Lifting de Pele

Eu gosto de estudar, aprender, evoluir e assim oferecer ao meu paciente resultados melhores naquilo que o aflige e incomoda sua autoestima.

Com o passar do tempo envelhecemos e precisamos cada vez mais, ajudar nosso organismo e a nossa pele a se proteger, neutralizar os danos, estimular a produção de fatores naturais e assim, promover um envelhecimento saudável.

Tive a oportunidade de estar num encontro cientifico sobre preenchedores e preenchimentos, conhecendo mais sobre este procedimento tão interessante, cientifico e mágico, que de maneira natural pode melhorar, reestruturar e rejuvenescer nossa aparência.

O preenchimento é uma técnica que utiliza substâncias compatíveis e aprovadas cientificamente, que são injetadas na pele para promover estímulo do colágeno, levantamento, e reestruturação da face. O preenchimento não é o “botox” ou uso de toxina botulínica, que age na musculatura, promovendo relaxamento e melhoria das rugas de expressão, mas sim um material compatível, colocado na pele, que tem capacidade de preencher, estimular e reestruturar.

Neste encontro realizado em Cancun, ficou claro que as técnicas de preenchimento têm evoluído cada vez mais e não significam mais colocar um produto num sulco ou numa ruga, mas sim, são técnicas de reestruturação da face, com pontos de sustentação que levantam e previnem o seu deslocamento. Podemos então dividir o preenchimento em três grandes funções: reestruturar, embelezar e prevenir a evolução do envelhecimento.

Fazendo uma analogia com uma casa, a primeira função significa arrumar e alicerçar a casa antes de decorá-la com objetos de arte mais sofisticados. Neste caso, vamos utilizar o produto em pontos estratégicos, que levantam e sustentam o rosto. Estes pontos configuram o segredo do MD Codes, ou códigos médicos de rejuvenescimento. cancun 3

A segunda função traz os objetos de arte especiais para a casa, ou seja, corrige e embeleza os lábios, projeta o queixo e preenche as olheiras profundas.

A terceira função, que é a mais importante e está relacionada a ajudar a pele e suas estruturas a suportar e reagir contra as agressões externas, sustenta a pele com mais colágeno e otimiza o processo.

O preenchimento é essencialmente uma ARTE, que parte da avaliação estética minuciosa do médico, observando as proporções, tendências, movimentos, estímulos e diferenças de gênero e raça, além da individualização e capacidade de beleza de cada ser humano.

O médico dermatologista, para preencher bem, necessita ter uma bagagem ampla de conhecimento cientifico que passa pela anatomia da face, fisiologia da pele e conhecimento dos produtos a serem utilizados para cada especificidade. Ele também precisa conhecer as doenças e contraindicações de cada organismo, além da capacidade de corrigir qualquer possível complicação advinda dessa aplicação. O resultado do preenchimento não tem absolutamente nada a ver com caricaturas ou rostos artificiais e marcados, mas sim com resultados naturais, preventivos e duradouros.

Portanto, é uma nova era que se inicia e que propicia reestruturação sem corte, sustentação sem cicatrizes, tonicidade com resposta da própria pele, naturalidade e prevenção, mas acima de tudo, harmonia com as funções fisiológicas da pele. Ficar bem após um procedimento de preenchimento não é ter o lábio ou o rosto da Angelina Jolie, mas ter o seu lábio no seu rosto de maneira mais harmoniosa e natural e com a capacidade de reagir de forma mais eficaz contra as agressões que levam ao envelhecimento.

cancun 4cancun

Novidades do Congresso Internacional da Academia Americana de Dermatologia – 3 a 7 de março/2017 – Olheiras

As olheiras também são queixas muito frequentes no dia a dia do dermatologista.

É importante lembrar que existem vários tipos de olheiras, algumas são da própria etnia da pessoa. Os árabes, por exemplo, têm essa área bastante escurecida, sem outras alterações. Crianças e pessoas que tem atopia, que é uma tendência muito forte pra alergia, também têm olheiras com mais facilidade; o olho fica bastante fundo e a região bem escurecida.

Conforme passa o tempo, essa região, por ser uma área de pele mais fina, vai sofrendo modificações importantes e as olheiras vão aparecendo também pelo próprio envelhecimento. Os vasos ficam bastante dilatados nessa região em que há uma grande quantidade de vasos que podem sofrer pequenas hemorragias. Por isso o tom mais avermelhado e roxo é frequente nessa região.

Além disso vai havendo um escurecimento pela própria melanina, pela flacidez e bolsas de gordura. Então a primeira questão em relação as olheiras, é que haja um bom diagnóstico de que tipo de olheira nós estamos falando. 

Foram indicados como tratamento, alguns cremes com vitamina K, com ácido tranexâmico e com ácido tioglicólico, todos eles com uma interferência em relação a esses vasos. A cafeína também foi indicada, diminuindo o edema e tonificando a pele, no entanto, ainda não há um creme que cure completamente essa alteração, então é necessária a aplicação de alguns lasers. 

Os lasers citados foram o Dye Laser, específico para vasinhos. Outro laser, o ND YAG é um laser também pra vasos conforme o comprimento de onda. E ainda o ND YAG Q SWITCHED, com menor energia e muito rápido pode também clarear a melanina. 

Também se falou da rádiofrequência que melhora a qualidade da pele e pode melhorar a flacidez, nota-se então que o tratamento da olheira nunca é único, você precisa fazer um bom diagnóstico, conseguir avaliar os problemas específicos daquela pessoa e programar um tratamento mais completo onde se faça a associação de procedimentos.

OLHEIRAS

As olheiras representam alterações de relevo e cor que ocorrem na área abaixo dos olhos. A verdadeira ou única causa desta alteração não existe, pois trata-se de uma combinação de fatores, que acabam provocando as olheiras propriamente ditas. Vale lembrar que elas são muito perturbadoras em relação a qualidade de vida, sendo que, para escondê-las, vale tudo, desde óculos escuros, até vários tipos de maquiagem corretiva.

Existem muitos tipos de olheiras e, portanto, o diagnóstico e a especificação são cruciais para escolher o melhor tratamento. A seguir vamos enumerar essas variações para entender a escolha terapêutica.

Olheira por pigmentação vascular, geralmente ocorre em pessoas jovens com pele fina, que por transparência permite a visualização dos vasos, deixando a área bem escurecida. Esse tipo de olheira ocorre com frequência em certos povos, como árabe e mediterrâneo. Neste tipo de olheira, usamos alguns lasers que destroem os vasos. São necessárias de 3 a 6 sessões, com intervalo quinzenal e o resultado final ocorrerá somente após 3 a 4 meses. A olheira em pessoas jovens também pode ocorrer devido a conformação da face, que apresenta o olho afundado, repercutindo sombras escurecidas. Neste caso, o tratamento é feito com preenchedor para diminuir esse degrau e melhorar a aparência da olheira. O ácido hialurônico, com menos viscosidade, é usado em pequenas quantidades e a duração é de cerca de 2 anos. O procedimento é feito com anestesia local e uso de cânula, que evita o aparecimento de hematomas.

Outro tipo de olheira muito frequente é aquele que combina alteração de cor, tanto do pigmento melanina, como pigmento vascular, com flacidez. Nesse caso usamos peelings e também a radiofrequência microagulhada. O peeling pode ser médio (ácido tricloroacético)  ou profundo (fenol) e irá provocar descamação com clareamento e tonificação da pele. O peeling médio e profundo é feito 1 ou 2 vezes e a recuperação da pele demora cerca de 10 dias. A radiofrequência microagulhada, é um aparelho que emite uma onda de calor associada à puntura das microagulhas. Trata-se de uma ponteira, que quando entra em contato com a pele fura e ao mesmo tempo emite calor. Esse “furo” das agulhas é microscópico, sendo que a pele fica edemaciada e vermelha por 4 a 5 dias.

Existem pessoas com olheiras que apresentam bolsas de gordura, escurecimento e flacidez. Nesses casos, além da radiofrequência e do laser para os vasos, também podemos utilizar o ultrassom microfocado. Este aparelho emite ondas de calor que atingem a profundidade da pele, melhorando a flacidez e diminuindo o excesso de gordura.

Os cremes para o tratamento das olheiras não conseguem eliminá-las, mas sim, melhorar a qualidade da pele e também promover um grau de clareamento. São usadas vitamina K, C, E, ácido tranexâmico, ácido tioglicólico, além de hidratantes e corretivos.

A olheira é um grande desafio para o médico e o paciente.

Como lição final deste texto, lembrar da importância do diagnóstico do tipo de olheira, pois este vai definir o melhor tratamento possível para cada caso.

OLHEIRAS

A etiologia das olheiras é multifatorial. Na maior parte dos casos há um componente genético, familiar, que, associado a outros fatores, resulta no escurecimento da região ao redor dos olhos. Outra questão a considerar é que a pele que envolve a área dos olhos é muito delicada – tem apenas 0,4 milímetros de espessura, enquanto a do restante do corpo tem 2 milímetros.

Algumas populações tem mais tendência a desenvolver olheiras, como descendentes de árabes, indianos e negros, pois acumulam maior quantidade de melanina nas pálpebras – são os fatores raciais.

Na maioria dos casos, as olheiras são resultado da combinação de fatores como:

  • excesso de vasos superficiais (olheira vascular)
  • excesso de melanina – pigmento que dá cor à pele (olheira pigmentar)
  • bolsas de gordura

Vasos superficiais ou telangiectasiasOlheiras arroxeadas que surgem cedo – às vezes até na infância – normalmente estão relacionadas à predisposição genética e têm excesso de vasos na região embaixo dos olhos. Esses casos são os mais difíceis de tratar. Estresse, noites mal dormidas, cigarro, excesso de bebidas alcoólicas, café e até mesmo o período menstrual pioram o quadro, pois estimulam o fluxo sanguíneo e dilatam os vasos da região. Também ocorrem traumas permanentes de depósito de hemossiderina.

Melanina – Concentração de melanina na região das pálpebras inferiores; mais comum em pessoas depois dos 35 anos. Neste caso a mancha é acastanhada.

Bolsas – Surgem devido à retenção de líquidos ou o acúmulo de gordura nas pálpebras inferiores; formam uma sombra na pele e pioram o aspecto das olheiras.

A cura total das olheiras é praticamente impossível, sendo o primeiro passo, antes de se optar dentre as várias formas de tratamento, diagnosticar a causa do problema através de avaliação médica.

Como tratar as olheiras causadas por excesso de vasos sanguíneos

  1. Compressas de chá de camomila gelado funcionam em casos de olheiras causadas por vasodilatação. Elas promovem uma constrição dos vasos do local, aliviando o tom arroxeado. A camomila é calmante e tem ação vascular.
  2. Cremes específicos que contêm ingredientes que clareiam as olheiras (vitamina C, ácido Kójico, ácido fítico, arbutin e hidroquinona) – ativam a circulação e drenam os líquidos da região, evitando a inchaço (camomila, hamamélis, tília, arnica, bardana e vitamina K1). Sozinhos os produtos anti olheiras não fazem milagre. São mais eficientes quando usados como coadjuvantes de outros tratamentos. Os cremes devem ser aplicados fazendo massagem no sentido horário, de forma suave, em movimentos circulares, 2 x ao dia. Se houver bolsas de gordura embaixo dos olhos, aplicar pequenas porções do creme na região, dando leves batidinhas com a ponta dos dedos.
  3. Fontes de Luz (Luz Pulsada, Lasers Nd-Yag e Dye Laser) são os métodos mais modernos para eliminar olheiras. A energia do laser é atraída pelo pigmento do vaso e acaba destruindo o mesmo, que então é metabolizado. Produz bons resultados em pessoas de pele clara, que têm vasos bem aparentes. São necessárias, no mínimo, seis sessões. Durante esse período, filtro solar é indispensável, pois a pele pode manchar em contato com o sol.
  4. Preenchimento com ácido hialurônico (AH): o preenchimento do sulco nasojugal e canal lacrimal com AH pode ser uma boa opção. Ele ameniza a sombra causada pelo sulco devido a perda de colágeno na região. Deve ser realizado por médico especializado.

Como tratar o excesso de melanina

Peelings suaves, à base de ácidos retinóico ou glicólico, em concentrações adequadas, promovem a renovação da camada superficial da pele, amenizando o problema. Realizado no consultório médico, o procedimento pode ser aplicado apenas nas pálpebras ou em todo rosto, dependendo da qualidade da pele da paciente.

Laser ND-Yag e peeling feito com o laser Erbium Yag são os mais indicados para tratar esse tipo de olheira.

Como tratar as bolsas

Dependendo da causa: retenção de líquido ou acúmulo de gordura, há tratamentos específicos.

  1. A drenagem linfática, massagem que estimula a circulação sanguínea e linfática, é indicada para casos de retenção de líquidos na região embaixo dos olhos. A drenagem pode ser feita manualmente por uma esteticista especializada.
  2. A cirurgia plástica é uma solução definitiva para quem tem acúmulo de gordura embaixo da pálpebra. Com bisturi ou laser, o médico remove a bolsa de gordura e, se necessário, o excesso de pele.

Disfarçando as olheiras com corretivo – O uso de corretivo é uma boa alternativa para o dia a dia.

Corretivo amarelado – Ele neutraliza os pigmentos arroxeados das olheiras e é usado como um pré-corretivo. Deve ser aplicado sobre as manchas com leves batidinhas. Após alguns segundos, é indicado espalhar o corretivo bege. Para acertar na tonalidade do corretivo, teste-o no pulso; ele deve ter a mesma cor dessa área do corpo.

O SONO, UM FORTE ALIADO O sono permite que a pele se renove. Depois de uma noite bem dormida, a pele fica descansada. Cada organismo tem necessidades diferentes em relação ao sono. Há pessoas que se sentem bem com 5 horas, outras precisam de 10 horas. O importante é descobrir a sua necessidade de sono diário e respeitar este período. A média é de 8 horas e se você é daquelas que pensam que dormir é perda de tempo, saiba que durante o sono o organismo libera hormônios indispensáveis para uma série de processos vitais. Muitas atividades de regeneração são feitas durante o sono. Exemplos? O cansaço estimula a flacidez, acentuando o problema da bolsa de gordura. O estresse acentua a vasodilatação e a produção de melanina, piorando a olheira.