RESSECAMENTO E TONICIDADE VAGINAL

Um assunto que vale a pena ser citado é o REJUVENESCIMENTO VAGINAL, muito comentado nos últimos congressos internacionais: IMCAS (realizado em janeiro deste ano em Paris) e no meeting da Academia Americana de Dermatologia (AAD realizado no início de março em Orlando).

A questão é simples: estamos envelhecendo, ou seja, a expectativa de vida aumentou e vamos viver mais. O Brasil está envelhecendo e estudos apontam que em 2030 o total de idosos será similar ao de jovens no país.

Portanto, já convivemos com uma população mais velha e consequentemente, as mulheres viverão mais tempo após a menopausa. São mulheres ativas, que trabalham, namoram, têm família. Temos que considerar todos os aspectos relacionados a saúde, auto estima, aparência, qualidade de vida e prazer sexual. Não estamos habituados a pensar nessa última questão, pois ainda há preconceito e vergonha e até mesmo com o ginecologista, a mulher não comenta assuntos relacionados ao sexo. Mas esse tema tem vindo à tona à medida que a população envelhece mais.

Percebe-se atualmente que a mulher, principalmente após a menopausa, têm inúmeros problemas; não somente a sensação de calor, mais também uma tendência maior à osteoporose, risco de problemas cardiovasculares e o ressecamento vaginal, que atinge praticamente 100% das mulheres. Mesmo que a mulher não sinta calor ou todos os sintomas associados à menopausa, o ressecamento vaginal, dores na relação sexual e incontinência urinária causam grande constrangimento e afastamento do parceiro.

Pensando nisso, é importante saber que existem tratamentos e alternativas, como a reposição hormonal; porém, nem todas as mulheres podem usá-la. Há também, a utilização de lasers para tratamento da síndrome urogenital, que contribuem muito para a saúde íntima da mulher.

Um dos lasers para o tratamento genital é o que une as duas tecnologias: Erbium Yag + Nd-Yag. A ponteira Erbium Yag é aplicada na mucosa dentro da vagina em um procedimento simples e praticamente indolor, realizado no consultório médico. São necessárias de 2 a 3 sessões com intervalos de 30 a 40 dias, e não há contra indicações ou restrições, a não ser evitar o contato sexual por cerca de 3 dias após a realização do procedimento. Outro benefício do laser é que as atividades do dia a dia não precisam ser interrompidas.

Como funciona o laser vaginal? Ele emite um calor que atrai a água, que é a especificidade da tecnologia Erbium Yag com comprimento de onda de 2940.  O calor emitido na região vaginal melhora o ressecamento e diminui os sintomas da incontinência urinária.

É uma alternativa muito interessante e mulheres com câncer de mama, que não podem fazer a reposição hormonal, podem facilmente melhorar com esse recurso do laser.

Na verdade, estamos em uma nova era em que a mulher deve pensar não somente em tratar os problemas relacionados a fase pós menopausa, mas em prevenir e evitar sintomas que pioram sua qualidade de vida.

Homenagem às Mulheres – Outubro Rosa

A expectativa de vida aumentou muito e assim sendo, a mulher viverá quase 30 anos após a menopausa, tendo sintomas e sinais que comprometem muito sua qualidade de vida. Por volta dos 51 anos ela chega na menopausa, que é a última menstruação quando diminuem os níveis de hormônios femininos no sangue. Essa questão leva ao afinamento da parede vaginal com secura e dor na relação, aumento do Ph vaginal e perda de elasticidade vaginal, diminuição da lubrificação e o enfraquecimento da musculatura. Essas alterações levam à irritação vaginal, corrimentos frequentes, incontinência urinária e perda de sensibilidade.  Esse quadro gera uma piora da qualidade de vida e do relacionamento sexual, com alterações importantes no casamento, que se somam à síndrome do ninho vazio e outros sintomas como calores, distúrbios do sono e aumento de peso.

Nesse momento é de suma importância discutir sobre a reposição hormonal, porém nem sempre é possível em vista de risco aumentado na família com câncer de mama. O tratamento intra vaginal, com laser é uma opção para melhoria dos sintomas da atrofia urogenital. O tratamento é indolor e são feitas sessões onde a ponteira do laser Erbium ou CO2 é introduzida na região da vagina, provocando calor local e estimulando o colágeno. Ocorre então a vasodilatação, aumento do metabolismo celular, com estímulo de formação de mais colágeno, remodelação dos tecidos e mais retenção de água. O canal vaginal fica mais tonificado, hidratado e a dor na relação tende a diminuir. O tratamento também melhora a incontinência urinária leve. No contexto, a auto estima retorna e o relacionamento do casal pode ser novamente prazeroso.

A sessão é feita no consultório médico com os aparelhos específicos. Não há quase dor, só um ligeiro ardor local. São feitas de 2-3 sessões mensais e a recuperação ocorre em 2-3 dias.

Mulheres que tiveram câncer de mama e não podem fazer reposição hormonal também podem ser beneficiadas. Em comparação a outros tratamentos, temos algumas vantagens nesse tratamento como: pouca dor durante o tratamento, sem necessidade de anestesia no colo e vagina, não teratogênico ou oncogênico, rápido retorno à vida sexual, rápida cicatrização sem fibrose, menor possibilidade de recidivas, re-tratamentos ilimitados, poder ser utilizado em gestantes, pode ser feito no consultório. Já há muitos trabalhos científicos confirmando os resultados. 

A TECNOLOGIA A LASER E A SAÚDE ÍNTIMA FEMININA

A expectativa de vida vem crescendo a passos largos, o que significa que vivemos mais. Mas como será a qualidade de vida na idade mais madura? Cabe a cada um refletir sobre esta questão e se cuidar da maneira mais abrangente possível.

Avaliando o envelhecimento do indivíduo, sabemos que a mulher apresenta grandes mudanças por ocasião da menopausa. Esse período é caracterizado principalmente pela queda dos níveis de estrogênio. Esse hormônio é bastante importante para a pele e sua diminuição facilita o ressecamento da cútis e mucosa, além da diminuição da produção do colágeno.

Nesse período, também chamado de climatério, a mulher tem vários sintomas, como: calores, insônia, oscilação de humor, ressecamento vaginal e dor na relação sexual. A reposição hormonal, ajuda no controle desses sintomas, porém nem todas as mulheres podem realizá-la devido a contra indicações específicas. Nesse sentido, temos agora uma grande ajuda no tratamento dessas alterações.

Trata-se de um laser que pode ser usado na região intravaginal, provocando estímulo de colágeno e hidratação. Este laser é aplicado com uma ponteira especial dentro da região da vagina, quando é acionado para liberar calor. A ponteira gira ao redor de toda a parede vaginal e libera calor em toda a circunferência. Esse estímulo, liberado pelo laser, é suave e controlado, não provocando dor e muito menos queimadura. O calor promove estímulo a produção de colágeno e melhora a qualidade da mucosa local. A incontinência urinária leve também pode melhorar com a aplicação desse laser. A região externa pode ser tratada, pois a luz do laser promove clareamento e diminuição da atrofia da pele. As dores durante a relação melhoram muito, contribuindo para um relacionamento mais prazeroso. São necessárias de 2 a 3 sessões, com intervalo mensal para conseguir um resultado interessante. Com esse tratamento, a mulher melhora a qualidade da pele que fica mais hidratada e tonificada.

Esta escolha terapêutica é ideal para as mulheres que não podem fazer reposição hormonal por qualquer motivo, como ocorre no caso do câncer mamário.

Novas tecnologias que possam contribuir para melhoria da qualidade são sempre bem vindas.