EXPOSSOMA

O expossoma é a somatória de exposições que o indivíduo está sujeito desde seu nascimento até a morte. O expossoma inclui agressões externas, como a radiação ultravioleta, poluição, mudanças climáticas, fumo, calor e agressões internas, como doenças, má alimentação, genética fragilizada, estresse e sono inadequado. Esse conceito é extremamente importante de ser introjetado em cada indivíduo, pois sua compreensão ajudará sobremaneira numa longevidade saudável e com qualidade de vida.

Como já entendemos, o expossoma representa tudo aquilo que nos agride ao longo da vida, porém, cada indivíduo dará sua resposta específica aquele estímulo negativo, dependendo da sua tendência e característica genética. Sendo assim, ao longo da vida, posso fumar e ter câncer de pulmão, enquanto outro indivíduo, também fumante, pode geneticamente ser mais resistente e não apresentar este mesmo tipo de tumor. Portanto, é importante reforçar que somos inteiros e únicos e quanto melhor entendermos o expossoma em nossa existência, mais estaremos preparados para defender nossa saúde e qualidade de vida.

Por que a pele é importante em relação ao expossoma?

A pele é o maior órgão do corpo humano, sendo o órgão de choque do expossoma, pois recebe os raios ultravioleta, a fumaça do cigarro, a poluição, as mudanças de temperatura e reflete também as deficiências e inadequações dietéticas e nutricionais, assim como a falta de sono e as doenças como diabetes e eczemas.

Diferente do que imaginamos, a pele é um órgão inteligente, sendo considerada uma barreira multifatorial e multifuncional, que abrange funções como: barreira física, hídrica, antioxidante, fotoprotetora, antimicrobiana.

A função de barreira física, é responsável pela proteção mecânica, assim como proteção a entrada de moléculas diversas, enquanto que a barreira hídrica, significa a capacidade da pele em manter a hidratação adequada, evitando a perda transepidérmica da mesma.

A pele também tem vários componentes antioxidantes, que configuram a barreira antioxidante que são acionados a cada agressão externa. A barreira fotoprotetora da pele é responsável, através dos seus componentes como a melanina, por proteger o indivíduo da radiação ultravioleta.

A barreira antimicrobiana é formada por uma somatória de fatores, como pH, filme hidrolipídico, produção sebácea e descamação natural. Esses fatores em conjunto mantém a microbiota natural e saudável, evitando a entrada e o crescimento de microrganismos patogênicos.

Os cuidados básicos e diários em relação a pele são importantes e necessários para ajudar a mesma na sua função de barreira, pois quando essa está rompida ocorre inflamação, avermelhamento, coceira, descamação e desidratação intensa.

O dano a barreira, quando ocorre frequentemente, promove o adoecimento e envelhecimento da pele e os cuidados básicos e diários evitam a inflamação e o envelhecimento precoce. Limpar profundamente a pele é fundamental para retirar os resíduos dos poluentes que ficam aderidos na pele. A limpeza ajuda a evitar a obstrução dos óstios e evitar a oxidação que os poluentes provocam na pele. O agente limpador deve ser escolhido conforme o tipo de pele. Sabonetes em barra, que desengorduram muito, podem ser usados em peles oleosas, espessas e com tendência a acne. Já as peles mais sensíveis e maduras, podem usar sabonetes líquidos, neutros e hidratantes. Peles sensíveis, vermelhas, assim como pessoas alérgicas, devem escolher agentes de limpeza com pH próximo ao da pele 5,6 e com ativos anti-inflamatórios, como águas micelares ou tônicos suaves.

A hidratação diária também é essencial para o bom funcionamento da pele. A água em quantidade necessárias e suficiente é vital para o funcionamento da barreira cutânea. As peles acneicas e oleosas também precisam de hidratação, pois a água e o óleo são substâncias diferentes e com funções também diferentes. É importante lembrar que a água está dento da pele e a barreira cutânea íntegra evita a perda transepidérmica. O hidratante pode ser de três tipos: oclusivo, emoliente ou as duas funções em conjunto. O hidratante oclusivo faz uma barreira mecânica em relação a perda de água, mas pode ser comedogênico e entupir os óstios foliculares. Exemplos desses seriam a vaselina e óleos como o de amêndoas. Os hidratantes higroscópicos tem na formulação substâncias que atraem a água e mantém a mesma no local, como exemplo temos a ureia, o ácido hialurônico, entre outros. Os hidratantes mais modernos podem misturar sustâncias higroscópicas com outras oclusivas sem provocar a formação de comedões, sendo indicados também para peles oleosas e acneicas. Quando a pele está desidratada, ela pode ficar vermelha, inflamada e descamativa, favorecendo a piora da acne em peles oleosas ou o aparecimento de rosácea em peles mais sensíveis.

Hoje também existem os dermocosméticos, ou cosmecêuticos multifuncionais e podemos ter produtos hidratantes com outros ativos, como vitaminas, agentes antioxidantes, antipoluidores e antienvelhecimento. O hidratante também pode estar associado a maquiagem e ao filtro solar.

Outro cuidado básico e necessário com a pele é a fotoproteção. Já são muito conhecidos os efeitos deletérios e envelhecedores do sol. A radiação ultravioleta B agride diretamente o DNA celular, provocando danos que são cumulativos e provocam, em última instância, o câncer de pele. A outra parte da radiação UVA provoca agressões diretas nos vasos, nas células formadoras de colágeno, nas glândulas e no folículo piloso. Esta radiação agride todas essas estruturas através da oxidação, provocando uma grande formação de radicais livres, que são agressores constantes, provocando inflamação, degradação e envelhecimento. O uso diário do filtro solar ajuda a evitar essas agressões, mantendo a aparência e evitando o envelhecimento precoce.

Para combater os danos dos expossomas, além desses cuidados com a pele, também são importantes outras ações como: alimentação equilibrada, evitando o excesso de alimentos com alto índice glicêmico e gordura trans e abusando dos alimentos antioxidantes, beber muita água, manter um sono tranquilo e reparador, evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, do cigarro, do estresse constante e da poluição. Também é importante manter uma atividade física regular, usar bons produtos dermocosméticos e ter momentos de laser e descanso.

ANTIOXIDANTES

Os radicais livres são moléculas altamente instáveis e com elevada insolubilidade pelo fato de seus átomos possuírem um número ímpar de elétrons. Para atingir a estabilidade, estas moléculas captam elétrons de outras moléculas químicas e também de componentes vitais, como DNA, elementos citoesqueléticos, membranas e proteínas celulares. A peroxidação lipídica, uma das sequelas geradas pela ação dos radicais livres, causa danos às membranas celulares e leva ao ENVELHECIMENTO DA PELE.  

Os radicais livres são formados naturalmente pelo metabolismo humano, mas fatores externos como a poluição do ar, tabagismo, exposição à radiação solar, álcool, processos inflamatórios e ingestão de certas drogas podem também ser fontes de espécies reativas como os superóxidos, ânion hidroxila, peróxido de hidrogênio e unidade simples de oxigênio. O mecanismo de defesa antioxidante do organismo tem como principal função inibir ou reduzir os danos causados às células pelas espécies reativas de oxigênio.  

Existe uma grande variedade de substâncias antioxidantes. O mecanismo de ação dos antioxidantes são classificados como antioxidantes de PREVENÇÃO, que impedem a formação de radicais livres, varredores, que inibem o ataque de radicais livres às células; e antioxidantes de REPARO, que favorecem a remoção de danos da molécula de DNA e a reconstituição das membranas celulares danificadas. 

Os antioxidantes tópicos devem ser absorvidos pela pele e liberados para o tecido alvo em sua forma ativa. Entretanto, muitos produtos se oxidam e se tornam inativos antes mesmo de alcançarem o alvo. A absorção é um processo muito importante e depende de vários outros fatores, como a forma molecular do composto ativo, suas propriedades físico-químicas, se é solúvel em água ou em lipídeos, seu pH e o veículo que contém o produto. 

Princípios ativos antioxidantes

A indústria cosmética utiliza nas formulações uma rede de antioxidantes que atua sinergicamente, potencializando seus efeitos. As redes de maior destaque são as vitaminas C e E, a glutationa, o ácido lipoico e a coezima Q10. Depois que um antioxidante “neutraliza” um radical livre eliminando o número excessivo de elétrons, ele não é mais capaz de atuar novamente como antioxidante, a não ser que seja reciclado.

Essas redes de antioxidantes estão sendo incluídas em um número cada vez maior de preparações cosméticas. A solubilidade do composto ativo no veículo da formulação é um dos principais determinantes para sua estabilidade e eficácia do ativo na pele.

A vitamina E é uma família de compostos chamados de tocoferóis, incluindo o tocoferol a, b, g e d. As formas de vitamina E tipicamente utilizadas em cosméticos são o acetato de a-tocoferol. Esses compostos apresentam menos probabilidade de desencadear dermatites de contato e são mais estáveis em temperatura ambiente.O principal antioxidante solúvel em água e também em lipídeos é o ácido lipoico (AAL). Diferentemente de outros antioxidantes, o ácido lipoico é absorvido de forma estável e pode ser usado como um peeling químico superficial para remodelar a pele.

A vitamina C é um forte antioxidante por si só e também recicla a vitamina E, que volta a sua forma ativa, de modo que suas capacidades antioxidantes são amplificadas. Entretanto, quando as preparações de vitamina C são expostas aos raios ultravioletas ou ao ar, a molécula rapidamente se oxida e se torna inativa, inutilizando a preparação. As preparações tópicas de ácido ascórbico podem ser formuladas em base aquosa ou lipídica. O palmitato de ascubil tópico, uma forma lipídica, não causa irritação e é comprovadamente fotoprotetor e anti inflamatório.

É importante lembrar que o ENVELHECIMENTO CUTÂNEO é um tema amplo e complexo, e que novos estudos com relação às substâncias que podem ajudar a neutralizar os efeitos dos radicais livres na pele estão em constante andamento. O conhecimento e acompanhamento das novas tecnologias é fundamental para prevenir e manter a qualidade da pele. Fale sempre com seu dermatologista que saberá orientar com relação às substâncias e formulações mais apropriadas a cada indivíduo.

SÉRIE: NUTRACÊUTICOS NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

Esta semana vou falar sobre a PELE E O ENVELHECIMENTO. Fatores intrínsecos e extrínsecos e sua influência no processo de envelhecimento.

O processo de envelhecimento do organismo está relacionado com a perda da capacidade funcional e de reserva, mudança da resposta celular aos estímulos; perda da capacidade de reparação e predisposição do organismo à doença.

A oxidação ocorre constantemente no organismo humano causando dano, principalmente ao DNA celular. Ela aumenta com a idade e nas células senescentes. Quanto mais oxidação, menor o grau de reparação, maior número de mutações, maior exteriorização celular e maior formação de tumores.

Nos humanos, o processo de envelhecimento é afetado por fatores intrínsecos e extrínsecos. Estes processos distintos modificam a estrutura e a função da pele de forma independente. O envelhecimento intrínsico, ou interno, é um processo natural que ocorre pela degeneração irreversível e progressiva do tecido ao passar do tempo. O encurtamento dos telômeros, os danos metabólicos oxidativos e as espécies reativas de oxigênio (radicais livres) têm um papel significativo no processo de envelhecimento intrínseco, afetando os indivíduos em diferentes escalas, dependendo da sua constituição genética.

O envelhecimento extrínseco é desencadeado por fatores externos, como as radiações ultravioleta (UV) e infravermelha, poluentes ambientais, produtos químicos agressivos e doenças. O envelhecimento extrínseco decorre principalmente da exposição à radiação UV (80%).

A maior compreensão dos efeitos da radiação ultravioleta sobre a pele permitiu grandes avanços científicos nos últimos anos. Atualmente o conceito mais abrangente é o de que a luz solar, em todo seu espectro, desencadeia um processo inflamatório cumulativo na pele, com implicações agudas e crônicas na sua microestrutura. Estas alterações são resultado de vários mecanismos, dentre os quais se destacam:

  1. Dano direto ao DNA nuclear por absorção de fótons da radiação ultravioleta.
  2. Geração de espécies altamente reativas de oxigênio – radicais livres.
  3. Geração de prostaglandinas, histaminas e citrocinas inflamatórias.

Em conjunto, estes elementos são alguns dos responsáveis pelo envelhecimento extrínseco, caracterizado pelo aparecimento de manchas, rugas e progressiva perda da elasticidade da pele.

Envelhecimento, Mitocôndria e Coenzima Q10 – Qual a relação?

Discutir sobre o envelhecimento é ponderar sobre nosso limite frente ao tempo. Este ser cruel e destemperado caminha ininterruptamente à mercê de nossos desejos e em oposição as nossas tentativas de contê-lo, deixando suas marcas visíveis, estampadas em nossa face. Este ser belo e certeiro tece a nossa história, acumula nossas lembranças, constrói nossa sabedoria. A humanidade, em tempos e espaços distintos, lidou com os limites do tempo de maneiras múltiplas, concebidas com reflexo de sua época. E assim segue sendo…

MECANISMO DO ENVELHECIMENTO

O envelhecimento caracteriza-se pelo desgaste de vários setores do organismo humano, gerando funcionamentos inadequados que culminam em alterações incompatíveis com a vida. São muitas as teorias que tentem explicar o mecanismo do envelhecimento, mas nenhuma delas compreende, satisfatoriamente, a gênese completa deste processo.

Uma das teorias mais estudadas é a dos radicais livres, que pode explicar o desgaste de vários órgãos do corpo humano. Radicais livres são moléculas que, em sua órbita externa, apresentam elétrons solitários ou despareados, sendo portanto, instáveis ou reativos. Para atingir a estabilidade, estas moléculas captam elétrons de outras moléculas químicas e também de componentes vitais, tais como DNA, elementos cito esqueléticos, membranas e proteínas celulares.

Além do envelhecimento cutâneo, as espécies reativas de oxigênio estão implicadas nos processos de carcinogênese e inflamação. Os radicais livres são formados naturalmente pelo metabolismo humano, mas fatores como a poluição do ar, tabagismo, exposição à radiação, exercícios físicos, álcool, processos inflamatórios e ingestão de certas drogas ou materiais pesados podem também ser fontes de espécies reativas como os superóxidos, ânion hidroxila, peróxido de hidrogênio e unidades simples de oxigênio.

AGENTES ANTI ENVELHECIMENTO

O mecanismo de defesa antioxidante do organismo tem como principal função, inibir ou reduzir os danos causados às células pelas espécies reativas de oxigênio e favorecem a remoção de danos da molécula de DNA e a reconstituição das membranas celulares danificadas. Várias substâncias como as vitaminas C, E, A, selênio e zinco, têm papel importante na proteção contra agentes envelhecedores. Os antioxidantes solúveis em gordura são encontrados na porção lipofílica da membrana celular e incluem, por exemplo, a vitamina E e a CoQ10.

O coração da produção de energia celular está concentrado na mitocôndria, organela responsável pela “respiração celular”, produzindo energia para manter vivos e ativos todos os tipos celulares. No entanto, no próprio processo de oxigenação (respiração) também existe a formação constante de radicais livres, que são responsáveis pelo desgaste, destruição e envelhecimento celular. A mitocôndria, quando agredida por estes radicais livres, pode ter sua função alterada, prejudicando o processo de produção de energia celular.

MÚLTIPLAS FUNÇÕES DA CoQ10

Os danos à mitocôndria, quando acumulados pela idade, levam a um prejuízo da sua função, propiciando desgastes ao organismo. Por esse motivo também ocorre a deficiência de várias enzimas e o aumento de radicais livres, o que acelera os fatores de envelhecimento. A Teoria do Envelhecimento Mitocondrial, relacionado ao aumento dos radicais livres, está diretamente relacionada ao envelhecimento.

A coenzima Q10 é fundamental como substância ativa no processo de respiração e produção da energia celular. Ela age especificamente na mitocôndria, que é a estrutura produtora de energia na célula. Esta também é um poderoso antioxidante que protege a mitocôndria e outras estruturas de desgastes e danos pela oxidação. Trabalhos mais recentes têm demonstrado que a CoQ10 também interfere na expressão de alguns genes

É natural que, devido a essas funções ligadas à ação antioxidante ativadora de energia celular e influência na expressão de genes, a CoQ10 passa a ter um papel fundamental no tratamento do envelhecimento. Hoje seu papel terapêutico é muito estudado na área da cardiologia, porém vem aumentando o número de estudos correlacionando a mesma ao envelhecimento.

Segundo o artigo Aging, Mitochondria and a Coenzyme Q10: The relationship da autora Emile Bliznakov, os níveis endógenos de coenzima Q10 começam a diminuir a partir dos 20 anos de idade, independentemente de processos envolvendo doenças. Sua suplementação parece melhorar a produção de energia dentro da célula e preservar as estruturas da oxidação. Neste sentido, não devemos esquecer e negligenciar esse poderoso ativo que, associado a outros antioxidantes, pode preservar o organismo do desgaste e prevenir em relação ao envelhecimento cutâneo e geral.