MICROAGULHAMENTO

A técnica de microagulhamento está muito em voga nos últimos tempos. Esse procedimento, consiste em utilizar um pequeno instrumento chamado “roller”, que tem muitas agulhas que picam a pele, estimulando a reação da mesma. A medida que a pele é picada, ela reage e desencadeia uma resposta em cascata, com muitos elementos inflamatórios e hormônios do crescimento. Existem, portanto, dois estímulos importantes que ocorrem simultaneamente, sendo um deles a picadura na pele e o outro a reação fisiológica de produção de citoquinas acionadas para cicatrizar a pele.

Embora pareça simples, o procedimento precisa ser feito por médicos especialistas para evitar o trauma em áreas que possam ter pré-câncer de pele e o próprio câncer de pele. Isto porque, o trauma da picada e o sangramento, podem disseminar essas células malignas. Áreas inflamadas ou infectadas, também não podem ser picadas.

O microagulhamento pode ser indicado para várias alterações de pele, como cicatriz de acne, melasma, estrias e fotoenvelhecimento cutâneo. Em cada um desses casos será indicado um “roller” diferente com um número total de agulhas e também com tamanho diferente dessas agulhas. Nas cicatrizes de acne, que são mais fibrosas, usamos agulhas de 2,5mm, enquanto para tratamento do melasma, a agulha é de 1,5mm. O microagulhamento também pode ser feito na área das olheiras, onde usamos agulhas de 0,5mm. O procedimento irá gerar um sangramento maior ou menor e justamente esse sangramento, através das plaquetas, irá carregar os fatores de crescimento naturais, que são importantes para melhorar a qualidade da pele.

IMG_5112Para cada indicação do microagulhamento será indicado o número de sessões necessárias, que pode variar de 4 a 8, com intervalos de 2 a 4 semanas. Após o procedimento, podem ser usados princípios terapêuticos específicos para melhorar ainda mais a doença que está sendo tratada. No caso do melasma, pode ser usado ácido tranexâmico, enquanto no fotoenvelhecimento podemos utilizar vários ativos como a própria vitamina C. Vale lembrar que o ideal é que o produto utilizado seja estéril para evitar contaminação. O resultado pode ser notado após 8 a 10 dias. Em geral, a pele fica sensível por 3 a 4 dias, sendo necessário o uso de filtro solar.

Outra indicação interessante é o uso do microagulhamento no couro cabeludo, para melhorar a queda de cabelo. Nesse caso, podem ser usados ativos com a finasterida e minoxidil.

O microagulhamento sempre melhora muito a qualidade e saúde da pele. Esta é uma técnica simples, com preço muito acessível e com seus riscos específicos, porém muito promissora na área da dermatologia.

Luz LED e seus benefícios para a PELE

Nos últimos anos vem se consolidando a ideia de que lasers de baixa potência e também luzes como as LEDs podem trazer benefícios para o tratamento de algumas alterações de pele.

As lâmpadas de LED, cuja tradução remete à língua inglesa (Light Emitting Diode), são dispositivos semicondutores que emitem luz quando acionados por uma corrente elétrica. As luzes LED são diferentes do laser, pois não são monocromáticas ou coerentes. No entanto, ao longo do tempo, com a evolução tecnológica, as novas LEDs estão quase monocromáticas e portanto, consideradas comparáveis aos lasers de baixa potência.

Esse “up grade” que ocorreu com as lâmpadas de LED tornou possível utilizá-las para vários tipos de tratamentos cutâneos. O mecanismo de ação dessas lâmpadas acontece com o estímulo que atinge diretamente a mitocôndria celular. Essa estrutura é responsável pela produção de energia celular (ATP) e quando estimulada, melhora a energia e função celular.

A luz LED entra na célula e, dependendo da profundidade ou comprimento de onda, provoca efeitos benéficos para o organismo. A luz LED tem efeitos anti inflamatórios, calmantes, estimula a formação de colágeno novo, ajudando na cicatrização e reparação da pele, além de promover também a proliferação celular.

Esse mecanismo é denominado de foto bio estimulação, caracterizando um tipo de fototerapia ou tratamento pela luz. Nesse ponto ela se diferencia dos lasers de alta potência, que têm uma função mais agressiva, provocando dano ou morte celular e nesse caso, agem como foto cirurgia. Exemplificando, se usarmos um laser de alta potência para vasos, ele irá, através da sua luz, destruir esses vasos, deixando a pele mais clara. Comparando, a luz LED não é capaz de destruir o vaso mas sim estimular as células a produzirem mais energia e funcionarem melhor.

As indicações para o uso da luz LED são:

  • Acelerar e melhorar a cicatrização.
  • Controlar a inflamação e avermelhamento.
  • Atenuar e controlar a dor intensa.
  • Melhorar o aspecto de cirurgias cosméticas.
  • Rejuvenescer a pele.
  • Prevenir a formação de cicatrizes hipertróficas.
  • Tratar doenças circulatórias como Doença de Raynaud.

Recapitulando, fototerapia com as luzes tipo LED é realizada através do estímulo energético que atinge a mitocôndria de cada célula, provocando as seguintes ações:

  1. Se a célula estiver danificada ela será reparada.
  2. Se a célula tem uma função como por exemplo produzir colágeno e elastina, quando a LED atingi-la ela fará essa função com mais eficiência.
  3. Se a célula precisar proliferar, a luz LED irá estimular essa proliferação.

Hoje já existem chapéus (bonés) com luzes de LED para tratamento da calvície e outras quedas de cabelo. Existem também máscaras com luzes LED usadas no rosto para melhorar a inflamação de vários procedimentos ou melhorar a qualidade da pele. Também já encontramos placas com luz LED que podem ser usadas para melhorar a cicatrização de feridas e úlceras cutâneas.

A acne inflamatória pode ser tratada com lâmpadas LED com comprimento de onda da luz azul. As luzes LED têm sido utilizadas com frequência nos consultórios dermatológicos após procedimentos como peelings, cirurgias, lasers de alta potência e tratamentos capilares, entre outros. Além disso, alguns dispositivos com luz LED podem ser usados em casa como tratamento auxiliar. É importante que ocorra a indicação médica para escolher o melhor comprimento de onda e a frequência do tratamento.

Devemos também lembrar que as luzes LED são eficazes e seguras e funcionam como tratamentos coadjuvantes e não principal. Elas trazem benefícios principalmente se bem indicadas, tanto com relação a energia quanto na frequência do tratamento.