ACNE DA MULHER ADULTA

NOVA acne-na-mulher-adulta-3 (1)A acne é um processo inflamatório que compromete o folículo pilo sebáceo, promovendo o aparecimento de lesões como cravos (comedões), espinhas, abcessos, cistos e posteriormente cicatrizes.

A estrutura da pele, que está relacionada ao aparecimento da acne é a glândula sebácea. Essa glândula é inativa e insignificante nas crianças, mas cresce e se transforma na puberdade, estimulada pelos hormônios produzidos nessa época da vida.

A acne compromete principalmente as adolescentes e adultos jovens, que passam por essas modificações hormonais. No entanto, cresce cada vez mais a chamada “acne da mulher adulta”, que aparece numa mulher e que nunca teve acne quando adolescente e só apresenta esse quadro mais tardiamente, geralmente após os 25 anos.

Diferente da acne do adolescente, que ocorre na face toda, principalmente na testa e região malar, a acne da mulher adulta surge no queixo, linha da mandíbula e também pescoço. As lesões da acne da mulher adulta são inflamadas, doloridas e grandes, deixando manchas e marcas nessa região. Também pode haver associação com acúmulo de pelos e queda de cabelo.

Geralmente a acne da mulher adulta piora antes da menstruação e não costuma melhorar com os tratamentos convencionais. Essa acne, tem relação com alterações hormonais, sendo associada mais frequente ao ovário policístico. Pode também haver distúrbios da glândula adrenal, inclusive piorando muito em situações de estresse intenso.

O médico dermatologista é especialista no tratamento dessa alteração por dominar toda a fisiologia hormonal da pele.

A acne da mulher adulta pode ser tratada com pílulas anticoncepcionais, drogas anti-androgenicas, como a espironolactona, isotretinoína e também metformina, além de laser, entre outros.

A investigação hormonal é importantíssima, pois caso seja confirmado, ocorrerá o tratamento específico.

O controle do estresse, a dieta e também uso adequado de cosmecêuticos são fundamentais para o melhor resultado do tratamento.

No caso da dieta devem ser controlados o leite e derivados e os alimentos de alto índice glicêmico (açúcar, doces, pães e massas), pois estes provocam alterações de hormônios, que indiretamente afetam o metabolismo dos andrógenos.

A melhor combinação de medicamentos para cada situação vai depender da expertise do profissional. A isotretinoína é uma medicação interessante para a acne da mulher adulta, pois diminui o tamanho da glândula sebácea, porém deve ser respeitada a restrição à gravidez e outras contra-indicações. Também podemos usar o LED (luz) azul para ajudar no tratamento. Outra alternativa é a terapia fotodinâmica onde usamos o ácido aminolevulínico na pele por volta de 2 horas e depois a luz vermelha especifica para agredir glândulas sebáceas.  Esse ácido é de uso tópico, penetra na pele, marca as glândulas sebáceas que depois com a luz serão agredidas e parcialmente destruídas, ajudando a melhorar a acne inflamada. A luz também agride a colônia bacteriana que promove a infecção na acne.

A acne da mulher adulta é perturbadora e compromete a autoestima das mulheres que apresentam esse quadro. É preciso diagnosticar, avaliar os exames de sangue, analisar os fatores ambientais e indicar a melhor combinação de tratamento

ACNE

A acne vulgar é condição inflamatória crônica do folículo pilo-sebáceo, particularmente comum em adolescentes e adultos jovens. Entre os adolescentes a frequência, a severidade da acne, bem como a tendência a cicatrizes são maiores entre os homens. Já a acne do adulto é mais frequente entre mulheres. Apesar de, virtualmente, não haver mortalidade associada a esta doença existe uma significante morbidade física e psicológica.

A grande novidade em relação à acne, é que hoje há trabalhos mostrando que a inflamação é a sua causa principal. A pele da pessoa com acne reage muito facilmente à irritação, ou danos da barreira cutânea, desencadeando o restante da cascata inflamatória, passando pelo excesso da produção sebácea e hiperqueratinização e ação excessiva das bactérias.

O diagnóstico é baseado principalmente no quadro clinico. Este se caracteriza pelo polimorfismo. Com cravos, pápulas, pústulas, nódulos e abcessos localizados na face, ombros e porção superior do tórax, acompanhados de seborreia. De acordo com o número e tipo de lesões, definem-se as formas da acne. A rosácea é o principal diagnóstico diferencial, podendo apresentar pápulas foliculares, porém a idade, o predomínio no sexo feminino, o eritema e a localização médio facial e na fronte permitem, em geral, diferenciar o diagnóstico.

A acne é classificada como não inflamatória quando apresenta somente comedões, sem sinais inflamatórios, que, conforme o número, intensidade e características das lesões, é classificada em graus I a IV.

O tratamento da acne está baseado no tratamento dos fatores etiopatogênicos, como colonização pelo P. acne, hipersecreção sebácea, inflamação e oclusão do orifício folicular. Os objetivos do tratamento incluem a melhora do quadro infeccioso, da aparência física, a minimização de cicatrizes e a prevenção e tratamento de efeitos psicológicos diversos. Nas acnes graus I e II usamos vários tipos de tratamento tópicos e isolados ou em combinação. Veja as características dos principais deles:

Tretinoína/Ácido Retinoico/Alfahidroxiácidos – ação queratolítica, ou seja, contra a hiperqueratinização; ação leve e indireta sobre a proliferação bacteriana.

Peróxido de Benzoíla – ação anti-inflamatória e antimicrobiana.

Adapaleno – são indicados em casos de acne na mulher adulta. Causam menos irritação e fotossensibilidade que a tretinoína, com resultados terapêuticos significativos.

Ácido Azelaico – possui ação antibacteriana potente e antioxidante. Possui efeito queratolítico, que promove a desobstrução de “tampão” de queratina e sebo. Tem também, ação clareadora da pele.

Ácido mandélico – age na remoção das células mortas, evitando a obstrução de poros.

Ácido glicólico – muito usado no tratamento da acne, queratose, manchas e rugas finas.

Os antibióticos sistêmicos agem na supressão do crescimento P.acnes e da inflamação. Os mais usados são tetraciclina, minociclina e doxicilina, eritromicina e azitromicina. O tratamento deve abranger 4 semanas até o máximo de seis meses em média. Deve-se atentar para os principais e mais comuns efeitos colaterais de cada grupo, já que devem ser administrados por longos períodos. Pode haver combinação do uso dos antibióticos sistêmicos e peróxido de benzoíla para uso local. Pela ação secativa do peróxido, pode haver potencialização dos efeitos.

O uso da isotretinoína sistêmica no caso da acne na puberdade, é clássico. Esta medicação é a mais efetiva e mais conhecida para o tratamento da acne, no entanto, existem contraindicações e, nesse caso, podemos usar a terapia fotodinâmica. Trata-se do uso de um creme que é espalhado na região da acne, por exemplo, o ácido aminolevulínico que tem atração pelas glândulas sebáceas, região do infundíbulo, onde ficam a inflamação e as bactérias. Essa substância deixa o local sensibilizado e após cerca de 2 horas é aplicada uma luz que vai diretamente para o local afetado, promovendo a destruição de algumas glândulas. São feitas em geral de 4 a 5 sessões com intervalo de um mês. No caso de mulheres adultas, o tratamento, geralmente é com pílulas anticoncepcionais com progestágenos anti androgênicos, ou seja, uma parte da composição da pílula neutraliza os hormônios masculinos. Também pode ser usada a metformina, nas mulheres que tem ovário policístico associado.

A questão da dieta hoje é muito estudada. Os alimentos de alto índice glicêmico e também o leite e derivados do leite devem ser controlados e evitados, pois pioram a acne. Isso acontece, pois eles estimulam a produção e ação de um hormônio de crescimento, insulina like, que é um dos principais hormônios estimuladores da acne, o IGF-1. Evitar carboidrato, leite, queijo, iogurte e também principalmente os suplementos de academia com proteínas do leite. O mito é sobre o chocolate piorar a acne, o que não é verdade, pois o cacau propriamente dito não chega a interferir no processo de inflamação, mas sim o leite e o açúcar que podem ser abundantes nesse tipo de alimento.

O tratamento da acne exige paciência e um bom relacionamento médico e paciente. Pois, é comum a doença prejudicar a autoestima e, em situações mais graves, pode ser disforme, causando transtornos psicológicos, emocionais e, em muitos casos, depressão.

Lavar o rosto 2x ao dia enxaguando bem. O produto de limpeza não deve irritar a pele. Usar hidratante próprio para peles acneicas. Usar filtro solar com toque seco, não comedogênico. Evitar alimento de alto índice glicêmico (açúcar). Evitar manipular as lesões. Seguir rigorosamente o tratamento médico e evitar o uso de produtos desconhecidos.