica de cada um deles. Problemas ocorrem quando acontece o desequilíbrio dessas quantidades favorecendo o crescimento de organismos prejudiciais.  Sendo assim, desequilíbrios com a microbiota intestinal, podem causar cólicas, diarreias e má absorção de nutrientes. Quando tomamos um antibiótico para atacar uma bactéria que está nos prejudicando, nós automaticamente desequilibramos a microbiota, fazendo com que possa surgir algum efeito colateral.  Vemos então que o  EQUILÍBRIO da nossa microbiota, é a questão mais importante, preservando nossa saúde.

Estudos mais recentes têm delineado a microbiota da pele especificando os microrganismos e suas quantidades. Esses trabalhos científicos enfatizam que cada pessoa tem sua composição de fungos e bactérias como se fosse sua impressão digital.

Uma das primeiras doenças  de pele onde se percebeu a influência positiva do uso de probióticos é a DERMATITE ATÓPICA.  A atopia é uma doença que desregula o sistema imunológico, causando manifestações respiratórias, como asma ou bronquite e/ou inflamações de pele, como eczemas. Estudos recentes demonstraram que o uso concomitante do probiótico com tratamento específico, em indivíduos atópicos, ajudam a diminuir as crises da doença.

Como o um assunto é relativamente novo, os estudos ainda estão no início, sendo necessário estabelecer padrões que podem ser interessantes para cada situação. Com a abertura desse novo caminho, será possível estudar melhor o probiótico, sua especificidade e a sua interferência nas diferentes doenças de pele.

Existem duas outras doenças com alguns estudos em relação ao uso de probióticos, que são a ACNE INFLAMATÓRIA e a psoríase. Na primeira as bactérias tem muita importância e quando há piora das lesões, detectou-se desequilíbrio da microbiota. Na psoríase, o uso de probióticos parece ajudar, diminuindo a inflamação da pele.

Vale lembrar que os recentes estudos não invalidam os benefícios do uso de probióticos ingeridos para ajudar o intestino, mas as comunidades bacterianas na pele e no intestino são bem diferentes. Dessa forma, ainda há muito a ser estudado.

O que acaba sendo mais utilizado no momento são os prebióticos, que não são organismos vivos, mas sim, substâncias  como se fossem um alimento que equilibram a população bacteriana. Esse tipo de prebiótico, que geralmente são moléculas de açúcar não digeríveis, começa a ser utilizado em alguns cremes, para que haja mais um benefício, além da hidratação e ação antienvelhecimento.

É um tema muito interessante, novo, promissor, que depende de muitos estudos ainda, mas que caminha para uma linha mais natural, respeitando a identidade de cada organismo.

Diabete e Envelhecimento da Pele

A diabete é uma doença grave, crônica, muito frequente, que provoca hiperglicemia e resistência à insulina. Nos últimos anos ela tem aumentado muito na população idosa. Existe dois tipos de diabete: tipo 1 que ocorre já na infância e é considerada autoimune, com grande influência genética. A tipo 2, aparece com a idade, comprometendo mais idosos, sendo explicada em parte pelo desgaste dos órgãos. A diabete apresenta muitas complicações, como insuficiência renal, arteriosclerose, comprometimento ocular, entre outros.

Qual a relação da doença diabete com as rugas?

Sabemos que a pele do diabético é mais seca e que cicatriza com dificuldade. Esses fenômenos estão relacionados com um processo de glicação proteica. Essa glicação ocorre quando uma molécula de glicose (açúcar) adere a uma molécula de proteína e sem a ajuda de enzimas, forma complexos avançados de glicação, que são chamados AGEs. Essas cadeias, com uma ligação muito forte, entre o açúcar e a proteína, formam complexos permanentes, que endurecem o colágeno (proteína) provocando arteriosclerose, catarata, comprometimento neurológico e também as rugas.

A hiperglicemia, que ocorre no diabete parece favorecer a formação desses AGEs, que também são formados com o envelhecimento natural. Então concluímos que a diabete é uma doença que envelhece e quanto melhor controlada, mais irá preservar os órgãos e tecidos.

Fatores importantes no dia a dia podem favorecer a formação dos AGEs e contribuírem com o envelhecimento precoce. Entre eles estão: o sol excessivo, estresse e a dieta. Se a glicação ficar fora de controle, muitas proteínas vitais serão degradadas e destruídas. A capacidade natural de proteção contra a glicação diminui com a idade e por isso os danos são mais intensos nos idosos, principalmente após os 65 anos.

Produzimos AGEs endógenos quando ingerimos alimentos com alto índice glicêmico, ou seja, aqueles que se transformam em glicose rapidamente. Esses alimentos provocam picos de açúcar no sangue, o que resulta em inflamação e produção excessiva de AGEs, tornando esse processo um círculo vicioso. Os AGEs podem ser produzidos quando cozinhamos proteínas em altas temperaturas, ou também em baixas temperaturas por muito tempo. Grelhar a carne de um churrasco ou caramelizar cebolas, verduras, frituras, levam a formação excessiva de AGEs. Cozinhar batatas ou alimentos ricos em amidos pode gerar a formação de uma substância tóxica, como a acrilamida que por sua vez intensifica a ação dos AGEs.

Além da proteção solar, a saúde do idoso deve ter cuidados especiais com a dieta para manter a pele mais jovem e com menos rugas.

Seguem alimentos que podem ter AGEs excessivos:

Todos os alimentos cozidos em altas temperaturas.

Alimentos cozidos a baixas temperaturas por períodos longos, sem líquido.

Carnes na brasa, carnes assadas no fogo.

Aves: frangos, peru- assadas em rotisserie. Deixando a pele dourada.

Alimentos fritos.

Nozes e sementes assadas ou torradas.

Alimentos assados e embalados, de cor marrom-escura acentuada.

Lanches ou alimentos prontos (batatas chips, pretzels, etc).

Fast-foods (a maioria, tem gorduras trans).

Café (tem os grãos torrados até escurecer, o que favorece a formação de AGEs).

Todos os tipos de refrigerantes; pelo alto o teor de açúcar, presença de xarope de milho com alto teor de frutose e benzoato de sódio, um conservante comum que pode ser cancerígeno.

Dicas para alimentação mais saudável no idoso:

Dieta leve e balanceada.

Evitar excesso de carboidrato.

Evitar gorduras trans.

Evitar carne grelhada.

Ingerir 5 porções de frutas por dia.

Ingerir grande quantidade de legumes e verduras verdes.

Cozinhar alimentos com água.

Abusar dos peixes: salmão, sardinha, anchova, atum.

Sempre seguir a instrução do médico especialista em relação às medicações específicas, uso de antioxidantes e vitaminas e até cosméticos adequados. Estão sendo desenvolvidas novas drogas que no futuro terão capacidade de neutralizar os AGEs e evitar o envelhecimento precoce.