MEDICINA REGENERATIVA – NOVA FRONTEIRA NO TRATAMENTO DO ENVELHECIMENTO

Ao longo do tempo, muitas técnicas vêm sendo incorporadas para melhorar a aparência do envelhecimento cutâneo. Hoje, associando bons cosmecêuticos com procedimentos como peelings, preenchimento, toxina botulínica, lasers e radiofrequência, podemos conseguir ótimos resultados na prevenção e correção de sinais do envelhecimento.

Em relação aos peelings, favorecemos a troca celular, renovando o tecido; com alguns preenchedores, como a hidroxiapatita de cálcio, estimulamos a formação de colágeno novo através da ação específica do cálcio, e com vários lasers podemos conseguir também a formação de mais colágeno pelo calor que estes aparelhos emitem na profundidade da derme. Em meio a tudo isso, começa a ser vislumbrada uma nova fronteira no tratamento da pele envelhecida, que é a Medicina Regenerativa. Esta nova ciência, através de diversas tecnologias, tem seu início na própria resposta que a pele humana tem no processo cicatricial.

Quando a pele é cortada ou machucada, automaticamente começa um processo de cicatrização, que se inicia com a coagulação, onde as células sanguíneas trazem as citoquinas e fatores de crescimento para reconstruir o tecido, promovendo a neovascularização com formação de novas células e novo colágeno. Baseado no conhecimento das reações reconstrutivas do próprio organismo, começam a ser exploradas técnicas e procedimentos que utilizam o arsenal da medicina regenerativa como:

* Fatores de Crescimento

* Células Tronco

* Plasma Rico em Plaquetas

* Tecidos Reconstrutivos como a Pele sintética

FATORES DE CRESCIMENTO: São proteínas que circulam em nosso organismo e são estimuladas ou neutralizadas, conforme são acionadas por uma intricada rede de receptores, expressões genicas e estímulos hormonais. O fator de crescimento, por exemplo endotelial vascular, induz a vasculogênese e angiogênese. Esse fator é um dos mais importantes na cicatrização de tecido e na pega dos retalhos e enxertos.

O uso clínico de fatores de crescimento, iniciou nos anos 90 e em 2002 o FDA (Food and Drug Administration) aprovou o uso de fatores recombinantes como BMP-2 e BMP-7 para uso em cirurgias de medula e ortopedia. Em relação ao envelhecimento cutâneo, os fatores de crescimento têm sido incluídos em cremes e também usados de forma injetável para estímulos específicos.

PLASMA RICO EM PLAQUETAS: Esta técnica, muito utilizada na Europa e nos Estados Unidos, preconiza o uso da fração rica em plaquetas do sangue do doador para ser utilizado para cicatrização e estimula a melhoria do colágeno da própria pele. O sangue do indivíduo a ser tratado é colhido e centrifugado, separando a parte amarela das plaquetas, que é rica em fatores de crescimento. Esta fração, de acordo com cada protocolo, é aplicada no local a ser tratado, que pode ser uma ferida, queda de cabelo ou sulcos e rugas do fotoenvelhecimento.

blog 3

As proteínas contidas nesse plasma rico em plaquetas têm grande quantidade de fatores de crescimento como o fator de crescimento endotelial: esses fatores estimulam a produção de colágeno e a angiogênese, entre outros. Esta técnica, quando realizada com protocolo adequado, tem um grande potencial para a dermatologia e para cirurgia plástica.

CÉLULAS TRONCO: São células com potencial de sofrer diferenciação em várias linhagens celulares. As células tronco adultas são multipotentes e podem se diferenciar em vários tipos celulares, ajudando na recuperação de transplante de medula e regeneração de ossos, entre outros. Nas células do tecido adiposo, colhidas após uma lipoaspiração, existem células tronco adultas, que têm potencial de melhorar o aspecto do fotoenvelhecimento.

Na dermatologia e na cirurgia plástica essas células podem ser separadas após a centrifugação das células gordurosas retiradas da lipoaspiração e, como carregam consigo as células tronco mesenquimais, podem ser utilizadas em várias técnicas de tratamento. Os trabalhos como essa técnica ainda são incipientes, mas podem vir a ser bastante interessantes para melhorar a qualidade do tecido. Nossa publicação “Fração vascular estromal, uma nova terapêutica no fotoenvelhecimento: estudo comparativo e controlado” publicado na Revista Surgical And Cosmetic Dermatology, mostra a comparação entre a aplicação de um preenchedor e a aplicação das células mesenquimais pós lipoaspiração. Nos pacientes que foram tratados com as células tronco mesenquimais, obtivemos o mesmo resultado dos pacientes tratados com preenchedor, porém com duração bem maior que o primeiro.

As técnicas de medicina regenerativa hoje são utilizadas para acelerar a cicatrização de feridas, tratamento da calvície, estimulando o crescimento de mais fios, e no o tratamento de sulcos e rugas de expressão.

Essas técnicas vêm sendo cada vez mais estudadas e mais protocolos científicos estão sendo computados para torná-las parte do arsenal do dia a dia, para tratamento do envelhecimento cutâneo. A pele, como o maior órgão do corpo humano e com várias e complexas funções, é sem dúvida um das protagonistas nessa nova fronteira científica.

Conheça mais sobre as NOVAS DOENÇAS INFECCIOSAS e variantes importantes das VELHAS DOENÇAS INFECCIOSAS

O Meeting da American Academy of Dermatology (AAD) é um dos eventos mais concorridos da Dermatologia Mundial. É lá que os médicos entram em contato com as grandes novidades e tendências em tratamento de doenças da pele, lançamentos em tecnologias, equipamentos e produtos. O encontro deste ano ocorreu em Orlando, na Flórida, em março desse ano.

Vários temas importantes foram discutidos, mas um em especial chamou a atenção por mostrar mais um efeito colateral de um modismo que se espalha pelo mundo. Já se discutiu muito os acidentes que acontecem por pessoas que se distraem para tirar as selfies, mas a novidade apontada no encontro dos dermatologistas, é que pode facilitar a transmissão de PIOLHOS que acomete, principalmente, crianças e jovens em idade escolar. 53% das pessoas nessa faixa etária passam por essa experiência, segundo especialistas.

Ao fazerem as selfies, as pessoas encostam a cabeça uma na outra e facilitam o contágio dessa doença, causada por um ácaro. Ela é muito contagiosa, então acredita-se que possa haver um aumento no número de casos, até em pessoas adultas, por conta desse modismo.

A fêmea do piolho produz até dez ovos por dia. A lêndea, que é uma espécie de ovinho, se fixa na raiz do cabelo por meio de  uma substância parecida com uma cola. Além da coceira constante e irritante, a infestação pode causar feridas e levar à anemia, nos casos mais graves, já que o piolho se alimenta do sangue do hospedeiro. Durante o encontro foi apresentado um novo produto que representa um avanço no tratamento da doença. Normalmente se usa um medicamento que pode ser a ivermectina via oral, ou se usa alguma substância de uso local que consegue matar o ácaro, mas o ovo permanece. Agora foi desenvolvida uma nova medicação que consegue fazer com que o ovo não se abra. Dessa forma, ele fica ressecado, acaba caindo e não abre. Não abrindo o ovo, não há persistência dessa parasitose na pessoa comprometida.

Outra pauta apresentada durante o encontro, foi a ZIKA – Essa doença é causada por um arbovírus e pode ocorrer um avermelhamento no corpo, um rash cutâneo como se fosse uma alergia. Também pode haver queda de cabelo, principalmente depois de uns 15 dias. É uma doença sexualmente transmissível, muito perigosa por causar a microcefalia, que acontece entre 1% a 13% dos casos. A mulher deve evitar por 6 meses a concepção depois de ter viajado para um local onde há a doença. O mais interessante citado no meeting, é que não existem vacinas, mas como o tratamento é necessário por conta do perigo da doença, pesquisaram remédios para tratar o zika vírus e citaram quatro drogas, uma delas é a daptomicina, que é na verdade um antibiótico da categoria B; pode ser usado com uma certa segurança em grávidas. Também se falou sobre a sertralina, que é um antidepressivo. Assim como a ivermectina, que é um tratamento para parasitas e se usa para tratar o piolho, por exemplo. Tanto a sertralina quanto a ivermectina são categoria C, ou seja, já pode existir algum risco para o feto. Não houve nada de novo em relação aos repelentes, mas ainda continua sendo muito importante que se possa proteger e evitar a picada enquanto não há vacinas ou drogas contra esse mosquito.

E por fim, a SÍFILIS foi abordada durante o evento, pois está retornando com muita intensidade, e também há o problema em geral de se conseguir penicilina para tratá-la. Já se começa a perceber a chegada de pacientes com sífilis no consultório. É uma doença sexualmente transmissível causada por um treponema e ela tem três fases. Na primeira é uma fase onde aparece uma pequena ferida na área genital, ou na área do contato sexual que pode ser, por exemplo, na boca. Na segunda parte, o treponema está disseminado e a pessoa pode ter caroços ou pápulas pelo corpo todo; as palmas das mãos e as plantas do pé ficam bastante comprometidas com manchas avermelhadas, a pessoa pode ter queda de cabelo bastante intensa e também sintomas de faringite, rinite, acompanhando esse quadro de secundarismo. Se não for tratada, ela pode persistir e se localizar em órgãos como a pele, dando lesões mais infiltradas ou espécies de tumores, ou comprometendo outros tecidos como os ossos. Então, em relação a sífilis, é muito importante lembrar dela, pensar nesse diagnóstico, principalmente quando tiver rash cutâneo, avermelhamento, caroços, queda de cabelo acompanhando. E a minociclina, que é um antibiótico da família das ciclinas, é também uma alternativa para o tratamento. É muito importante tratar a sífilis precocemente. Se a mulher estiver grávida e tratar até o quarto mês, não há passagem para o feto, mas se não for tratada, essa criança já pode nascer com sífilis.

FLACIDEZ DE PESCOÇO

Outra novidade do ‘meeting’ da Academia Americana diz respeito ao uso de preenchedores, que, além de preencher, também estimulam o colágeno e melhoram a tonicidade e aparência do pescoço.

Essa área é bastante comprometida pela atrofia e falta de sustentação, deixando o contorno facial indefinido, piorando o aspecto da estrutura do rosto.

Vários fatores contribuem para o envelhecimento do pescoço, entre eles, o tipo de pele, o dano cumulativo causado pelo sol ao longo da vida e até mesmo a movimentação do músculo platisma que favorece a flacidez dessa região.

Em geral, há uma preocupação maior com o envelhecimento do rosto, e o pescoço é deixado em segundo plano. Sendo assim, é frequente que este local seja tratado mais tardiamente e tenha resultados menos satisfatórios.

No Congresso Americano foi realçado que alguns estudos com o preenchedor de hidroxiapativa de cálcio (Radiesse) pode preencher sulcos e rugas e também estimular a formação de novas fibras de colágeno e elastina. Nesses trabalhos. No caso das peles de textura normal, ele deve ser diluído pela metade, enquanto em peles finas em 1/4 e em peles atróficas em 1/6.

A aplicação é feita na derme média em desenhos específicos com distância de cerca de 0,2mm entre uma picada e outra, cobrindo toda a área do pescoço e são realizadas duas aplicações com intervalos variáveis de 3 a 4 meses.

Estudos histológicos e imunohistoquímicos mostram que há estímulo do colágeno e da elastina, aumentando a espessura e tonicidade da pele. A aparência do pescoço melhora em relação à flacidez e também na qualidade da pele.

IMG_3276

Esse tratamento é eficaz e com poucos efeitos colaterais, podendo ser associado a outros tratamentos, como ultrassom focado, radiofrequência e laser. A prevenção é muito interessante e, quanto mais jovem, melhor a resposta do próprio tecido. Dessa forma, esse tratamento pode ser realizado ao serem percebidos os primeiros sinais da flacidez.

Lembrar que nesse sentido, o ácido hialurônico, que é o preenchedor seguro e muito utilizado, não estimula o colágeno na mesma intensidade que a hidroxiapatita de cálcio.

Sendo assim, é importante lembrar que, cada vez mais, novas tecnologias ajudam na prevenção e manutenção da pele, melhorando a qualidade da vida.

ROSÁCEA

A rosácea, também conhecida como acne rosácea, é uma doença inflamatória que se caracterizada por deixar a pele vermelha e com lesões que lembram espinhas espalhadas principalmente na face. As mulheres entre 35 e 65 anos são as mais comprometidas, principalmente aquelas com pele clara e sensível. Fatores variados, como álcool, calor, frio excessivo e estresse, podem piorar essa condição e causar muito constrangimento e baixa autoestima. rosácea

A causa da rosácea ainda não está esclarecida, mas sabemos que os vasos superficiais da face estão comprometidos e dilatados. Não há tratamento específico, mas são usados antibióticos imunomoduladores, como minociclina e doxiciclina por via oral.

O diagnóstico é médico, assim como o tratamento e devem ser evitados os corticoides sistêmicos ou tópicos, pois estes podem melhorar muito no início, porém causam efeitos colaterais como afinamento da pele, aumento dos vasos e até mesmo a acne. A pele pode ficar viciada ao corticoide, que além de provocar efeito rebote, pode começar a não funcionar mais para o problema.

A rosácea afeta de forma marcante a autoestima, pois denota um avermelhamento constante e incontrolável. Esse avermelhamento melhora pouco com os tratamentos convencionais e por isso, também são usados os lasers para vasos que destroem os mesmos, deixando a pele mais clara e homogênea.

Uma das novidades do Congresso da Academia Americana de Dermatologia deste ano, foi o lançamento de uma nova droga para o controle e melhora do avermelhamento da pele na rosácea. Trata-se do oximetazolina, que age nos vasos e consegue, por algumas horas, diminuir a vasodilatação, clareando a pele e evitando esse efeito indesejado. O produto é seguro e precisa ser utilizado todos os dias, mesmo em conjunto com outros tratamentos.

Outra novidade é a toxina botulínica, velha conhecida para o tratamento das rugas de expressão, também pode ser usada de forma mais diluída para melhorar o avermelhamento da rosácea. A injeção é feita após o produto ter uma diluição maior que a usada para tratamento das rugas e a aplicação é realizada de forma superficial, em pequena quantidade nos locais mais avermelhados. Nesse caso, como a aplicação é de forma superficial, não irá causar relaxamento muscular, mas evita as micro contrações superficiais, assim como diminui o excesso de produção sebácea.

O efeito da toxina botulínica para tratamento da rosácea, após uma única aplicação, persiste por cerca de 3 a 4 meses, melhorando também a textura e coloração da pele.