FLACIDEZ DE PESCOÇO

Outra novidade do ‘meeting’ da Academia Americana diz respeito ao uso de preenchedores, que, além de preencher, também estimulam o colágeno e melhoram a tonicidade e aparência do pescoço.

Essa área é bastante comprometida pela atrofia e falta de sustentação, deixando o contorno facial indefinido, piorando o aspecto da estrutura do rosto.

Vários fatores contribuem para o envelhecimento do pescoço, entre eles, o tipo de pele, o dano cumulativo causado pelo sol ao longo da vida e até mesmo a movimentação do músculo platisma que favorece a flacidez dessa região.

Em geral, há uma preocupação maior com o envelhecimento do rosto, e o pescoço é deixado em segundo plano. Sendo assim, é frequente que este local seja tratado mais tardiamente e tenha resultados menos satisfatórios.

No Congresso Americano foi realçado que alguns estudos com o preenchedor de hidroxiapativa de cálcio (Radiesse) pode preencher sulcos e rugas e também estimular a formação de novas fibras de colágeno e elastina. Nesses trabalhos. No caso das peles de textura normal, ele deve ser diluído pela metade, enquanto em peles finas em 1/4 e em peles atróficas em 1/6.

A aplicação é feita na derme média em desenhos específicos com distância de cerca de 0,2mm entre uma picada e outra, cobrindo toda a área do pescoço e são realizadas duas aplicações com intervalos variáveis de 3 a 4 meses.

Estudos histológicos e imunohistoquímicos mostram que há estímulo do colágeno e da elastina, aumentando a espessura e tonicidade da pele. A aparência do pescoço melhora em relação à flacidez e também na qualidade da pele.

IMG_3276

Esse tratamento é eficaz e com poucos efeitos colaterais, podendo ser associado a outros tratamentos, como ultrassom focado, radiofrequência e laser. A prevenção é muito interessante e, quanto mais jovem, melhor a resposta do próprio tecido. Dessa forma, esse tratamento pode ser realizado ao serem percebidos os primeiros sinais da flacidez.

Lembrar que nesse sentido, o ácido hialurônico, que é o preenchedor seguro e muito utilizado, não estimula o colágeno na mesma intensidade que a hidroxiapatita de cálcio.

Sendo assim, é importante lembrar que, cada vez mais, novas tecnologias ajudam na prevenção e manutenção da pele, melhorando a qualidade da vida.

PREENCHEDORES – DESVENDANDO CÓDIGOS MÉDICOS

É sempre bom lembrar que a saúde e beleza são interdependentes, pois, a autoestima é um grande reforço emocional. Sendo assim, não existe saúde sem beleza ou beleza sem saúde.

Tive o privilégio e oportunidade de estudar cosmiatria muito antes de haver tantos recursos e tecnologias avançadas à disposição do tratamento facial e com isso, acompanhei o momento em que olhávamos para um sulco ou uma determinada ruga e ficávamos satisfeitos em resolver esse problema pontual. Essa técnica foi se aperfeiçoando e hoje conseguimos enxergar o rosto de maneira tridimensional, antevendo a prevenção que os resultados desse procedimento pode alcançar. Isso significa que um rosto deve ser avaliado por completo, passando pelas proporções, detalhes, volume, contorno e até assimetrias. Também é importante avaliar o sorriso e a movimentação de cada face nos seus detalhes especiais. Outro dado interessante, é a avaliação de fotografias mais antigas para observar que diferenças especificas estão ocorrendo com o passar do tempo. É por isso que este procedimento, chamado preenchimento, não é uma simples técnica, mas sim um tratamento global, carregando consigo conceitos de beleza, harmonia e saúde.

Os pontos mais interessantes e uteis para aplicação de preenchedores são aqueles localizados no arco zigomático e na projeção da mandíbula. Quantidades entre 0,1 e 0,3ml em cada lado do rosto, nestes pontos específicos, provoca um levantamento substancial, evitando muitas vezes a necessidade de aplicar no sulco nasogeniano ou em uma ruga ao redor da boca. Outro local não valorizado, porém crítico em relação ao envelhecimento facial é o queixo. Muitas vezes o rosto afina abruptamente, outras o queixo não tem projeção e quase todas as pessoas ao envelhecer projetam o queixo para baixo e para trás quando sorriem. Essas movimentações sutis e constantes, que muitas vezes não são percebidas, são como areia movediça num alicerce de uma construção. Sendo movediça, essa base faz com que o rosto vá literalmente desabando. Por isso, é interessante que o queixo tenha sustentação, formato e projeção bem definidos para evitar o envelhecimento e flacidez precoce.

Embora o custo do preenchedor possa ser uma limitação, é interessante observar que sua utilização previne a flacidez e a perda de contorno, além de harmonizar e levantar, sem a necessidade de anestesia geral e também sem cicatrizes. Os materiais utilizados devem ser de procedência idônea, aprovados pela ANVISA e de preferência pelo FDA e podem ser o ácido hialurônico e a hidroxiapatita de cálcio. Conhecer o produto em detalhe, tanto sua característica física, química, potencial alérgico, como o tipo de reticulação.

O plano que cada preenchedor deve ser aplicado é muito importante, assim como o local da face. Nessa linha de raciocínio, a hidroxiapatita de cálcio deve ser evitada nos lábios e olheiras. Escolhendo o melhor custo/benefício em relação ao tipo de preenchedor e também em relação a indicação de cada paciente, com certeza teremos uma enorme gratificação com nossos resultados. preenchimento-2

MD Codes™ de preenchimento facial

As alterações que ocorrem durante o envelhecimento são cada vez mais compreendidas e estudadas. Hoje sabemos que nossos telômeros encurtam e nossas células são constantemente oxidadas. Além disso, ocorre desgaste do processo de restauração, pois as células tronco também sofrem exaustão.

Hoje, baseado em conhecimentos científicos, são oferecidos vários recursos, que melhoram a aparência, e, portanto, também elevam a auto estima. Dentre os inúmeros recursos para preservar a juventude da pele e do rosto, contamos com as técnicas de preenchimento que devolvem volume e harmonizam a face.

Tudo começou com preenchimento dos sulcos e das rugas, passando pela reposição de volume e restauração do contorno, até chegar na reestruturação. Atualmente não só pensamos em 3 dimensões, como também em pontos de sustentação, além de vetores de levantamento, que favorecem o aspecto de harmonia de cada rosto.

Nesse contexto, é que está inserida a nova técnica denominada MD CodesTM, remetendo ao nome de códigos médicos. Esta técnica preconiza a avaliação global do rosto, com atenção as desproporções e perdas do tecido gorduroso, vazios e sombras e repercussões de movimentos de cada indivíduo. A partir desta avaliação completa, utiliza-se o preenchedor em determinados pontos, chamados códigos, que favorecem o levantamento facial e também reestruturam áreas já muito fragilizadas. Trata-se de técnica de preenchimento, utilizando-se o conhecido ácido hialurônico, porém com a criatividade de Oscar Niemeyer e o conhecimento técnico de Ivo Pitanguy. Cada caso deve ter o seu projeto, tanto técnico, como financeiro bem embasados no conhecimento da anatomia e fisiologia. Os códigos são referências especiais para esse tipo de tratamento e contribuem para um melhor entendimento do conjunto de estruturas que compõe a face humana.

As áreas envolvidas na aplicação dos MD Codes™ compreendem toda a região dos olhos, região malar, lábios, área do queixo e contorno facial.

Dependendo da situação, quando bem indicada e na hora certa, essa técnica pode equivaler a uma cirurgia plástica, preservando a anatomia e as proporções individuais, visando o rejuvenescimento global e não apenas localizado.

md codes

md codes II

Ácido Hialurônico / Preenchimento

A procura por tratamentos para melhorar a pele envelhecida é sempre crescente, visto que a aparência agradável e bonita está relacionada à autoestima e sucesso profissional e social.

Uma das opções de tratamento facial para melhorar a aparência e também proporcionar melhor contorno e volume na face é o PREENCHIMENTO.

Recentemente ocorreu a morte de uma modelo, que foi associada ao preenchimento com o ácido hialurônico. É importante ressaltar que o procedimento com ácido hialurônico é seguro e certamente não ocasionou a morte da modelo. Esse fato traz à tona novamente, a importância de realizar procedimentos com profissionais qualificados para tanto, em clínicas especializadas, que trabalham com produtos aprovados pela Anvisa.  

O fato é que ninguém morre de aplicação por ácido hialurônico, que é o preenchedor mais usado e conhecido no mundo. Milhões de pessoas foram e são tratadas com esta substância, sendo que, o índice de complicações não atinge 1% em todos os países onde o produto é utilizado, ao longo de quase trinta anos de existência.

Vale a pena conhecer um pouco da história deste produto, o ácido hialurônico, para entendê-lo melhor.  

Os primeiros preenchedores foram utilizados e aprovados em 1996 na Europa, sendo que o ácido hialurônico foi um dos primeiros. Ele consiste em um complexo natural de açúcar que retém água em grande quantidade e que já existe nos organismos vivos. Trata-se de uma cadeia linear de polissacarídeos e glucosamina, ocorrendo em grande quantidade na matriz do tecido conectivo da pele. Traduzindo, a pele do ser humano está repleta de moléculas de ácido hialurônico que ajudam na hidratação e tonicidade da pele. O ácido hialurônico natural é metabolizado em 24 – 48 horas, sendo novas moléculas produzidas e destruídas constantemente pelo organismo.  

No princípio, o ácido hialurônico era extraído de animais, porém mais recentemente o processo da sua produção é por bactérias específicas que produzem o mesmo tipo de ácido hialurônico existente na pele humana. Esse produto é purificado e passa por um processo de cross link ou reticulação, que significa promover uma modificação química na molécula, deixando suas cadeias mais firmes para que haja uma permanência e duração maior na pele.  

O ácido hialurônico hoje é produzido com várias concentrações, nível de reticulação e densidades diferentes. Ele não é permanente e vai durar cerca de 1 ano. Deve ser evitado em pessoas com tendência a alergia ou choque anafilático, aqueles que tomam medicações anticoagulantes, aqueles que tenham doenças autoimunes, ou medo demasiado de agulha.

Desde o início de seu uso, sua indicação só tem aumentado, podendo ser usado no lóbulo da orelha, para melhorar a olheira, corrigir defeitos nasais, sulcos, rugas, contorno e volume facial, trazendo resultados muito positivos, com melhor qualidade de vida às pessoas. 

A aplicação deve ser feita por médicos especializados e esse é o ponto crucial do processo, pois este especialista precisa conhecer precisamente a anatomia da face. Além disso, o médico dermatologista tem que dominar a indicação mais correta do produto, evitando a aplicação em determinadas situações.  

Portanto, a escolha do profissional médico para o procedimento, em clínica especializada, que siga corretamente as determinações do órgão regulador, Anvisa, continuam sendo determinantes.