PELE NEGRA

A pele negra e a pele branca, por incrível que possa parecer, são mais semelhantes do que diferentes. No entanto, a capacidade do melanócito, que é a célula produtora de melanina, da pele negra é muito maior, produzindo grandes quantidades do pigmento, principalmente quando estimuladas por sol ou outras agressões.  O cabelo da raça negra também tem características próprias, sendo mais enrolado e mais fino, justificando cuidados especiais.

Os negros têm algumas doenças como queloide e dermatose papulosa nigra em maior proporção que os brancos. Algumas características também ocorrem, como melanoma acral que é mais grave nos negros. Porém, a grande diferença clínica consiste em responder mais intensamente a qualquer tipo de agressão seja doença, medicamento ou procedimento. A pele negra mancha mais e escurece mais quando são realizados procedimentos como peelings ou laser. 

Como já foi dito, as peles negra e branca são basicamente iguais e as doenças são as mesmas. A pele negra pode apresentar doenças como o vitiligo, o que, neste caso, fica mais evidentes devido ao contraste das cores. Outra característica é que quando a pele negra está ressecada também pode apresentar manchas hipocrômicas mal delimitadas, relacionadas a desidratação da pele.  Além disso, nos negros, toda lesão inflamatória, como a acne e o líquen plano, vão apresentar uma coloração bem mais marcante do que na pele branca. 

Não há tratamentos específicos para a pele negra e sim adaptações, usando menores concentrações de ativos nos peelings ou menor energia com os aparelhos de laser, por isso ela pode ser submetida a procedimentos variados como peelings, lasers, microagulhamento, toxina botulínica e preenchimento. Caso a pele seja muito agredida por estar mal preparada, ela pode manchar devido a hiperpigmentação pós-inflamatória.

O tratamento com laser é sempre mais difícil na pele negra, porque a maioria dos lasers age em alvos específicos, denominados cromóforos, sendo um dos mais importantes a melanina. Neste caso, os parâmetros precisam ser mais suaves para que a pele não fique queimada. Além disso, no caso dos peelings, se houver muita inflamação, tende a ocorrer maior produção de pigmento em resposta a agressão. Assim como no caso dos lasers, os peelings também devem ser ajustados para a pele negra, utilizando-se concentrações mais baixas, menos camadas, menos pressão, além de preparar a pele com tretinoína (derivado da vitamina A) e hidroquinona que é um clareador. Podemos utilizar peelings de ácido retinoico, alfahidroxiácidos e também ácido salicílico. Durante o período de descamação a pele deve ser protegida com filtro solar e a recuperação da pele negra ou miscigenada, quando realizamos um peeling, é mais difícil do que na pele branca. 

A pele negra tem a proteção extra de maior quantidade de melanina sendo menos susceptível ao chamado fotoenvelhecimento, apresentando menos rugas e manchas que a pele branca da mesma idade. Isto não quer dizer que a mesma envelheça menos, pois a pele negra também pode apresentar grau importante de flacidez.

Estrias e Gravidez

Estrias podem aparecer em até 90% das mulheres durante a gravidez.  Sua etiologia é desconhecida até o momento e há poucos trabalhos sobre o assunto. Elas se desenvolvem em uma variedade de circunstâncias, algumas envolvendo o estiramento físico da pele, como grandes aumentos de peso ou estirão de crescimento do adolescente, e outras envolvendo alterações hormonais como no uso crônico de esteróides ou síndrome de Cushing.

Na gravidez, dois fatores principais parecem estar relacionados ao seu surgimento. O primeiro seria o nível aumentado de alguns hormônios, que estimulam a produção de mucopolissacarídeos, diminuindo as forças de coesão e encharcando a pele. O segundo fator é o estiramento físico sobre a derme, causando pontos de fragilidade nas fibras de colágeno. As estrias surgem mais em mulheres que ganham muito peso e são mais jovens. Parece haver também uma predisposição genética, relação com os fatores ambientais e etnia.

As estrias são lesões lineares, que aparecem mais frequentemente em mamas, abdômen, quadris e coxas. A sua localização está relacionada com hábitos, como por exemplo os levantadores de peso que tem estrias nas axilas e raiz de braços, enquanto na gravidez são mais propensas a aparecer no abdômen e mama. Em geral, elas começam como lesões avermelhadas ou arroxeadas, e ao longo do tempo, perdem pigmentação e ficam brancas e atróficas. Ocasionalmente, são pruriginosas e ligeiramente doloridas.

Nenhuma terapia provou definitivamente sua eficácia em prevenir o desenvolvimento de estrias durante a gravidez. O tratamento consagrado inclui hidratação com emoliente especiais, além de alguns ativos como vitaminas e peptídeos. Essas formulações têm comprovação científica e são seguras para uso nesse período. Elas ajudam a prevenir as estrias principalmente por deixar a pele com maior resiliência. Para hidratação da pele há duas formas: forma ativa com substâncias que formam o fator natural de umectação (ex, lactato, ácido pirrolidônico, uréia) e forma passiva com compostos emoliente e oclusivos (ex: glicerina, vaselina, óleo mineral, silicones, lanolina, sorbitol).

Na sequência do parto e amamentação exclusiva, podem ser utilizados outros recursos terapêuticos como: tratamento a laser (585nm, pulsed dye laser), peelings com ácido retinóico e baixas concentrações de ácido tricloracético (15-20%). Luz intensa pulsada em estrias avermelhadas; lasers fracionados (1540nm) e luz com emissão de UVB (ex: excimer laser 308-nm) em estrias brancas.

Hoje novas tecnologias também são acrescentadas ao arsenal de tratamento para as estrias, como:

– A radiofrequência fracionada associada ao ultrassom, que contribui para a penetração de ativos potentes na pele;

-Microagulhamento – centenas de microagulhas dispostas em um pequeno dispositivo que, quando passado várias vezes, danifica a pele, contribuindo para a formação de novo colágeno na área afetada;

– Microinfusão de medicamentos na pele – um pequeno aparelho agulhado que, semelhante aos usados na técnica de tatuagem, introduz ativos na parte mais profunda da pele;

– Associação de lasers como Erbium Yag e Nd Yag, que através da emissão de calor, estimulam o colágeno, melhorando a flacidez e a tonicidade da pele acometida;

– Laser CO2 Fracionado, que também, através da emissão do calor, atinge a derme profunda, estimulando a formação de colágeno.

Todos os tipos de tratamento para as estrias devem ser indicados por médicos especializados, que primeiramente, observam as contraindicações e em seguida escolhem aquele ou aqueles mais apropriados para cada caso.

ESTRIAS

As estrias são cicatrizes que causam danos profundos nas mulheres por comprometer a estética e a autoestima.

Além da mudança de cor, são descritas como áreas atróficas com depressão ou elevação do tecido comprometido. No início são rosadas, depois purpúricas e finalmente, após meses ou anos, tornam-se brancas e atróficas.

Ocorrem em pes­soas obesas, na gravidez, associadas ao rápido ganho ou perda de peso, síndrome de Cushing e em terapias prolongadas ou aplicação tópica de corticosteróides. Locali­zam-se preferencialmente nas coxas, nádegas, peito, região lombar e abdômen. Incidem de 5% a 35% da população, sendo que atinge as mu­lheres cerca de 2,5 vezes mais que os homens.

As estrias representam o estiramento e a ruptu­ra das ligações cruzadas das fibras de colágeno e elastina. Estas rupturas resultam ocasionalmente em anormalidade clínica na forma de estria.

Tanto na puberdade quanto na gravidez, as estrias surgem nas áreas de maior modificação do corpo da mulher, como seios, nádegas e coxas. É interessante a grávida ter cuidados apropriados neste período e saber que existem procedimentos específicos que podem melhorar a aparência da estria.

Tratamento das estrias:

O tratamento depende do tipo, da quantidade e da localização das estrias. Além disso, a cor e a espessura da pele, assim como o perfil psicológico da paciente, devem ser analisados.

Quando a estria ainda é vermelha e inicial podem ser usados o laser ou a luz pulsada. Os peelings com ácido retinoico, ácido glicólico ou ácido tricloroacético melhoram as estrias brancas e superficiais. A dermoabrasão é um peeling mecânico, que utiliza uma lixa de diamante na região afetada. Geralmente, tanto os peelings químicos quanto o mecânico (dermoabrasão) são feitos associados a outro tipo de tratamento.

A microdermoabrasão é um procedimento em que partículas calcárias são emitidas na superfície cutânea. Elas estimulam o tecido de forma mecânica e segura. Este procedimento é feito uma vez por semana por cerca de 10 semanas e melhora a cor e a aparência das estrias.

A subcisão é um procedimento que tem como objetivo estimular o processo de produção de fibras da pele. Consiste em anestesiar o local com xilocaína 2% e em seguida introduzir uma agulha especial na pele e na região derme/hipoderme, fazer movimentos de vai e vem que estimulem o local e acentuem o mecanismo de regeneração do tecido, pra haver maior produção de fibras. O resultado final será visto dois a três meses depois. A subcisão não deve ser repetida em períodos menores do que dois meses no mesmo local, porque ainda não seria possível avaliar os resultados. A formação de hematoma é importante, pois tem relação com a agressão que foi feita a pele. Devem ser tomados cuidados locais com as roupas, traumas e higiene para que não haja infecção local.

Hoje também está em voga, o tratamento das estrias com microagulhamento, radiofrequência microagulhada e micro infusão de medicamentos na pele (MMP).

No caso do microagulhamento, se utiliza um “roller” – aparelho com agulhas entre 0,5 e 2,5mm que vão perfurar a pele. Este mecanismo estimula o colágeno, além de promover a ação dos fatores de crescimento pelo sangue. A radiofrequência utiliza energia e microagulhas para estimular o local. A MMP usa um sistema de agulhas similar ao que leva um aparelho de tatuagens. A MMP além de estimular o local com as agulhas, também requisita fatores de crescimento via orvalho sangrante e soma a ação do medicamento contra as estrias.

Os tratamentos como subcisão, microdermoabrasão, microagulhamento, radiofrequência e peelings não devem ser realizados no período de gestação.

É importante ter em mente que a melhor forma ainda é prevenir as estrias com alguns cuidados básicos, como hidratar, massagear a pele e cuidar do peso.

Novas abordagens no tratamento de gordura localizada e celulite; terapia transepidérmica

TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA

Foi aprovada pelo FDA uma molécula para o tratamento da gordura localizada. Trata-se da ATX 1, cujo princípio ativo é o Deoxicolato, potente agressor às moléculas de gordura.

Ela é aplicada como uma injeção que atinge especificamente o adipócito em áreas de gordura localizada, como culotes, papadas etc. A aplicação é levemente dolorida e deve ser feita por médico. O mecanismo de ação é uma agressão à parede das células, levando a uma inflamação que promove o rompimento celular e posterior metabolismo da gordura.

TRATAMENTO DA CELULITE

Outra abordagem para o tratamento de gordura localizada e celulite é a laser lipólise, em que é usada uma cânula agregada ao aparelho de laser. Essa cânula tem o cumprimento de onda para atingir a gordura e estimular o colágeno.

Este aparelho, segundo novos estudos, tem função principalmente de quebrar a fibrose do tecido celulítico. Trabalhos recentes mostram a vantagem dessa tecnologia, que tem grande eficácia em melhorar a celulite, além de diminuir a gordura e a flacidez.

TERAPIA TRANSEPIDÉRMICA FEITA DE VÁRIAS MANEIRAS: COM LASER, COM RADIOFREQUÊNCIA, COM MICROAGULHAMENTO ETC.

Uma nova maneira de realizar tratamentos na área de dermatologia é utilizar aparelhos ou procedimentos que facilitem a entrada do produto tópico através da pele.

Pode ser feito com laser ablativo como o CO2 que abre pequenos canais na pele e também com o microagulhamento ou radiofrequência fracionada. A ideia é abrir pequeníssimos furos na pele e em seguida usar os medicamentos que possam então, atingir as camadas mais profundas e agir mais especificamente para a doença em questão.

Esta terapia é bastante promissora, pois várias drogas podem ser utilizadas, assim como várias doenças podem ser tratadas. Remédios que não foram testados por via sistêmica devem ser evitados.