PLASMA RICO EM PLAQUETAS: UMA OPÇÃO DE TRATAMENTO PARA ENVELHECIMENTO, CICATRIZAÇÃO E QUEDA DE CABELO

Nos últimos anos houve muita evolução no conhecimento da imunologia, genética e biologia molecular. O maior conhecimento dos mecanismos de comunicação celular, como a liberação de fatores de crescimento e hormônios, além do conhecimento dos passos da cicatrização, comprovam que há caminhos naturais do organismo para reverter o fotoenvelhecimento. Sendo assim, os processos de reparação do nosso corpo também podem ser aqueles que evitam e neutralizam o envelhecimento.

celula-tronco II

Nessa linha de raciocínio tratamentos como o Plasma Rico em Plaquetas, o microagulhamento, o drug delivery e células tronco mesenquimais, caminham nesta direção. O plasma rico em plaquetas, é um tratamento que consiste em retirar o sangue do próprio paciente, separar a fase de plaquetas, que é extremamente rico em fatores de crescimento e pode ser aplicado na pele para o tratamento do envelhecimento, para cicatrização e também para queda de cabelo, chamada de alopecia androgenética. Vários estudos mostraram bons resultados do plasma rico em plaquetas para o tratamento da calvície.

Na Universidade de Mogi das Cruzes, foi realizado um estudo piloto com plasma rico em plaquetas (PRP) para o tratamento da calvície. Foram selecionados pacientes com calvície e definidos critérios de inclusão. Esses critérios incluíam o diagnóstico correto, ausência de doenças sistêmicas, remédios quimioterápicos ou hormonais. Antes do procedimento, os pacientes fizeram exame para estabelecer a quantidade de plaquetas no sangue, que precisaria ser de pelo menos 150.000 plaquetas. No dia do procedimento foi colhido o sangue do paciente e o mesmo centrifugado, separando a parte vermelha da amarela. Há processos específicos, colocando fatores potencializadores no sangue. A fase amarela, mais rica em plaquetas foi aspirada e aplicada em uma parte da área de calvície, que foi dividida em duas partes, a outra parte recebeu soro fisiológico. As áreas de calvície receberam injeções intradérmicas 1 vez ao mês, durante 3 meses. Como resultado, tivemos melhora da calvície mais importante do lado que foi aplicado o PRP, comparado com o lado que recebeu soro fisiológico. A explicação para isso, relaciona-se a quantidade de fatores de crescimento na fração plaquetária, que estimulam as células tronco foliculares, facilitando o engrossamento dos folículos e diminuição da queda. O procedimento é doloroso somente no momento da aplicação e não houve efeitos colaterais significativos após a aplicação. Os resultados foram avaliados após 3 meses do tratamento. O tratamento com PRP é promissor no tratamento da calvície, no entanto há necessidade de estudos sistematizados para estabelecer os parâmetros de quantidade do produto, a frequência, o número de aplicações e duração dos efeitos do tratamento. Esse tratamento também tem sido feito para acelerar a cicatrização de feridas e melhorar o fotoenvelhecimento cutâneo. O custo benefício pode ser bem interessante e natural.

 

DEPILAÇÃO

A retirada de pelos de algumas regiões do corpo é um fator cultural de
algumas populações. No Brasil, as mulheres têm o costume de realizar a depilação, sendo considerada estranha e inestética a permanência de pelos em locais como axilas, pernas e virilha.

A depilação pode ser iniciada quando os pelos começarem a incomodar, ou seja,quando engrossarem e tornarem-se mais abundantes. Isso geralmente acontece na puberdade, devido às alterações hormonais próprias da mesma. Nas meninas ocorre por volta dos 10 aos 13 anos. É importante saber que quanto mais precoce o contato com substâncias químicas, maiores as possibilidades do desenvolvimento de alergias e sensibilizações na idade adulta. A pele das crianças é mais fina e sensível, o uso de ceras, cremes depilatórios e afins, deve ser evitado ao máximo.

A lâmina é a melhor maneira para começar fazer depilação, pois a cera é um método mais agressivo e doloroso, o que pode assustar e traumatizar mulheres mais jovens. É um método totalmente indolor, mas por outro lado, os resultados duram pouco, já que o pelo é “cortado” superficialmente, crescendo e voltando a aparecer em poucos dias. O ideal é usar aparelhMétodos-de-depilaçãoos especiais para depilação feminina, pois são mais flexíveis e possuem lâminas especiais, diminuindo o risco de ferimentos. O segredo para uma boa depilação é que a lâmina deslize, e, para isso é preciso que a pele esteja úmida. Orienta-se aplicar um gel, creme ou mesmo usar a espuma do sabonete, para que a lâmina deslize com facilidade e a pele fique protegida. Após à depilação, é imprescindível usar um hidratante, de preferência com indicação do dermatologista, com propriedades calmantes e cicatrizantes, pois a pele fica mais sensível e irritada.

 Laser e Luz Pulsada

O que se pode considerar como mais moderno para remoção de pelos é a utilização do laser e da luz intensa pulsada (LIP), aparelhos que emitem uma luz especial, que causa fototermólise seletiva, destruindo o folículo piloso e retardando o aparecimento de uma nova haste capilar.

O alvo específico é o pigmento concentrado na raiz do folículo piloso. Para atingi-lo, a luz têm de atravessar as camadas mais superficiais da pele. No trajeto, ela pode ter afinidade por outras estruturas pigmentadas, como é o caso da célula da pigmentação, denominada melanócito e que produz a melanina. Esse fato explica por que é mais difícil a depilação definitiva em paciente de pele morena ou negra. Em contrapartida, quanto mais contraste houver entre a pele (branca) e o pelo (escuro), melhor será o resultado geral da depilação. Peles muito claras, com pelos grossos e escuros apresentam resultados mais satisfatórios. Quando a pele estiver bronzeada é desaconselhável a depilação a laser/LIP. Isso ocorre porque esse método pode confundir o pigmento e irradiar calor para a pele bronzeada, causando queimaduras e cicatrizes definitivas.

Indivíduos com antecedente de queloide, vitiligo e em uso de isotretinoína oral, devem ter bastante cautela e o tratamento tem que ser sempre indicado e supervisionado pelo dermatologista. Pessoas de pele escura, não podem fazer o tratamento com qualquer tipo de aparelho, pois existe risco de queimaduras, cicatrizes e manchas. É fundamental que um médico avalie cada paciente individualmente e indique o tratamento mais adequado.

O termo “depilação definitiva” não é muito apropriado, pois pressupõe que uma vez tratado nunca mais existirá qualquer pelo. Nenhum equipamento de laser ou luz intensa pulsada hoje disponível é capaz de realizar uma depilação definitiva de todos os pelos, mas muitos equipamentos conseguem uma depilação definitiva da maioria dos pelos e com a manutenção adequada, se pode chegar muito próximo do ideal.

A depilação a laser/LIP é um tratamento eficaz e duradouro. Existem diferentes aparelhos hoje disponíveis no mercado, alguns mais dolorosos, outros menos. A frequência e o número de sessões, dependem do tipo de aparelho e das características do paciente e das áreas tratadas. Na região da virilha e nas axilas, em geral, são necessárias de 4 a 5 sessões, com intervalos mensais. A região da perna pode necessitar de 4 a 6 sessões. A região do buço e face são mais resistentes, precisando de 8 a 10 sessões. Devido às características e ao custo desse procedimento, é fundamental a indicação e supervisão de um médico.

ACNE DA MULHER ADULTA

NOVA acne-na-mulher-adulta-3 (1)A acne é um processo inflamatório que compromete o folículo pilo sebáceo, promovendo o aparecimento de lesões como cravos (comedões), espinhas, abcessos, cistos e posteriormente cicatrizes.

A estrutura da pele, que está relacionada ao aparecimento da acne é a glândula sebácea. Essa glândula é inativa e insignificante nas crianças, mas cresce e se transforma na puberdade, estimulada pelos hormônios produzidos nessa época da vida.

A acne compromete principalmente as adolescentes e adultos jovens, que passam por essas modificações hormonais. No entanto, cresce cada vez mais a chamada “acne da mulher adulta”, que aparece numa mulher e que nunca teve acne quando adolescente e só apresenta esse quadro mais tardiamente, geralmente após os 25 anos.

Diferente da acne do adolescente, que ocorre na face toda, principalmente na testa e região malar, a acne da mulher adulta surge no queixo, linha da mandíbula e também pescoço. As lesões da acne da mulher adulta são inflamadas, doloridas e grandes, deixando manchas e marcas nessa região. Também pode haver associação com acúmulo de pelos e queda de cabelo.

Geralmente a acne da mulher adulta piora antes da menstruação e não costuma melhorar com os tratamentos convencionais. Essa acne, tem relação com alterações hormonais, sendo associada mais frequente ao ovário policístico. Pode também haver distúrbios da glândula adrenal, inclusive piorando muito em situações de estresse intenso.

O médico dermatologista é especialista no tratamento dessa alteração por dominar toda a fisiologia hormonal da pele.

A acne da mulher adulta pode ser tratada com pílulas anticoncepcionais, drogas anti-androgenicas, como a espironolactona, isotretinoína e também metformina, além de laser, entre outros.

A investigação hormonal é importantíssima, pois caso seja confirmado, ocorrerá o tratamento específico.

O controle do estresse, a dieta e também uso adequado de cosmecêuticos são fundamentais para o melhor resultado do tratamento.

No caso da dieta devem ser controlados o leite e derivados e os alimentos de alto índice glicêmico (açúcar, doces, pães e massas), pois estes provocam alterações de hormônios, que indiretamente afetam o metabolismo dos andrógenos.

A melhor combinação de medicamentos para cada situação vai depender da expertise do profissional. A isotretinoína é uma medicação interessante para a acne da mulher adulta, pois diminui o tamanho da glândula sebácea, porém deve ser respeitada a restrição à gravidez e outras contra-indicações. Também podemos usar o LED (luz) azul para ajudar no tratamento. Outra alternativa é a terapia fotodinâmica onde usamos o ácido aminolevulínico na pele por volta de 2 horas e depois a luz vermelha especifica para agredir glândulas sebáceas.  Esse ácido é de uso tópico, penetra na pele, marca as glândulas sebáceas que depois com a luz serão agredidas e parcialmente destruídas, ajudando a melhorar a acne inflamada. A luz também agride a colônia bacteriana que promove a infecção na acne.

A acne da mulher adulta é perturbadora e compromete a autoestima das mulheres que apresentam esse quadro. É preciso diagnosticar, avaliar os exames de sangue, analisar os fatores ambientais e indicar a melhor combinação de tratamento

PEELING DE FENOL

peelingO peeling de fenol é considerado um peeling profundo, pois atinge camadas internas da pele como derme média. Qualquer peeling provoca renovação e troca de pele, mas nesse caso, a profundidade atingida, promove grande estímulo a formação de colágeno novo. O período ideal do ano para realizar qualquer tipo de peeling é o inverno, pois a pele precisa ser protegida do sol.

Existem muitos tipos de peeling de fenol, conforme seja utilizado somente o fenol 88% ou misturas com óleo de cróton, septisol e água.

Esse peeling precisa ser realizado por médico dermatologista, pois a substância é muito agressiva, sendo cardiotóxica e nefrotóxica. Isto significa, que todo paciente, que for realizar esse tipo de peeling, precisa de uma avaliação prévia com exames de sangue e também eletrocardiograma. Além disso, a pele deve ser preparada para que a cicatrização seja mais eficiente e também para que haja menos hiperpigmentação.

O procedimento é feito pelo médico especialista, em ambiente adequadoe em toda a face, com ênfase nas regiões com mais rugas. No pescoço, o peeling deverá ser mais fraco, respeitando a diferença na cicatrização.

O peeling de fenol é indicado para peles fotoenvelhecidas, preferencialmente mais claras, com muitas rugas e também flacidez. A região em volta dos olhos e também ao redor da boca são especialmente beneficiadas.

A recuperação deste peeling é demorada e por cerca de 7 a 10 dias haverá descamação e crostas que devem receber cuidados específicos. A limpeza, a hidratação e a alta proteção solar são fundamentais.

O resultado é especial, com melhoria marcante da textura da pele, assim como das rugas e flacidez. Devido ao fato dessa boa resposta estar relacionada a resposta da pele com renovação, produção de colágeno e remodelação, ela será muito duradoura. No entanto, esse resultado final irá depender da indicação, do tipo de pele, preparo, técnica em si e também os cuidados no pós procedimento.

FIOS DE SUSTENTAÇÃO

Uma das queixas mais frequentes no consultório do dermatologista é a flacidez cutânea.fio-mint As mulheres se ressentem muito do chamado “bigode chinês” e percebem que o rosto está perdendo o contorno e acumulando pele, e às vezes, gordura na linha da mandíbula.

Cada pessoa irá envelhecer de uma forma única devido a sua genética, conformação facial, hábitos (sol, fumo), entre outros. Devido a esse motivo é tão importante a avaliação crítica do especialista, pois ele é quem irá indicar os procedimentos com melhor custo-benefício de acordo com a necessidade de cada paciente.

O tratamento da flacidez deve ser preventivo, começando pelo cuidado diário da pele que inclui limpeza, hidratação e fotoproteção. Além disso, cremes que sejam além dos cosméticos, os chamados dermocosméticos ou cosmecêuticos, devem ser incorporados, como ácidos, antioxidantes e fatores do crescimento.

Uma nova ferramenta, para tratamento da flacidez é o fio de sustentação, que hoje apresenta tecnologia avançada com biocompatibilidade específica. Os fios mais modernos não são definitivos, e são constituídos de materiais que estimulam a formação de colágeno novo.

Quais as vantagens dos novos fios:

* Materiais não definitivos e que não causam efeitos colaterais tardios, além de proporcionarem uma aparência mais natural.

*Estímulo de colágeno novo, tratando a pele de forma mais profunda e duradoura

Qual é a ação desses novos fios?

O interessante dessa nova ferramenta é que os fios são responsáveis por duas ações:

1-Leva88_142_noticia_gntamento da pele através de mecanismo de tração e ancoragem. Os fios com ácido polilático e polidioxanona podem ter efeito lifting.

2-Os materiais dos fios (ácido polilático e polidioxanona) estimulam a produção de colágeno e melhoram a qualidade da pele

 

Como é a técnica de colocação do fio?

*O principal é a boa indicação, pois certos pacientes, após os 65 anos, teriam indicação cirúrgica e o resultado com o fio pode se insignificante.

*O desenho dos vetores do fio, ou seja, o modo como eles vão ser colocados e a sua ancoragem (local onde haverá o apoio), são fundamentais para a qualidade do resultado.

*A anestesia é feita no local de entrada e saída dos fios.

*A dor é pouca nesse procedimento.

*Ao término do procedimento há um certo pregueamento da pele, mas que irá desaparecer em cerca de uma semana com o seu acomodamento.

*O paciente deverá dormir de barriga para cima, movimentar pouco a boca, consumir alimentos mais líquidos e não fazer exercícios físicos pesados por 3 a 4 dias.

É importante entender que os fios não são indicados para um grau de flacidez intenso e muito menos para tratar a papada. No entanto, indivíduos com grau de flacidez moderado, poderão ter um grande benefício na correção e prevenção da mesma e os resultados permanecem por cerca de dois anos.

MICROAGULHAMENTO

A técnica de microagulhamento está muito em voga nos últimos tempos. Esse procedimento, consiste em utilizar um pequeno instrumento chamado “roller”, que tem muitas agulhas que picam a pele, estimulando a reação da mesma. A medida que a pele é picada, ela reage e desencadeia uma resposta em cascata, com muitos elementos inflamatórios e hormônios do crescimento. Existem, portanto, dois estímulos importantes que ocorrem simultaneamente, sendo um deles a picadura na pele e o outro a reação fisiológica de produção de citoquinas acionadas para cicatrizar a pele.

Embora pareça simples, o procedimento precisa ser feito por médicos especialistas para evitar o trauma em áreas que possam ter pré-câncer de pele e o próprio câncer de pele. Isto porque, o trauma da picada e o sangramento, podem disseminar essas células malignas. Áreas inflamadas ou infectadas, também não podem ser picadas.

O microagulhamento pode ser indicado para várias alterações de pele, como cicatriz de acne, melasma, estrias e fotoenvelhecimento cutâneo. Em cada um desses casos será indicado um “roller” diferente com um número total de agulhas e também com tamanho diferente dessas agulhas. Nas cicatrizes de acne, que são mais fibrosas, usamos agulhas de 2,5mm, enquanto para tratamento do melasma, a agulha é de 1,5mm. O microagulhamento também pode ser feito na área das olheiras, onde usamos agulhas de 0,5mm. O procedimento irá gerar um sangramento maior ou menor e justamente esse sangramento, através das plaquetas, irá carregar os fatores de crescimento naturais, que são importantes para melhorar a qualidade da pele.

IMG_5112Para cada indicação do microagulhamento será indicado o número de sessões necessárias, que pode variar de 4 a 8, com intervalos de 2 a 4 semanas. Após o procedimento, podem ser usados princípios terapêuticos específicos para melhorar ainda mais a doença que está sendo tratada. No caso do melasma, pode ser usado ácido tranexâmico, enquanto no fotoenvelhecimento podemos utilizar vários ativos como a própria vitamina C. Vale lembrar que o ideal é que o produto utilizado seja estéril para evitar contaminação. O resultado pode ser notado após 8 a 10 dias. Em geral, a pele fica sensível por 3 a 4 dias, sendo necessário o uso de filtro solar.

Outra indicação interessante é o uso do microagulhamento no couro cabeludo, para melhorar a queda de cabelo. Nesse caso, podem ser usados ativos com a finasterida e minoxidil.

O microagulhamento sempre melhora muito a qualidade e saúde da pele. Esta é uma técnica simples, com preço muito acessível e com seus riscos específicos, porém muito promissora na área da dermatologia.

Luz LED e seus benefícios para a PELE

Nos últimos anos vem se consolidando a ideia de que lasers de baixa potência e também luzes como as LEDs podem trazer benefícios para o tratamento de algumas alterações de pele.

As lâmpadas de LED, cuja tradução remete à língua inglesa (Light Emitting Diode), são dispositivos semicondutores que emitem luz quando acionados por uma corrente elétrica. As luzes LED são diferentes do laser, pois não são monocromáticas ou coerentes. No entanto, ao longo do tempo, com a evolução tecnológica, as novas LEDs estão quase monocromáticas e portanto, consideradas comparáveis aos lasers de baixa potência.

Esse “up grade” que ocorreu com as lâmpadas de LED tornou possível utilizá-las para vários tipos de tratamentos cutâneos. O mecanismo de ação dessas lâmpadas acontece com o estímulo que atinge diretamente a mitocôndria celular. Essa estrutura é responsável pela produção de energia celular (ATP) e quando estimulada, melhora a energia e função celular.

A luz LED entra na célula e, dependendo da profundidade ou comprimento de onda, provoca efeitos benéficos para o organismo. A luz LED tem efeitos anti inflamatórios, calmantes, estimula a formação de colágeno novo, ajudando na cicatrização e reparação da pele, além de promover também a proliferação celular.

Esse mecanismo é denominado de foto bio estimulação, caracterizando um tipo de fototerapia ou tratamento pela luz. Nesse ponto ela se diferencia dos lasers de alta potência, que têm uma função mais agressiva, provocando dano ou morte celular e nesse caso, agem como foto cirurgia. Exemplificando, se usarmos um laser de alta potência para vasos, ele irá, através da sua luz, destruir esses vasos, deixando a pele mais clara. Comparando, a luz LED não é capaz de destruir o vaso mas sim estimular as células a produzirem mais energia e funcionarem melhor.

As indicações para o uso da luz LED são:

  • Acelerar e melhorar a cicatrização.
  • Controlar a inflamação e avermelhamento.
  • Atenuar e controlar a dor intensa.
  • Melhorar o aspecto de cirurgias cosméticas.
  • Rejuvenescer a pele.
  • Prevenir a formação de cicatrizes hipertróficas.
  • Tratar doenças circulatórias como Doença de Raynaud.

Recapitulando, fototerapia com as luzes tipo LED é realizada através do estímulo energético que atinge a mitocôndria de cada célula, provocando as seguintes ações:

  1. Se a célula estiver danificada ela será reparada.
  2. Se a célula tem uma função como por exemplo produzir colágeno e elastina, quando a LED atingi-la ela fará essa função com mais eficiência.
  3. Se a célula precisar proliferar, a luz LED irá estimular essa proliferação.

Hoje já existem chapéus (bonés) com luzes de LED para tratamento da calvície e outras quedas de cabelo. Existem também máscaras com luzes LED usadas no rosto para melhorar a inflamação de vários procedimentos ou melhorar a qualidade da pele. Também já encontramos placas com luz LED que podem ser usadas para melhorar a cicatrização de feridas e úlceras cutâneas.

A acne inflamatória pode ser tratada com lâmpadas LED com comprimento de onda da luz azul. As luzes LED têm sido utilizadas com frequência nos consultórios dermatológicos após procedimentos como peelings, cirurgias, lasers de alta potência e tratamentos capilares, entre outros. Além disso, alguns dispositivos com luz LED podem ser usados em casa como tratamento auxiliar. É importante que ocorra a indicação médica para escolher o melhor comprimento de onda e a frequência do tratamento.

Devemos também lembrar que as luzes LED são eficazes e seguras e funcionam como tratamentos coadjuvantes e não principal. Elas trazem benefícios principalmente se bem indicadas, tanto com relação a energia quanto na frequência do tratamento.