HIPERIDROSE

O suor é um liquido produzido pelas glândulas sudoríparas da pele para manter a temperatura do corpo. Nossa temperatura deve ficar entre 36 e 42 graus Celsius, sendo que a transpiração regula essa manutenção.

A quantidade de suor produzida por uma pessoa varia segundo a idade, sexo, raça e local de moradia. Os estímulos que influenciam as glândulas sudoríparas são: calor externo, exercício físico, vários tipos de doenças e alterações emocionais. Podemos afirmar também que não existe relação direta do aumento da transpiração com a ingestão de certos tipos de alimentos, embora, algumas vezes, o odor da pessoa possa ser modificado e ela fique com cheiro da substância ingerida que, depois, passa a ser eliminado pelo suor. Isso ocorre também quando a pessoa está tomando algum medicamento que pode facilitar o excesso de transpiração.

Um aspecto interessante e que deve ser lembrado é que o suor propriamente dito, eliminado da glândula sudorípara, não apresenta nenhum odor. Mas, à medida que ele permanece na pele, há um crescimento de bactérias provocando um cheiro desagradável. Na verdade existe um paralelo, quanto maior a quantidade de suor, mais intenso será o odor, porque as bactérias vão crescer com mais facilidade e intensidade.

Eventualmente, há uma disfunção desses mecanismos e teremos então a hiperidrose. Ela ocorre em cerca de 1% da população, trazendo importante desconforto a essas pessoas do ponto de vista social. O individuo tende a se retrair, pois se constrange ao contato físico com as pessoas, e um simples aperto de mão torna-se um problema.

O aumento excessivo do suor (hiperidrose) atrapalha a autoestima e até diminui a vida social da pessoa. A sudorese excessiva pode ocorrer nas axilas, deixando a roupa manchada, com cheiro mais forte, ou pode acontecer nos pés ou nas mãos. Neste último caso, as mãos ficam constantemente molhadas, dificultando a realização de determinados tipos de trabalho, como escrever, digitar, etc.

A hiperidrose pode ocorrer como consequência do hipertireoidismo, de distúrbios psiquiátricos, de menopausa ou da obesidade. O inicio dos sintomas pode ocorrer na infância, na adolescência ou somente na idade adulta, por razões desconhecidas. Eventualmente, podemos encontrar histórico familiar. Mas em geral, não há doenças associadas à hiperidrose, e ela está ligada a uma tendência pessoal ou a uma situação de estresse com muita ansiedade.

Contudo, os casos de hiperidrose nas axilas, por exemplo, podem ser revertidos com uma cirurgia específica que consiste num corte na pele e a retirada de uma quantidade de glândulas. Trata-se de uma cirurgia relativamente simples, feita pelos dermatologistas. O resultado é bastante satisfatório com uma significativa diminuição da sudorese.

Outra opção de tratamento para hiperidrose é o uso da toxina botulínica que bloqueia a ação da acetilcolina, necessária para a sudorese. Ela é aplicada com agulha ponto a ponto, em toda região das mãos e dos pés, e se for o caso, nas axilas. Com o bloqueio a acetilcolina há uma suspensão de cerca de 80% da sudorese nos locais onde a toxina é aplicada, sem causar efeitos colaterais, uma vez que a pessoa continua suando no restante do corpo. Na realidade, o tratamento inibe o excesso de suor que prejudica a pessoa e tem duração de em média de 8 meses.

O mais importante é procurar o serviço especializado, que possa diagnosticar cada caso e escolher o melhor tratamento.

OLHEIRAS

As olheiras representam alterações de relevo e cor que ocorrem na área abaixo dos olhos. A verdadeira ou única causa desta alteração não existe, pois trata-se de uma combinação de fatores, que acabam provocando as olheiras propriamente ditas. Vale lembrar que elas são muito perturbadoras em relação a qualidade de vida, sendo que, para escondê-las, vale tudo, desde óculos escuros, até vários tipos de maquiagem corretiva.

Existem muitos tipos de olheiras e, portanto, o diagnóstico e a especificação são cruciais para escolher o melhor tratamento. A seguir vamos enumerar essas variações para entender a escolha terapêutica.

Olheira por pigmentação vascular, geralmente ocorre em pessoas jovens com pele fina, que por transparência permite a visualização dos vasos, deixando a área bem escurecida. Esse tipo de olheira ocorre com frequência em certos povos, como árabe e mediterrâneo. Neste tipo de olheira, usamos alguns lasers que destroem os vasos. São necessárias de 3 a 6 sessões, com intervalo quinzenal e o resultado final ocorrerá somente após 3 a 4 meses. A olheira em pessoas jovens também pode ocorrer devido a conformação da face, que apresenta o olho afundado, repercutindo sombras escurecidas. Neste caso, o tratamento é feito com preenchedor para diminuir esse degrau e melhorar a aparência da olheira. O ácido hialurônico, com menos viscosidade, é usado em pequenas quantidades e a duração é de cerca de 2 anos. O procedimento é feito com anestesia local e uso de cânula, que evita o aparecimento de hematomas.

Outro tipo de olheira muito frequente é aquele que combina alteração de cor, tanto do pigmento melanina, como pigmento vascular, com flacidez. Nesse caso usamos peelings e também a radiofrequência microagulhada. O peeling pode ser médio (ácido tricloroacético)  ou profundo (fenol) e irá provocar descamação com clareamento e tonificação da pele. O peeling médio e profundo é feito 1 ou 2 vezes e a recuperação da pele demora cerca de 10 dias. A radiofrequência microagulhada, é um aparelho que emite uma onda de calor associada à puntura das microagulhas. Trata-se de uma ponteira, que quando entra em contato com a pele fura e ao mesmo tempo emite calor. Esse “furo” das agulhas é microscópico, sendo que a pele fica edemaciada e vermelha por 4 a 5 dias.

Existem pessoas com olheiras que apresentam bolsas de gordura, escurecimento e flacidez. Nesses casos, além da radiofrequência e do laser para os vasos, também podemos utilizar o ultrassom microfocado. Este aparelho emite ondas de calor que atingem a profundidade da pele, melhorando a flacidez e diminuindo o excesso de gordura.

Os cremes para o tratamento das olheiras não conseguem eliminá-las, mas sim, melhorar a qualidade da pele e também promover um grau de clareamento. São usadas vitamina K, C, E, ácido tranexâmico, ácido tioglicólico, além de hidratantes e corretivos.

A olheira é um grande desafio para o médico e o paciente.

Como lição final deste texto, lembrar da importância do diagnóstico do tipo de olheira, pois este vai definir o melhor tratamento possível para cada caso.

Melasma: O que há de novo

O diagnóstico do melasma é feito clinicamente, onde observamos manchas acastanhadas escurecidas, que ocorrem principalmente no rosto de mulheres jovens. Não é uma doença grave nem contagiosa, mas perturba a autoestima e compromete a vida social das mulheres acometidas.

Recentes trabalhos científicos demonstram que o aparecimento da mancha não está relacionado somente ao melanócito, que é a célula produtora do pigmento, denominada melanina. Hoje, já se sabe que no melasma também estão envolvidas várias outras células, como o queratinócito, o fibroblasto e o mastócito. Outra descoberta muito recente é de que os vasos sanguíneos também são responsáveis pelo aparecimento e manutenção do melasma. Mais uma novidade interessante é que o melasma também tem a ver com o fotoenvelhecimento da pele. Além de tudo isso, vários fatores internos e externos também estão implicados no aparecimento do melasma, como sol, calor, hormônios, estresse, medicações, traumas, entre outros.  Com tudo isso é possível entender porque o melasma é tão difícil de tratar e controlar.

No IMCAS – International Master Course on Aging Science 2017, houve algumas aulas muito interessantes sobre essa mancha que podem contribuir para um tratamento mais efetivo.

Algumas dessas novidades são:

O filtro solar deve, obrigatoriamente, ter proteção para UVA + UVB, ser uma combinação de filtro físico e químico com fator de proteção solar (FPS), maior que 50. Ele deve ser colorido como uma base, pois somente o pigmento protege da luz visível que é emitida pelo telefone celular, lâmpadas e computador.

O tratamento para o melasma deve incluir remédios por via oral e também cremes clareadores. m relação aos tratamentos via oral, estão sendo citadas substâncias diferenciadas como ácido tranexâmico e a glutadiona.

É importante frisar que o ácido tranexâmico, por via oral, é um remédio of-label, que precisa ser receitado pelo médico, que fará exames de sangue para saber da possibilidade de usar essa substância.O ácido tranexâmico em doses de 500 a 750mg por dia mostrou bons resultados no controle da doença. Seu mecanismo de ação é bloquear os vários estímulos negativos que provocam o melasma, como radiação ultravioleta, estresse oxidativo, alterações hormonais, aumento dos vasos sanguíneos.

A glutadiona é outra medicação inovadora que precisa ser indicada pelo médico, pois também tem contraindicações específicas. O potencial de ação dessa substância está relacionado a ação anti-inflamatória e antioxidante.

Também embasado em trabalhos científicos, se observou que é necessário tratar os vasos que estão aumentados. Sendo assim, hoje utilizam-se lasers com comprimento de onda para agredir a hemoglobina. Sendo assim, podem ser usados o Dye laser, a Luz Pulsada e o Nd Yag, todos que destroem vasos mais superficiais. Esse tipo de tratamento evita que haja a manutenção da inflamação, que é sempre constante no melasma.

Para o tratamento do melasma também são utilizados lasers para a mancha, e nesse caso, o laser tem que ser especial, liberando pouca energia e com pulso muito rápido. Esse tipo de laser é chamado Nd Yag Q-Switched, sendo necessárias várias sessões, já que a energia é baixa e pontual. Também pode ser utilizado o microagulhametno e/ou microinfusão de medicamento. Nesse caso, o procedimento é uma picadura na pele, com ou sem medicação. Essa técnica é inovadora e são usadas várias combinações de tratamento como: vitamina C, niacinamida, glucosamina, entre outras.

A última dica é que a pele do melasma deve estar sempre bem hidratada e calma, pois, pele vermelha e descamativa induzem a maior produção do pigmento melanina.

O estresse deve ser controlado e o filtro repassado a cada 2horas.